Menos ansiedade e sono tranquilo: por que ter um pet ajuda a viver mais

Menos ansiedade e sono tranquilo: por que ter um pet ajuda a viver mais

Muita gente enfatiza os benefícios do animal de estimação sobre a saúde de seus donos, mas quais são exatamente os mecanismos que respondem positivamente a esta afirmação?

Na segunda metade do século XX, pesquisadores começaram a explicar o que a humanidade há milênios já vinha praticando. Ter um cão como auxílio à guarda do patrimônio já era uma prática reconhecida na Antiguidade, utilidade número 1 dos cães também na Idade Média, período em que atingiram um importância impossível de mesurar em nossos dias pois a eles se devia a segurança das ovelhas, o alimento que mantinha vivo todo um povoado.

Essa característica de proteção e guarda justificou sua permanência junto aos humanos mesmo sob a sombra corrosiva da Inquisição, tempo em que eram considerados satânicos e adoradores do demônio, estranha correlação que até tem explicação. Animais errantes, muitos adoeciam e transmitiam doenças para as pessoas, o que na época era interpretado como sendo uma chaga enviada por Satanás. Aí danou-se. Pobre do cão. E há quem tenha sido queimado junto com seus cães, por ter tido o bom coração de acolhê-los.

Ironicamente, em nosso dias, é ele, o coração, quem mais se beneficia do convívio canino. Antes dos porteiros eletrônicos e das cercas elétricas, era dele a tarefa de auxiliar na guarda do patrimônio, um amparo que se estende à saúde de um coração cujas coronárias já não suportam grandes tensões.

É da Universidade da Pensilvânia o estudo que se replicou pelos Estados Unidos que levou em conta a presença de um cão como auxílio à manutenção do lar e bem-estar da família. Quem tem um cão de guarda tende a perder menos o sono durante a noite e menos vezes acorda sobressaltado com ruídos estranhos nas imediações de sua residência. Logo, a presença de um guardião noturno torna o passar das horas algo menos opressivo.

Cientificamente falando, não é o cão um criatura com poderes mágicos, uma fonte milagrosa que se derrama sobre seus donos. O que explicaria a interferência do animal no desenvolvimento de doenças cardíacas é sua capacidade de reduzir o estresse crônico e a ansiedade, esses sim com potencial destruidor sobre a saúde dos humanos.

Sendo assim, reduzir a ansiedade durante a noite e permitir, dessa forma, o merecido descanso também teria um efeito positivo sobre aqueles que sofrem de doenças trazidas com o estresse prolongado, a exemplo de eczema, hipertensão, úlcera, dor de cabeça e até impotência.

Fatores sociais e psicológicos também foram considerados no estudo, além do hábito de fumar e de ingerir bebidas alcóolicas, mas há um consenso de que uma vez atenuada a causa do estresse crônico, tanto melhor para o paciente.

Embora tenham efeitos direto sobre o estresse de seus donos, não são apenas os cães de guarda os benfeitores da saúde cardíaca dos humanos. De acordo com a pesquisadora, Dra Erika Friedmann, ter um pet fez diferença nos pacientes cardíacos, trabalho publicado também no The Waltham Book of Human-Animal Interaction: Benefits and Responsibilities em 2013. Esse estudo considerou o tempo de sobrevida de dois grupos de pacientes, um com e outro sem pet em casa, após um ano da data de hospitalização devido a problemas nas coronárias. O resultado mostra que 5,7% dos 53 proprietários que eram donos de pets não sobreviveram dentre desse  período, contra 28,8% dos 39 pacientes sem pets que tiveram o mesmo destino.

O que pode se concluir sobre os estudos é que a pessoa que gosta de animais e com eles compartilha do dia a dia tende a ser um indivíduo mais social, isso quer dizer mais propenso a compartilhar da vida com amigos, conversar e sorrir, o que ajuda a reduzir o estresse, hábito que reflete um estilo de vida mais saudável e com menor nível de tensão, o que seguramente contribui para a longevidade, bênção que também pode contar com o olhar e ouvidos atentos de um fiel cão de guarda.

Tosar no outono? Mas e o frio?

Tosar no outono? Mas e o frio?

Engana-se quem acredita que tosa é coisa de primavera-verão no mundo cinófilo. Reduzir a altura do pelo nesta época do ano pode trazer benefícios – e muito! – para seu pet, desde que sejam tomados alguns cuidados para seu amigo não passar frio. Mas antes de pegar a tesoura, fique atento para os seguintes pontos:

1 – Raças muito peludas podem criar nós nessa época do ano, ainda mais com o uso frequente de roupas. Não é raro seu pet ficar com um verdadeiro “buraco” no meio da pelagem em função da remoção desse emaranhado de pelo.

