OS RISCOS DA FALTA DE VITAMINA D NO ORGANISMO

Carência da substância, que pode ser obtida com exposição ao sol ou em alimentos

Ovos e leite são fontes de vitamina D para adultos e crianças
Ovos e leite são fontes de vitamina D para adultos e crianças Foto: Reprodução

Encontrada em alimentos como leite, ovos e, principalmente, em peixes gordurosos, a vitamina D é essencial para o funcionamento dos músculos, a coagulação do sangue, o crescimento das células e o fortalecimento dos ossos. A carência do composto ? problema que afeta aproximadamente 1 bilhão de pessoas pelo mundo ? é um fator de risco para diversas doenças, como raquitismo, osteoporose e diabetes tipo 1. A forma como a vitamina evita o aparecimento desses males, porém, não era uma questão bem entendida até que um grupo internacional de pesquisadores descobriu como ela interage com o DNA.

Utilizando a tecnologia de sequenciamento genético, os cientistas criaram um mapa do receptor da vitamina D no genoma humano, uma proteína que fica ativada em contato com o composto. Ao entrar em contato com a vitamina, o receptor, chamado VDR, se une fisicamente a ela. O mapeamento identificou 2.776 mil locais do organismo onde a proteína liga-se à vitamina D, um número que, segundo o geneticista Sreeram Ramagopalan, do Centro de Genética Humana da Universidade de Oxford, “mostra o quão importante é a vitamina D para os humanos, além de indicar a grande variedade de questões biológicas com a qual está envolvida” (leia entrevista).

Ramagopalan faz parte de uma rede mundial de pesquisadores que estudam o genoma, o Genome-Wide Association Studies (GWAS), que, nos últimos anos, descobriu diversas regiões do corpo que abrigam variantes genéticas associadas ao risco de desenvolvimento de doenças. Na pesquisa sobre a vitamina D, os cientistas identificaram que o excesso de atividade da proteína VDR em determinados locais do genoma estava conectado a diversas doenças autoimunes, como esclerose múltipla, diabetes tipo 1 e doença de Crohn.

A análise também mostrou que a vitamina D tem um efeito significativo na atividade de 229 genes, incluindo o IRF8, previamente associado à distrofia muscular, e o PTPN2, associado à doença de Crohn e ao diabetes tipo 1. “Nosso estudo mostra a grande influência que a vitamina D exerce na nossa saúde”, disse ao Correio Andreas Heger, da Unidade de Genoma Funcional de Oxford, um dos autores da pesquisa. “Agora, temos provas que suportam o importante papel da vitamina D na suscetibilidade a diversas doenças. Já sabíamos, por exemplo, que suplementos do composto durante a gravidez e nos primeiros anos de vida do bebê trazem um grande benefício para a saúde da criança mais tarde. Em alguns países, como a França, a ingestão da vitamina D é uma rotina nos programas de saúde pública (1)”, complementa Sreeram Ramagopalan.

Evolução

No organismo, a principal fonte de vitamina D é a exposição ao sol (2), embora uma dieta à base de óleo de peixe e de outros alimentos também possa suprir o corpo da substância. Pesquisas anteriores já mostraram que a falta do composto pode afetar o desenvolvimento dos ossos, levando a fraturas. A carência também pode ser fatal tanto para a mãe quanto para o feto durante a gravidez, porque uma das consequências é o surgimento de contrações pélvicas involuntárias.

O novo estudo também descobriu que a atividade da vitamina D está associada a genes relacionados a traços físicos, como cor de pele e de cabelo. Isso dá suporte científico a um fato já conhecido anteriormente, o de que pessoas com pele mais escura precisam se expor mais ao sol para sintetizar quantidades equivalentes de vitamina D, quando comparadas às de pele clara.

No sequenciamento do receptor da substância, os pesquisadores encontraram uma quantidade maior de ligações em descendentes de europeus e asiáticos. De acordo com eles, provavelmente, o clareamento da pele à medida que o homem migrou da África resultou na necessidade de o organismo ser mais capaz de sintetizar a vitamina D, evitando raquitismo em crianças e mortes de gestantes e fetos durante o parto.

? A vitamina D foi uma das substâncias que mais exerceu pressão seletiva nos genes em tempos relativamente recentes ? explicou o neurologista George Ebers, um dos autores do estudo.

Tratamento é medicamentoso, com administração de ansiolíticos e antidepressivos, dependendo do caso

APENAS 40% DOS UNIVERSITÁRIOS CONHECEM PRAZO IDEAL PARA USO DA “PÍLULA DO DIA SEGUINTE”

Matéria anterior
Nozes são riquíssimas em magnésio

SUPER-HERÓI DO ORGANISMO: MAGNÉSIO É INDISPENSÁVEL PARA SAÚDE

Próxima Matéria