Com orgulho! Mulheres compartilham suas histórias de libertação e aceitação dos cabelos brancos

Aceitação e libertação. Essas são as palavras de ordem de quem decide assumir os cabelos grisalhos. Seis mulheres contam como se sentem poderosas ao exibir seus fios ao natural.

Simone Ávila

Quando perguntada sobre por que abandonou o ritual de tintura mensal e assumiu os cabelos brancos, a jornalista Simone Ávila não titubeia:

– Isso nos liberta dessas obrigações e quebra paradigmas por não atender aos padrões de beleza. É libertador. Deixa de ser a ausência de cor para se tornar uma postura de vida de se aceitar como se é.

simone ávila

Aos 47 anos, Simone pintava os cabelos desde os 16. Estava acostumada à rotina de tonalizantes e tratamentos para hidratar os fios devido à química, mas a falta de tempo e uma inspiração em especial a fizeram mudar de ideia. Rodava a timeline do Facebook quando viu a foto de uma amiga que não via há tempos – e que havia deixado os cabelos brancos como são.

– Achei lindo! E pensei: “Por que não?” – recorda.

Hoje, diverte-se com as reações.

– Os homens não sabem o que você fez, as mulheres admiram a coragem – conta. – É importante esse movimento de aceitação e é gostoso ver que estou colaborando.

Ana Hoffmann

Enquanto a maioria das mulheres só começa a perceber aqueles fios brancos pouco antes de entrar na casa dos 30, Ana Hoffmann encontrou o primeiro aos 12 anos. Com 15, já estava acostumada a arrancar cada um que insistia em aparecer em meio às madeixas castanhas.

– Isso me diferenciava, e eu não me sentia confortável – lembra.

ana hoffmann

Aos 20, tonalizar o cabelo já havia virado rotina na vida da professora de Moda da Feevale. De brancos, os fios ganharam tons de roxo, cereja e quase ficaram loiros. Mas Ana por fim desistiu de manter uma relação amigável com a tintura: decidida, começou seu processo de transformação. Hoje, aos 37, está feliz da vida com seu cabelo grisalho – e virou até inspiração para seus alunos, que apareceram na aula com os fios acinzentados.

– Antes, era um problema. Hoje, me gabo mesmo, me acho estilosa. Minha adolescência foi muito traumatizada, e foi um longo processo de aceitação – conta. – Mas não nego que possa voltar a pintar no futuro, porque enjoo fácil e não sei como será minha relação com os brancos quando eu tiver 50 anos. Mas tenho certeza de que, independentemente da escolha, acabaria voltando ao grisalho.

Carol Heinen

Há quem se surpreenda quando Carol Heinen, 40 anos, comenta que seu grisalho é natural.

– Inclusive amigos, quando eu contei que iria participar deste ensaio – revela a designer.

carol heinen

Carol é daquelas que, como muitas de nós, nunca estiveram plenamente satisfeitas com o próprio cabelo. Nasceu com os fios loirinhos, mas logo ficaram acinzentados. Na adolescência, foi adepta do loiro amarelado, que acabou virando um castanho à base de muita henna. Os muitos pilas mensais gastos com salão começaram a pesar no orçamento quando ela voltou a estudar. Então, decidiu: era hora de parar.

– Primeiro foi a questão da grana, e depois também aceitação – diz. – Tem também isso de voltar à simplicidade. Não uso mais salto alto, amamentei e meus peitos não são mais os mesmos. Mas sou como sou. Dou a cara para bater, não quero ficar maquiando.

Embora esteja feliz com seus fios grisalhos e curtos – aprovados pela filha Ana Clara, 17 anos -, a dúvida bate às vezes sobre voltar ou não a pintar os fios.

– Às vezes, me questiono se não é cedo, ou se vale a pena mesmo – reflete. – Mas aí penso que sou mais que o meu corpo ou o meu cabelo – afirma.

Roberta Pschichholz

Roberta Pschichholz cresceu vendo as mulheres de sua família com as madeixas branquinhas. A avó, aos 40 anos, já tinha todos os fios brancos – história que a jornalista viu se repetir com mãe. Aos 20 e poucos anos, foi a vez de Roberta, que então aderiu às luzes para disfarçar.

