Cachorros de focinho curto sofrem mais no verão e exigem cuidados extras

* Gazeta do Povo

Eles são meigos, cheios de dobrinhas e fazem o maior sucesso nas redes sociais. Os cães braquicefálicos – que têm a “cabeça achatada” -, como pugs, buldogues, pequineses, shih tzu e lhasas, derretem o coração dos donos com seus olhinhos saltados e focinhos amassados. As características anatômicas, porém, os predispõem a uma série de doenças. Uma das principais questões ligadas ao focinho mais curto diz respeito às trocas de ar, que ocorrem com maior dificuldade.

— Se o animal ganha peso, a gordura acumula também dentro do organismo, prejudicando a expansão das estruturas respiratórias — explica a veterinária Ana Paula Sarraff Lopes, professora da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

:: Eles também derretem! Saiba como cuidar dos pets no calor
:: Sabia que os bichinhos também precisam escovar os dentes?

De acordo com Ana Paula, a alteração anatômica da cabeça pode fazer com que o cão nasça com até três “defeitos” respiratórios: narinas estreitas, traqueia com diâmetro reduzido e palato mole prolongado. Este último ocorre quando a estrutura que separa a cavidade nasal da cavidade oral é comprida demais. A sobra de tecido provoca o ruído característico que esses cachorros produzem ao respirar. As três disfunções associadas caracterizam a síndrome braquicefálica. As narinas e o palato mole podem ser operados, aliviando os problemas. Nem todo cão braquicefálico tem a síndrome, mas os donos devem tomar cuidado com o maior risco gerado pela respiração difícil: a hipertermia.

— Como os cães não suam, as trocas de calor são realizadas apenas através do focinho e da boca — explica a veterinária Thaís Andrade Costa Casagrande, coordenadora da comissão de ética para uso de animais em pesquisa da Universidade Positivo, em Curitiba (PR), acrescentando que a respiração problemática dificulta que os animais resfriem o corpo.

— Essas raças têm intolerância ao calor. Deixar o cão exposto ao sol quente pode levá-lo à morte.

200

 

A dica é levá-los para passear em horários mais frescos, oferecer água à vontade e deixá-los à sombra em locais externos, como quintais.

Se o seu cão desmaiou ou começou a passar mal devido ao calor, tente resfriá-lo imediatamente.

— Molhe e coloque gelo próximo à cabeça, dê um banho e leve-o ao veterinário — orienta Thaís.

Lá, o especialista pode aplicar soro ou oxigênio, caso seja necessário.

200 (1)

Outro cuidado fundamental é em relação aos olhos: por causa do rosto achatado, os cães braquicefálicos têm a órbita ocular rasa e são predispostos a doenças na região ocular. Pancadas na cabeça e puxões muito fortes de coleiras de pescoço podem fazer com que o globo ocular salte para fora.

— Caso ocorra, pegue imediatamente um algodão ou gaze umedecida em água ou solução fisiológica, recoloque o olho no lugar e corra para o veterinário — recomenda a veterinária.

Olho ressecado, úlceras na córnea e problemas na pálpebra também são comuns. Fique sempre atento e consulte um especialista sobre as medidas adequadas.

200 (3)

Outros cuidados para prevenir problemas

Coleira
Escolha o modelo peitoral – o de pescoço dificulta ainda mais a respiração e pode causar acidentes oculares.

Dentes
Escove os dentes de seu cão a cada dois dias. O tamanho reduzido da cabeça gera dentes acavalados, que podem reter comida, o que provoca tártaro, gengivite e perda dentária.

Pele
As dobrinhas de pele acumulam secreções e gordura, o que pode levar a infecções fúngicas, assaduras e alergias. Limpe esses locais regularmente com cotonete ou uma toalha delicada umedecida com água.