2 – Pelo curto permite ventilação da pele, reduz as chances de criar fungos, facilita ao animal ter seu pelo totalmente seco em menos tempo depois de lavado e mantém o perfume por mais tempo.

image002 (1)

3 – Quando não conseguir se refugiar de um chuvisco, seu pet ficará com cheiro de cachorro molhado até o próximo banho se estiver com pelagem alta.

4 – Pelos curtos facilitam a vida quando for necessário dar um banho rápido no seu pet em casa, algo como “faça você mesma”. Então colocá-lo dentro do chuveiro e usar seu secador deixará seu pet cheirosinho e pronto para o abraço.

5 – Em caso de frio, uma bela roupinha cai bem em seu pet sem a necessidade de ter de escovar os pelos depois de tirar a roupa porque criou nó.

6 – Os cobertores de seu pet ficam livres de odores por mais tempo.

image004 (1)

7 – A procura pela pulga que se refugiou durante um passeio também fica mais fácil de visualizar nos pets de pelo baixo. Sim, pulgas. Embora em número reduzido, elas não estão extintas das calçadas no inverno.

Uma boa notícia é que seis meses depois da tosa de outono, seu pet já terá uma boa cobertura pilosa mais uniforme e saudável. Aí fica a seu critério tosar para o verão ou curtir o pelo macio e sedoso por mais tempo.

image001 (1)

E independente de diminuir a altura do pelo de seu pet, essa época do ano sempre é bom manter os pelos que ficam entre os dedos bem aparados. A umidade nas patas que têm pelos cumpridos permanece depois dos passeios, plataforma ideal para o crescimento de fungos. A mesma dica vale para os pelos que ficam dentro do ouvido.

Fotos: Pixabay, reprodução

Confira outras colunas do Animal Print
:: Cuidado com o chocolate! Presente de Páscoa pode ser fatal ao pet
:: A casa do seu pet precisa de reformas e reparos? Confira dicas de limpeza e conservação
:: 7 dicas para quem não resistiu à tentação de ter um coelho

7 dicas para quem não resistiu à tentação de ter um coelho

7 dicas para quem não resistiu à tentação de ter um coelho

Você bem que tentou. Olhou para a esquerda, depois para a direita fazendo de conta que não era seu o filho que estava batendo no vidro admirando aquela coisa fofa e peluda que não parava de mexer o nariz  para cima e para baixo. O pontinho preto cercado por fios brancos. Por fim ele passa a língua, ou o que parece ser uma língua, em cima daquele nariz e vira a cabeça para o seu lado. Zás! A flecha foi direto e bem para o meio do seu coração.

Agora lá está você imersa nesse mundo novo das donas de coelho de primeira viagem. Cheia de dúvida, mas apaixonada por aquela coisa de 15 centímetros que faz a alegria da gurizada.

Vamos lá: já comprou o livro de cuidados básicos? Enquanto não conclui a leitura, seguem aqui 7 dicas para fazer dessa adaptação um período menos traumático e até mesmo divertido.

1 – Pelo primeiro teste você já passou. Se apaixonar por um coelho é meio caminho andado para se adaptar às suas particularidades, o que exige do dono certo esforço, paciência e capacidade de compreensão.

image001

2 – O odor de urina é o grande obstáculo da amizade de vocês. Ao montar a gaiola, procure substrato de boa qualidade para absorver o odor e o troque regularmente conforme indicação do fabricante, considerando o espaço para apenas um coelho, o que costuma ser em torno de seis dias. O bebedouro é outro acessório que merece cuidado, devendo ser de inox e ter sua água trocada diariamente.

– No início, o ideal é acostumá-lo na gaiola e soltar por alguns instantes pela casa. Assim ele  identifica onde é seu cantinho e passa a aprender a fazer xixi em um lugar só. Lembre-se de que coelhos não saem para passear como os cães, eles são animais assustados. Se o dono quiser circular pela grama do condomínio deve acostumá-lo ao uso da coleira desde cedo.

4 – Desde pequeno também é importante habituá-lo ao toque das mãos e ao colo. Esses animais gostam, sim, de carinho, mas isso vai variar de acordo com a personalidade de cada um, o que só se revela com o tempo. É preciso ter cuidado ao pegar no colo pois eles têm um chute poderoso que pode arranhar. A dica é pegar sempre apoiando as patas traseiras. Procure por ilustrações. A internet mostra passo-a-passo.

image003

5 – Animal silencioso, coelho costuma morder, ainda mais em período de reprodução. Para quem quer manter esse silêncio cativante da espécie, casais devem ser evitados, eles são famosos por se reproduzirem muito e rápido. A fêmea pode ter mais de oito filhotes por ninhada que tão logo  desmamam liberam a mamãe para gerar nova prole. Uma dupla dá um trabalho danado, e os filhotes e sua mãe precisam ser separados do pai.

