Faça você mesma: como tosar as patas de seu cão

Faça você mesma: como tosar as patas de seu cão

A correria do final ano foi longa, gastou todo o dinheiro antes das férias ou você é daquelas que ama deixar seu pet peludinho? Por mais que você goste de seu Lhasa Apso com o pelo comprido, lembre-se de que a maioria dos cães sente prazer quando perde as madeixas longas na época de calor.

Para quem se preocupa com estética, é importante saber que o pet não liga para pelos quando o assunto é conforto e bem-estar. Existem raças que, se não forem tosadas, podem ficar com o pelo falhado e sem graça, fazendo-o até mesmo cair (como é o caso dos pastores e collies). Assim, é recomendável que você acelere esse processo com a ajuda de uma tesoura, preparando uma pelagem uniforme e saudável até o próximo inverno.

Mas se você mantém o pelo escovado e no capricho, e seu pet é daqueles que permanece o verão em locais frescos, versão inverno pode não ser um martírio, mas ainda assim é interessante “revisar” se as patinhas de seu cachorro estão adequadas à rotina dos meses de verão. Patas com pelos entre os dedos amortizam ferimentos quando o assunto é caco de vidro e pedrinhas esquecidas no meio da grama se seu pet sai para passeios diários.

Outra vantagem é que ficam as almofadinhas plantares – aquela bolinha preta debaixo do pé – mais bem protegidas de queimaduras, o que não acontece quando você remove o excesso de pelos. Por outro lado, esses cães tendem a escorregar nas lajotas das casas de veraneio quando molhadas ou ao sair correndo para brincar com as crianças.

Patas nuas facilitam a higiene, evitam o desconforto que “bolinhas”(emaranhado de pelos) podem promover entre os dedos, dificultam a vida de fungos e bactérias e trazem uma sensação de pés descalços nos pets. Ao serem lavadas secam em poucos minutos.

O lado negativo é que alguns cães são alérgicos à máquina de tosa e têm suas patas cobertas por pequenas feridas em função disso. Se o processo for realizado em casa, uma tesoura sem ponta evita essa dermatite, mas seu mascote deve ser muito zen e sua visão muito apurada. Além de gestos suaves e seguros para fazer isso em casa sem machucar os dedinhos de seu pet.

Pronta para a higiene? Confira o passo a passo para tosar as patinhas do seu animalzinho

Com uma escova adequada, não deixe um fio das patas de seu cão ficar de fora da escovação
IMG_20180103_220832
Com a pata apoiada no chão, corte os excessos de forma circular

IMG_20180103_221146
Você pode se sentir melhor fazendo isso contendo seu pet no colo, mas ele não pode ter o costume de recolher bruscamente a pata de sua mão

IMG_20180103_221427
Considere a possibilidade de manter íntegra a região entre os dedos se isso proteger mais a pata de seu pet

IMG_20180103_221619
Caso contrário, remova o pelo entre os dedinhos. Atenção: seu pet não pode se mexer ou sentir cócegas. Um corte nessa região pode levar semanas de tratamento e significa grande desconforto para o animal

IMG_20180103_221946
Pronto! Patinha peluda versão primavera-verão

IMG_20180103_222059

Leia mais colunas
:: Descubra o que fazer para seu cachorro não enjoar em viagens
:: As frutas que seu pet pode consumir
:: Por que você não deve dormir com seu pet

Descubra o que fazer para seu cachorro não enjoar em viagens

Descubra o que fazer para seu cachorro não enjoar em viagens

Malas prontas, carro revisado, água e petiscos ao alcance da mão. O que não foi planejado é o cachorro da família vomitar o banco traseiro trinta minutos depois de sair da cidade. E olha que ainda faltam sete horas de estrada rumo ao litoral.