– Não foi nada muito drástico. Nunca me preocupei muito com isso – afirma. – Mas, na última vez em que pintei, fiz uma descoloração e não gostei. Foi quando passei a deixar os fios brancos e assumi a cor natural.

roberta pschichholz

Descolada que só, hoje a editora de 36 anos exibe um corte para lá de moderninho, com as laterais raspadas com máquina – e os fios grisalhos, claro. Ela vê, em seu visual, a tradução de seu jeito de ser, leve e cheio de praticidade.

– Para mim, o cabelo é mais uma forma de me expressar, e expressar quem eu sou. Sou desencanada com julgamentos, do que vão pensar – diz. – Representa minha vivência e minha história.

Fernanda Davoglio

Foi às vésperas de seu aniversário de 47 anos que Fernanda Davoglio decidiu: iria parar de pintar os cabelos. A mecha branca na franja, sua marca registrada, ganhou mais destaque no salão – mas aquela seria a última vez em que a fotógrafa se renderia às tinturas. Pelo menos até o momento. Enquanto a cor das últimas químicas saía a cada lavagem, optou por um visual mais curtinho – covencendo inclusive o marido, que preferia até então a antiga versão.

– Ele achou que eu poderia não ficar bonita, mas depois gostou – conta Fernanda.

fernanda davoglio

Acostumou-se a receber elogios por conta do cabelo, bem como é. Mas algumas reações a surpreendem:

– Existe preconceito, sim. Em homem acham charmoso o grisalho, mas, para as mulheres, não. Mas hoje vejo cada vez mais mulheres aderindo aqui no Brasil.

O fim do ritual mensal de horas a fio sentada na cadeira do salão funcionou como uma libertação para Fernanda, que “detesta pintar”. Hoje, quanto menos produtos precisar, melhor. Praticidade virou lema.

– Envelhece um pouco, mas acho que a gente tem que envelhecer, então encaro numa boa. Nunca me importei com isso de “Vou fazer 40, vou fazer 50”. Não faz a mínima diferença para mim. Eu me achava bonita antes, agora e sempre me achei.

Diovar Papich

A empresária aposentada Diovar Papich sempre foi daquelas mulheres moderninhas, que não têm medo de ousar. “Tenho até um olho castanho e outro verde”, brinca, sobre não ser nada convencional. Por isso, não pensou duas vezes quando os fios brancos começaram a dar as caras.

– Sempre achei lindo, um charme! Mas ouvia dos outros que passava uma imagem de relaxamento – recorda. – Quando assumi meus cabelos naturais, foi terrível! Criticavam muito, me falavam que, se eu pintasse, rejuvenesceria.

diovar papich (2)

Mas os pitacos alheios, ainda bem, não influenciaram na decisão de Diovar. Ela, que sempre detestou retocar a tinta a cada 15 dias, agora não se vê “nunca mais” repetindo o ritual. De seus 62 anos, uma década está livre de química – e contando!

– Foi uma libertação – assume. – Sempre fui de fazer o que quis, sempre gostei de ser um pouco rebelde.

E, quando você vê a mulher sorridente e cheia de caras e bocas ao lado, não tem como duvidar, não é?

– Quando olho no espelho, vejo uma pessoa feliz e linda, porque me acho bonita pelo que sou.

CONCEITO: Queli Giuriatti/QG de Estilo
FOTOGRAFIA: Fábio Rebelo/Estúdio Colors
STYLING: Pati Cuozzo/Pati Cuozzo Moda, Estilo e Conteúdo
ASSISTENTE DE PRODUÇÃO DE MODA: Mariana Vallim
BELEZA: Claudia Almeida, Daiana Andrades, Gill Azevedo, Ingrid Johannsen, Vanessa Raupp e William Anssett, do salão Visualité Pedro Ivo
LOJAS E MARCAS QUE PARTICIPARAM DESTE EDITORIAL: Anzetutto, Bianca Leal Acessórios, Borda Barroca, Carol Cambruzzi, Ecxxus, Lizáli, Lucas Moraes, Maria Pavan, Mary Lint, One of A Kind – OAK, Pro Me, St. Trois, Vinci Shoes.

Leia mais
:: Alimentação pode influenciar no crescimento de cabelos brancos
:: Mitos e verdades sobre cabelos brancos

As últimas do Donna
Comente

Hot no Donna