6 – Os coelhos comem verduras, ração, feno, cenoura e frutas bem lavadas, mas cuidado com a quantidade para não causar diarreias. Costumam ser animais limpos mas é bom acostumá-los com o banho principalmente aqueles de pelagem branca.

7 – Coelhos adoram roer de tudo e cuidados com os fios da máquina de lavar, de secar e da máquina de lavar louça. Para os dentes, existem acessórios específicos que poupam seus móveis de serem os eleitos para mordedura.

image004

Agora que você engatinha no universo dos coelhos, mergulhe nos acessórios e se surpreenda com a quantidade designada apenas para os orelhudos pelourinhos e suas mais diversas finalidades. Outro assunto que não pode ser negligenciado é o tempo de vida de um coelho. Prepare as crianças para conviver com um mascote que não atinge uma década de vida.

Fotos: Pixabay, reprodução

Leia mais
:: Sete motivos para resistir à tentação de ter um coelho
:: Brincadeira perigosa: cuidados para orientar a relação entre crianças e seu pet
:: Por que os mascotes têm o poder de mudar (para melhor!) o nosso humor

Sete motivos para resistir à tentação de ter um coelho

Sete motivos para resistir à tentação de ter um coelho

A época de Páscoa já é conhecida pelos pedintes de plantão, e muita gente há semanas já vem ouvindo a famosa frase que pipoca entre as crianças: eu quero um coelho. Dar desdobres em filhos às vezes é uma tarefa complicada – os coelhos sabem cativar e ser engraçadinhos – mas aqui vai uma lista de argumentos para você olhar bem firme nos olhos do seu filho e tomar a decisão mais correta antes de escolher o mais novo mascote da casa.

1. Pelo

Quanto mais peludinho, mais cuidados você terá com seu pet. Existem coelhos de raça que precisam até mesmo serem escovados e em caso de nó, o que é bastante comum, talvez seja necessário o trabalho especializado de petshop. E nem sempre um coelho simpatiza com a ideia de ser escovado…

2. Dentes

Sim, aqueles dois simpáticos dentões tês vezes se detêm em tarefas não tão nobres assim. Primeiro que eles podem usá-los para morder, e aqueles que precisam ser escovados estão no topo da lista.  E segundo coelhos adoram roer e, para piorar, eles amam madeira. E sendo de madeira vale tudo, de pernas de sofá e cadeiras até as portas daquele armário do quarto comprado em 12 pesadas prestações.

Sim, eles são fofos. Mas são também trabalhosos, medrosos e difíceis de limpar (Foto: Pexels, divulgação)

Sim, eles são fofos. Mas são também trabalhosos, medrosos e roedores de mobilia (Foto: Pexels, divulgação)

3. Banheiro

Não é tão rápido e fácil fazer o coelho entender onde será seu banheiro, caso ele fique boa parte do tempo solto em casa ou no pátio. Se a pessoa se irrita com esse detalhe – demora em aprender – o coelho perde seu encanto, ainda mais quando o odor de urina se fizer sentir em outros ambientes da casa.

4. Exercícios

Se engana quem acha que coelho gosta de ficar em uma gaiola o dia todo. Ele o faz porque não tem opção. Coelhos gostam de se esticar, usar as pernas e saltar, aliás uma forma de interação para começar uma amizade com seu dono.

5. Medo

Coelho, na natureza, é uma presa, e por instinto de sobrevivência é um animal naturalmente assustado. Não espere que ele corra para seu colo e lhe dê um abraço ao voltar para casa depois de um mês sob seu teto. Se contido de forma abrupta, um coelho pode até morder. Até a sua mente perder o milenar condicionamento de presa – e se assustar com qualquer movimento – pode levar um bom tempo, daí os coelhos terem equivocadamente a fama de bichinhos fujões e antipáticos. Com paciência, porém, eles desenvolvem um tipo de reconhecimento por aqueles que os protegem e alimentam.

6. Más companhias

Agora você entende o que significa ser uma presa dentro de uma gaiola, tente imaginar um bichinho assustado e preso em frente a um cachorro desconhecido. Se você tem outro pet em casa, as chances de seu coelho estar sempre na defensiva não são pequenas. E animal que está atento ao comportamento de seu predador não é um animal tranquilo e até sua alimentação pode ficar prejudicada.