O problema é antigo, cão e carros são assim: amor à primeira entrada, com direito a ventinho na janela ou ódio eterno ao balanço do carro. Mas por que justo nas férias se o Totó nunca foi de enjoar? O que muita gente não parou para pensar é que uma coisa são passeios pela cidade – 60 km por hora, paradas em sinaleiras, trajetos curtos – outra é a estrada, acelerações súbitas, ultrapassagens, curvas e calor, muito calor. E considerando que muita gente está indo ao litoral pela primeira vez com seu mascote, vômito no carro ganha proporções alarmantes.

Embora vômitos prolongados alterem o equilíbrio ácido-básico do organismos do cachorro, existem maneiras de driblar o ocorrido. Algumas dicas DEVEM ser seguidas para evitar que seu pet chegue ao destino desidratado e precisando de reposição de eletrólitos via endovenosa, ou seja, lá vai você procurar uma clínica veterinária no primeiro dia de veraneio.

Dicas que podem salvar seu passeio:

* Mantenha o interior do carro ventilado;
* Dirija sem grandes curvas e mudanças bruscas de velocidade; quanto maior o agito, maior a probabilidade de seu pet colocar tudo estômago afora;
* Som alto não contribui em nada com o momento zen que seu pet enjoado deve ter na estrada;
* Esteja atento ao horário de saída, prefira aqueles com menos sol e menor quantidade de carros;
* Não forneça água nem alimentos pelo menos uma hora antes da viagem;
* Paradinhas estratégicas a cada hora podem ajudar seu pet a ventilar, o que pode ser feito em refúgios ou postos de gasolina, mas JAMAIS saia sem a guia presa ao seu cão. Permita-o cheirar a grama, fazer xixi e deitar um pouco à sombra; se estiver ofegante, ofereça água, mas não volte imediatamente ao carro depois disso;
* Forrar o banco de trás com material impermeável também é uma boa precaução para pets que enjoam. O odor forte do conteúdo estomacal pode promover mal estar nos passageiros e no próprio pet que vomita ainda mais.

Mesmo tomando esses cuidados, para alguns cães, contudo, carro pode ser sinônimo de martírio, e nesse caso é interessante você conversar previamente com o veterinário dele para levar medicação e saber a dose a der administrada em caso de pane canina. E lembre-se: é fundamental fazer da experiência alg agradável ou menos assustador porque manter o bem-estar de seu mascote durante o trajeto já é uma forma de começar bem o verão.

Leia mais:
:: Férias com o pet? 13 coisas que não podem faltar na mala de viagem
:: Vai viajar com seu pet? Atenção às regras e documentos

O que seu pet não pode comer de jeito nenhum na ceia de Natal

O que seu pet não pode comer de jeito nenhum na ceia de Natal

Neste final de semana, os pets terão um teste e tanto para enfrentar. Não bastassem os fogos de artifício, o relaxamento entre amigos durante a ceia de Natal pode driblar nossa vigilância e isso, aliado a falta de conhecimento, pode trazer malefícios para seu pet a ponto de ser necessário alguns dias internado em uma clínica veterinária para desintoxicação. Mas por quê? Como isso foi acontecer?

Foto: Pexels

Foto: Pexels

Panetone. Uvas passas e chocolate em um mesmo produto são um prato cheio para intoxicar seu pet, principalmente o cão. E às vezes a culpa não é de ninguém. Uma visita, em especial crianças, quer fazer um agradinho e acaba oferecendo ao pet o que não devia, mas não raro o mascote rouba os petiscos da mesa, do lixo ou até do chão.

Mas como saber se seu pet está passando mal por que ingeriu algo tóxico?
A presença de chocolate, uvas passas, maionese, doces e temperos na ceia natalina já é um indício de que seu pet pode ter se alimentado deles, o que pode explicar salivação, tremedeira e até vômitos, sinais que não vieram pelo medo de fogos de artifício, mas pela ingestão de guloseimas. Cabe lembrar o vilão das intoxicações, o chocolate, deslize mais comum essa época do ano, que por ter rápida absorção, ao cair na corrente sanguínea, atinge o sistema nervoso central.

