Quer dar um pet para seu filho no Dia das Crianças? Confira dicas para escolher o mascote

Aviso aos pais atarefados: estamos a pouco mais de um mês do Dia das Crianças, e se seus filhos estão desde o início do ano esperando por aquilo que foi empurrado para outubro – época mais quente,  férias chegando – agora é hora de colocar o que foi combinado em prática para não  correr o risco de ficar  para o Natal a chegada do tão esperado mascote da família.

Foto: Pixabay, reprodução

Um gato peludinho, um yorkshire ou um mestiço de pelo curto? A escolha por um pet nem sempre é tarefa fácil, ainda mais se haverá mais de uma pessoa encarregada de cuidar dele. O importante é a escolha estar pautada nos valores do lar, e isso pode incluir recolher da rua quem precisa.  Atender ao sonho do filho também tem seus méritos e, em vista disso, quem procura uma raça específica já é bom estar percorrendo canis especializados para ver por onde andam – se é que estão caminhando – os filhotes. Já a escolha de um pet abandonado se baseia em outros critérios, já que, diferentemente de um de raça, não se conhece a tendência de seu temperamento, o que deve ser obtido por meio de contato e interação. Animais sem procedência conhecida podem assustar em um primeiro momento mas depois de certo período de tempo já é possível conhecer mais sobre a personalidade de quem está sendo levado para casa.

Se você optou pelo animal de raça e pretende apresentá-lo à família exatamente no dia 12, saiba que hoje ele não deve estar com uma idade inferior a 15 dias. Visite diferentes criadores antes de bater o martelo. Havendo interesse,  você  faz uma reserva para garantir a data do presente, mas ainda deixando-o ao lado da mãe e dos irmãos por algumas semanas, o que é bom para a socialização dele.

Foto: Pixabay, reprodução

Para quem vai recorrer a um abrigo, esteja atento que dificilmente haverá a possibilidade de reservar um animal e buscá-lo apenas na véspera do Dia das Crianças. Isso porque a doação costuma ser um ato imediato e os locais que os recebem estão sempre lotados. Não deixe de visitar o abrigo em dias alternados para observar seu futuro mascote em diferentes momentos.  Para que a relação com seus filhos seja prazeirosa, é interessante visitar o animal, retirá-lo do ambiente comum e ter alguns instantes a sós com ele. Dessa forma, você consegue interagir sem influência de terceiros e assim perceber algum traço da personalidade dele que terá melhores chances de se adaptar à rotina de sua família.

Foto: Pixabay, reprodução

Apaixonando-se por um pet de abrigo, o que não é difícil de acontecer, mas não tendo para onde levá-lo, a dica é  uma clínica veterinária, lugar especializado onde ele ficará alguns dias em observação. Existem clínicas solidárias à causa e os valores de diária costumam ser reduzidos. Embora muitos abrigos entreguem seus protegidos castrados e sem verminose, alguns dias recebendo atenção de profissionais de forma mais exclusiva é interessante para evitar problemas futuros com patologias cujos sinais não apareceram até o dia da adoção. Cabe lembrar que cães e gatos filhotes estão mais propensos a doenças do que animais adultos, daí não haverem sinais clínicos evidentes quando da visita, ainda mais se o animal foi recolhido há pouco tempo, histórico que nem o abrigo teve tempo de constatar.

Foto: Pixabay, reprodução

Ainda tratando de doações, nas redes sociais aparece com freqüência fotos de animais, filhotes ou não, em busca de um novo lar. Fique atento às postagens a partir de agora. E se a escolha se der nos próximos dias, uma boa dica também é contar com a casa da sogra, do irmão ou de um amigo para deixar seu futuro mascote, bichinho que terá momentos de alimentação e descanso, desta vez sem atropelos, e já criando vínculos com aqueles que fazem parte da vida de seu tutor.

E lembre-se: um pet não é um brinquedo. Embora seja notável e recíproco o afeto entre crianças e seus animais de estimação, avalie se seus filhos estão realmente preparados para levar para casa  uma criatura frágil e indefesa que necessita de cuidados, atenção, respeito e carinho.

Leia mais
:: Em oito passos, aprenda a dar remédio para o seu pet sem (muito) sofrimento
:: Gato com cão, cão com hamster… Dicas para adaptar um animal de outra espécie na casa
:: Você sabia que seu pet pode ter pressão alta? Veja como descobrir