Veja dicas para acostumar seu pet a ficar sozinho em casa

Final de semana na casa do namorado, hotel que não permite cachorros, convite para ir ao Litoral — mas não pode levar seu mascote para a casa dos amigos. Um treinamento que costuma ser negligenciado pelas pelos proprietários é justamente aquele que vai diminuir — e muito! — a dor de cabeça quando for necessário deixar seu pet sozinho em casa por uma noite. E não estamos falando apenas em férias. Por razões de trabalho e até compromissos familiares, podemos ter que passar um dia ou dois fora de casa e seria bom seu mascote ajudá-lo nesse quesito sem uivar a noite toda ou roer os móveis da casa.

Para quem ainda não “esticou” um sábado à noite, seguem algumas dicas para que seu pet não se sinta tão sozinho e você não tão culpado por deixá-lo sem presença humana na casa.

E atenção: a falta de água, conforto e comida são fatores desencadeantes de estresse no animal, podendo fazer com que ele tenha um comportamento inadequado. Se for assim, tratá-lo com mimos e recompensas nem sempre funciona pois pode potencializar a rebeldia.

Não é recomendado deixar um animal um dia inteiro sozinho sem experiência prévia. Se houver a real necessidade de ausência do dono de um pet que nunca ficou só, um plano B pode ser a casa da mãe, sogra ou pessoas conhecidas até seu mascote ter tempo para assimilar que você pode até passar uma noite fora de casa, mas sempre acaba voltando.

Acesso a áreas maiores
Se seu cachorro está acostumado a dormir na área de serviço, estender outros cômodos da casa é uma forma de oferecer mais segurança e conforto em sua ausência. Jamais o confine a uma área que receba raios solares diretos na época de verão ou rajadas de vento durante o inverno. Seu cão deve se sentir protegido. Recolha os tapetes se você desconfia que ele pode protestar urinando sobre deles.

Entretenimento
Embora a maioria dos cães prefira brincar com seus donos, deixar seus brinquedos conhecidos ao seu alcance ajuda a trazer um ar de normalidade ao ambiente

Água e comida
Quem pretende acostumar o pet a momentos mais longos sozinho, deve ter em mente que desde cedo o animal deve se acostumar a comer ração seca em função da facilidade do armazenamento. A quantidade deve ser abundante e existem recipientes específicos para períodos de viagens dos donos.

Estressado com sua ausência, seu cão pode não comer nada ou esvaziar tudo o que você deixar. Na dúvida, deixe uma boa quantidade. Água também é fundamental. Coloque cinco potes com a quantidade que você pensa que já é o suficiente, e distribua por mais de um lugar. Lembre-se que seu pet pode virar o recipiente que também deverá estar protegido do sol.

Foto: Pixabay, divulgação

Foto: Pixabay, divulgação

Noite silenciosa
Verifique se o dia que você vai estar fora de casa não é final de um importante campeonato de futebol. Fogos de artifício só pioram a adaptação, o mesmo podendo ocorrer em noites de chuvas e trovoadas. Épocas de festa são os piores dias para se começar um treinamento pois o mascote pode revelar comportamentos compulsivos até então desconhecidos para os proprietários, situação que pode requerer acompanhamento de um profissional.

Cuidados com janelas e portões
Se a ventilação de sua moradia é eficiente e seu cão fica dentro dela, procure deixar abertas apenas as janelas que não servirão de fuga para seu pet. Frestas de porta também atendem bem essa finalidade desde que seu cão não saiba como ampliá-las. Tenha uma ideia da condição climática do final de semana em que ele vai ficar sozinho para evitar que ventos fortes, frio e chuva molhem sua cama. Para quem mora em casa, certifique-se de que seu cão não vai fugir ou ficar preso entre as grades se tentar passar por elas.

Foto: Pixabay, divulgação

Foto: Pixabay, divulgação

Vizinhos e amigos
É prudente a quem tem mascotes ter por perto um amigo ou vizinho. Uma pessoa de confiança para ver seu pet uma vez por dia é uma excelente ideia para verificar se tudo está correndo sem atropelos. Os vizinhos ainda podem ficar com seu telefone caso seu pet comece a gritar e uivar em sua ausência, o que mostra preocupação não apenas com seu animalzinho, mas também com o repouso dos demais condôminos.

Aprendizado lento, gradual e progressivo
O que determina o sucesso dessa adaptação é a forma como foi instituído o treinamento, a relação de confiança do dono com seu cachorro e a personalidade dele. Comece deixando-o sozinho por horas a mais e outro dia estenda até a manhã seguinte.

Leia mais:
:: Alteração de rotina, inquietudes do dono e mais: 5 motivos para seu cão estar estressado
:: Faça você mesma: dar banho no seu mascote em casa pode ser divertido