As manifestações clínicas – diarreia, vômito, tremores e respiração acelerada – surgem de seis a 12 horas após a ingestão e podem persistir por dias. Pode ocorrer hemorragia intestinal e, em casos mais severos, convulsão e até coma. A dose tóxica varia de acordo com o porte físico e a sensibilidade do animal, mas uma barra de 120 gramas pode ser fatal para um poodle ou Lulu da Pomerânia.

dog-2426541_1920

Foto: Pixabay

Vale a pena lembrar o que a especialista em nutrição de cães e gatos, Gerusa Silveira, já listou para gente prestar atenção e não oferecer aos animais:

ALHO/CEBOLA
MACADÂMIA
PANETONE E UVAS PASSAS
BEBIDA ALCOÓLICA
OSSOS
ABACATE
MAIONESE CASEIRA
DOCES (BALAS, CHICLETES, ETC)

Para não comprometer a saúde de seu pet, e a alegria das comemorações, a dica é alimentar seu mascote antes da chegada dos convidados. Avise a todos que tem pet solto na área e que não deve receber alimentos da mesa e isso vale para todos os bichinhos da casa, o que inclui gatos, hamsters e até o papagaio. Havendo muita gente – e crianças – na festa de Natal, pondere se não vale a pena deixar seu pet fechado no quarto ou em outra casa mais segura e com menor agito. Não esqueça que mesmo depois de todos os cuidados, seu mascote pode revirar o lixo no dia seguinte e ingerir esses alimentos.

Leia mais:
:: Frutas que seu pet pode (e deve) consumir
:: Alimentação para cães e gatos: entenda os riscos de mudar a dieta dos pets

Leia estas dicas antes de presentear seu filho com um animal de estimação no Natal

Leia estas dicas antes de presentear seu filho com um animal de estimação no Natal

Final de ano, em muitas famílias, a mesma história se repete. O que não veio na Páscoa nem no aniversário ganha reforços com a chegada do Natal. Isso, acrescido de bom comportamento e bom desempenho na escola, se mostra argumento mais do que suficiente para pais e mães se curvarem aos insistentes pedidos do filho que há horas implora pelo animal de estimação.

Até aí tudo bem. De acordo com Heloísa Fischer Meyer, médica psiquiatra da infância e adolescência, um bichinho pode trazer algumas vantagens para o público infantil. A tolerância à frustração, aprender a lidar com a morte, a respeitar os limites dos outros e até mesmo a dividir são alguns desses benefícios. A questão é quando os pais, por não terem muita afinidade com animais, acabam protagonizando uma cena que não é tão rara nos consultórios veterinários algum tempo depois: dá pra vocês ficarem com o cachorro? O Joãozinho não está cuidando dele.

Um dos maiores motivos que levam o animal a doação, seja ele de raça ou trazido de um abrigo, é quando um adulto, refratário à presença do cão ou gato, chega ao seu limite de tolerância do animal. Isso pode acontecer meses ou anos depois, com o cuidado da alimentação e higiene do mascote dos filhos. Estes que ganharam o tão sonhado animal de estimação sob a condição de ajudar a cuidar dele.

Se estamos falando de um adolescente, talvez o combinado tenha efeito prático, mas, segundo a especialista, um dos maiores erros é exigir de uma criança a responsabilidade de gerir os cuidados de seu pet. Heloísa salienta que pode ser exigido sim uma parcela de esforço do tutor mirim, mas desde que isso se enquadre em suas capacidades.

– O dever da criança é brincar com seu mascote e dar carinho. Passear na rua, banho e alimentação é responsabilidade de adulto. O pior que os pais podem fazer é doar o animal e dizer que isso se deve pelo fato de a criança não ter cuidado dele – enfatiza Heloísa.

