Sair de férias sem o pet: quem vai cuidar do mascote?

Chegaram as férias, mas nem sempre podemos estender ao nosso pet uma semana na casa de um amigo ou uma passagem de avião. Os contratempos e custos podem não compensar em alguns casos. Por outro lado, não saber como está o humor de seu mascote pode causar um peso na consciência que só termina no dia em que você colocar os pés novamente em casa.

A questão merece mais atenção na primeira vez em que o pet ficar longo tempo sem a presença do dono. Animais jovens, que nunca tiveram essa experiência, são fortes candidatos a ficarem abalados (e até mesmo doentes) quando seus donos saem de férias.

dog-727808

Seu pet pode ter passado um ano de ouro, sem ter um único espirro, mas cair em prostração quando dias e mais dias se passam sem ver seu dono. Tão importante quanto saber quem vai cuidar de seu pet é contar com um veterinário que conheça seu mascote para melhor atendê-lo em caso de necessidade. Outro aspecto importante a ser considerado é se vale a pena levar seu mascote para outro ambiente durante suas férias. Às vezes ficar em casa, mesmo sem os donos, pode ser menos traumático do que trocar o pet de lugar.

Há gatos, por exemplo, que retém a urina por mais tempo se não estão em suas casas. Quando finalmente a bexiga esvazia, a espera pode ter gerado uma cistite. Também há casos de animais que pouco se alimentam, o que explica o baixo peso de seu pet quando você volta para casa. E acidentes podem, sim, acontecer. Alguns cães tentam fugir, passar por frestas, aproveitar oportunidades jamais imaginadas como potencialmente perigosas em um ambiente de normalidade no lar. E ao voltar de férias, lá está seu pet com gesso na perna e você com um mega peso na consciência.

cat-269047

Leia também
:: Mau hálito? Veja como acabar com o tártaro dos pets
:: Seu cachorro ou seu gato odeia andar de carro? Saiba o que fazer

Se é sabido que você passará muitos dias longe de casa, o melhor é já ir treinando um plano B de atenção para seu pet e não estrear esses cuidados nas vésperas de sua viagem. O mascote tem de entender que de vez em quando você se ausenta, mas volta. E essa compreensão varia de acordo com a capacidade e experiências dele associado ao apego da família. Dormir uma noite por mês na casa de um familiar é uma forma de fazer com que seu mascote entenda que de vez em quando ele não vai dormir em casa, mas que estará entre pessoas conhecidas de seu dono. Uma noite na pet shop que ele frequenta também faz esse papel, mas saiba se o espaço destinado à hospedagem é individual ou compartilhado.

Procure acostumar seu pet a ficar um pouco sozinho. Isso o independiza e reduz a necessidade de revezamento familiar nos cuidados com ele. A seguir algumas alternativas para atender seu mascote em sua ausência:

Visita a domicilio

Para aqueles que, além de pets, têm aquários e plantas para serem cuidados, o mascote acaba fazendo parte dos cuidados habituais da diarista ou da empregada doméstica. Manter as visitas de uma pessoa conhecida à casa auxilia a manter o ar de naturalidade que traz conforto ao pet. Nesse caso, deixar seu mascote em casa passa a ser uma boa opção desde que ele não comprometa o sossego da vizinhança com miados, uivos e latidos. Pedir ajuda para vizinho assistir seu mascote também é uma boa alternativa. É interessante pessoas que moram sozinhas criar um “clube pet” com os vizinhos, o que favorece a ajuda mútua. Você também pode contratar uma pessoa conhecida e adaptá-la às necessidades de seu pet durante o período de férias. A vantagem de ficar em casa é que está o mascote de posse de todos os seus brinquedos e cobertores, além de dormir na cama habitual.

Casa dos outros

Para quem precisa levar o animal para outro ambiente, o ideal era esse lugar seu previamente conhecido pelo mascote. Casa de parentes, vizinhos e amigos podem trazer algum conforto e isso depende do grau de entrosamento do animal com essas pessoas. Há quem propicia ao bichinho um verdadeiro SPA, mas atenção! Lugar estranho sempre fica seu pet sujeito a acidentes, ainda mais quando o local não está preparado para esta finalidade, apesar da boa vontade dos moradores em receber seu pet. A presença de outro animal na casa alheia passa a ser interessante se os animais se sentirem à vontade a ponto de brincarem juntos. Mas o contrário também pode acontecer. Reveja se é seguro levar seu gato para uma casa que já tenha um cachorro. Isso vale também para quem leva pássaros e hamsters para serem cuidados por terceiros. O inconveniente de ter de levar seu mascote para outro lugar é transportar boa parte dos objetos que ele costuma usar na casa em que mora, como cama, brinquedos e cobertores.

Existem ainda opções como a plataforma Dog Hero, que uma “babá” irá ficar com seu pet durante sua ausência mediante valores que vocês combinam.

Hotéis

Se o voto vencedor for um hotel, não hesite em pedir para conhecer pessoalmente as instalações que receberão seu pet. Muitas empresas oferecem espaços e até fazendas para hospedar seu animal, mas a distância impossibilita sua vistoria. Conhecer onde seu mascote ficará nas férias é muito importante uma vez que dividir espaço com outros animais aumentam as chances de acidentes. Há hotéis que disponibilizam câmeras para que o dono veja por onde anda seu companheiro. É bom lembrar que esses locais só recebem seu mascote com a carteirinha de vacinação em dia e desconfie da seriedade do serviço se isso não for fator impeditivo para a entrada do pet. Também é necessário fazer tratamento preventivo para ectoparasitas. Se este hotel está associado a uma clínica veterinária tanto melhor. Não esqueça que seu pet pode não dar a menor atenção aos entretenimentos oferecidos para distrai-los da tristeza de estar longe de casa. Não subestime a saúde de seu mascote: ele pode adoecer. Por outro lado, a experiência fora de casa pode ser fascinante a ponto de seu mascote sentir falta do local que o acolheu. Alguns brincam e se distraem tanto que voltam mais magros para casa em função das atividades físicas praticadas, o que nada tem a ver com restrição alimentar.

Fotos: Pixabay

Fotos: Pixabay

Leia mais
:: 6 perguntas antes de adquirir seu segundo animal de estimação
:: Os 5 problemas mais comuns na pele de seu cão