7. Higiene

Não pense que a cama de seu pet se higieniza sozinha. E coelho é um bichinho particularmente temperamental se viver por muitos dias em um ambiente sujo. Lembrou dos dentes? Pois é, ele também faz uso de seus dentões quando está irritado.  E não é apenas trocar sua cama (serragem) que deve ser considerada uma tarefa semanal, a casa toda destinada ao animal deve ser lavada pelo menos uma vez a cada seis, sete dias.

*

Ainda pensando em passar numa petshop? Então tá. Se você não vai ficar comparando o coelho com gatos e cachorros, se entendeu quais são seus cuidados básicos e tem como virtudes paciência e perseverança, suas chances de se dar bem com o bichinho começam a aumentar. Lembre-se, porém, de que filhos não priorizam os cuidados com seus pets depois da terceira semana de convívio. Além disso, coelhos possuem uma dieta especial e isso inclui vegetais, havendo também alimentos que devem ser evitados em função de problemas gastrointestinais.

Antes de partir para a compra, converse com um veterinário ou o tratador no local onde se encontra o coelho. É recomendável ainda a leitura de um livro básico sobre a espécie, o tamanho que seu mascote vai atingis, suas particularidades e necessidades básicas, conhecimentos  que ajudam a evitar surpresas e contribuem para estabelecer um saudável vínculo entre duas espécies animais tão distintas.

Leia mais:

:: Cuidado na Páscoa: Chocolate pode ser fatal para o seu bichinho

:: Coelhinho de estimação? Veja os cuidados básicos para o mascote

Cuidado com o chocolate! Presente de Páscoa pode ser fatal ao pet

Cuidado com o chocolate! Presente de Páscoa pode ser fatal ao pet

Ele já está compondo a decoração nos supermercados e a criançada não deixa passar a data em branco. Nos dias que antecedem à Páscoa, o vilão da intoxicação alimentar em cães, o chocolate, está não apenas na boca, mas nos dedos da meninada que não vacila em dar um petisco ao seu melhor amigo, gentileza que pode levá-lo ao hospital.

As substâncias que podem deixar os mascotes seriamente doentes são as metilxantinas (teobromina e cafeína). A teobromina, que é encontrada no chocolate em quantidade bem superior a cafeína, é a mais perigosa para os cães, e sua quantidade é mais elevada no tipo amargo. Embora a cafeína seja encontrada de três a quatro vezes em menor quantidade no chocolate se comparada à teobromina, ela também contribui para o quadro de intoxicação. De rápida absorção, estas substâncias, ao caírem na corrente sanguínea, atingem o sistema nervoso central e ocasionam excitação.

As manifestações clínicas – diarreia, vômito, tremores e respiração acelerada – surgem de seis a 12 horas após a ingestão e podem persistir por dias. Pode ocorrer hemorragia intestinal e, em casos mais severos, convulsão e até coma. De acordo com a doutoranda em nutrição de cães e gatos da UFRGS, Geruza Silveira Machado, a dose tóxica varia de acordo com o porte físico e a sensibilidade do animal, mas sabe-se que a teobromina pode permanecer no organismo por cerca de seis dias após sua ingestão. Por isso, a quantidade tóxica não precisa ser ingerida toda de uma única vez. Ou seja: só aquele pouquinho que os filhos deram ao pet, somados, fazem mal sim.

Atenção: uma barriha de 120g pode matar um caozinho de até dois quilos. (Foto: Pixabay, divulgação)

Atenção: uma barriha de 120g pode matar um cãozinho de até dois quilos. (Foto: Pixabay, divulgação)

Cabe salientar: uma barrinha de 120g fornecida em uma única vez pode ser fatal para um cãozinho de dois quilos. Para um animal de porte médio, esta dose não é fatal, mas pode levar a manifestações gastrointestinais e até neurológicas. Um Cocker Spaniel de 15 quilos pode ficar seriamente doente se ingerir 300g de chocolate amargo.

Dizer para os filhos não fornecerem chocolate pode não ser eficaz. O jeito é esconder os restos que sobrarem da comilança e deixar bem longe do alcance de filhos e cães. Cuidado na hora de esconder o ninho! Ele pode ser encontrado durante a noite por um pet atraído pelo cheiro das guloseimas, o que não é raro de acontecer. Se pela manhã o focinho de seu cachorro estiver marrom de chocolate, não vacile em procurar uma clínica veterinária para que seu mascote seja monitorado por profissionais.

 

Leia mais:

:: Por que nossos pets precisam de ração?

:: Como escolher a ração ideal para o seu pet

:: Veja dicas para acostumar seu pet a ficar sozinho em casa