Embora a maioria das famílias simpatize com a ideia de dividir o teto com um animal de estimação, deve-se ter em mente que a chegada de um mascote nas vida das crianças é, sim, mais uma tarefa para os adultos. E se o pai ou a mãe realmente não aprecia as responsabilidades que vem junto com o animal, o jeito talvez seja esperar os filhos crescerem. Mas enquanto esse dia não chega uma maneira de tangenciar o desejo é brincar com o cachorrinho na casa da vovó, “pedir emprestado” o gato da tia, visitar com maior freqüência o amiguinho que tem cachorro. É um contato harmonioso que exige bem menos comprometimento dos pais, não magoa os filhos, e, principalmente, não compromete o bem-estar do animal, que ganha a chance de ser adotado por uma família que o acolha com afeto pelo resto de sua vida.

Leia mais
:: Por que você não deve dormir com seu pet
:
Pense rápido: qual foi o pet mais legal da sua vida?

Vai viajar com seu pet? Atenção às regras e documentos

Vai viajar com seu pet? Atenção às regras e documentos

Pet na janela só fica bem em foto. É preciso acondicioná-lo em caixas ou adaptador ao o cinto de segurança (Foto: Pexels)

Já falamos aqui, nas férias de julho, que quem quisesse levar seu pet para passar o Révéillon no exterior, dependendo do país, talvez tivesse de fazer exames de sangue já no mês de setembro com vistas àquele período. Mas o inverno é uma estação distante demais para se pensar o que fazer no final do ano, e por isso que só agora, com o Natal chegando, é que bateu aquela vontade de ir de mala, cuia e pet fazer uma visita-surpresa para a irmã que mora há 700 quilômetros de distância da família.

O bom é que o Brasil é bem grande e muitos podem ser os destinos para os pets sem grandes burocracias. O tutor precisará sempre portar a carteira de vacinação antirrábica em dia acompanhada pelo atestado de um médico veterinário, credenciado pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária, que tem validade de até cinco dias. Ou seja: na hora de voltar, se ultrapassar esse período, você deverá procurar um profissional na cidade onde estiver para um novo atestado. Não é exagero, é questão de zoonose, de saúde pública os animais viajarem sem oferecer riscos à população, razão pela qual essas regras não podem ser negligenciadas.

* Ônibus

Quem vai se deslocar de ônibus para outra cidade deve acondicionar o mascote em uma caixa de transporte adequada para seu tamanho. É necessário se informar junto à empresa quais são regras específicas sobre transporte animal (peso e tamanho) porque pode variar centímetros de uma para outra. De qualquer forma, o pet não embarca sem os documentos descritos acima.

* Carro

Mesmo estando dentro de seu automóvel, você deve acondicionar seu gato em uma caixa de transporte, o mesmo valendo para cães de pequeno porte. Se seu mascote é de raça grande, é permitido levá-lo no banco de trás, desde que devidamente protegido pelo adaptador de cinto de segurança que você encontra em lojas do ramo.

* Avião

Informe-se, e com muita antecedência, sobre as regras da companhia que se pretende viajar por que pode incluir até mesmo a necessidade de sedação. Seu pet pode até viajar na cabine, também acondicionado em caixa de transporte, mas existem restrições sobre essa possibilidade e não costuma ser mais de um pet por vôo, lembrando que a prioridade são cães de serviço, como cães-guia.

Lembrando que:

Os países do Mercosul permitem o trânsito de animais com o Passaporte para Cães e Gatos, um documento emitido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) que contém todos os dados do animal que deve ser chipado antes de deixar o Brasil. Países como Uruguai e Paraguai estão atentos para a leishmaniose, doença para a qual os cães brasileiros precisam apresentar exame sorológico negativo.

O atestado de saúde têm validade até o aeroporto internacional e o despacho é realizado pelos fiscais do MAPA, órgão que está aberto para esclarecer dúvidas através de agendamento, uma maneira segura de buscar informações sobre as exigências sanitárias de outros países. Para a União Europeia, por exemplo, os trâmites antes de deixar o Brasil podem demorar quatro meses para ser concluídos, tempo bem menor se o país de destino for o Canadá ou os Estados Unidos.

Mais informações, clique aqui.

Leia mais:
:: Férias com o pet? 13 coisas que não podem faltar na mala de viagem
:: Lições em quatro patas: donas de pets contam como animais mudaram suas vidas