Criolipólise, radiofrequência e mais: 4 procedimentos não invasivos para a papada

Foto: Pexels
Foto: Pexels

Camila Maccari, especial

Para quem se incomoda com a papada, mas não se vê encarando uma cirurgia plástica, uma boa notícia: existem vários procedimentos menos invasivos que prometem dar conta do acúmulo de pele ou gordura sob o queixo. Em alguns casos, destaca a dermatologista Karla Assed, a papada pode até interferir no formato do rosto – e por diferentes motivos:
– Além das pessoas acima do peso, tem aquelas que qualquer quilinho extra aparece primeiro na papada.

O envelhecimento também tem um papel fundamental. Com a idade, é comum a perda do contorno facial: a flacidez faz com que a pele perca firmeza e a gordura se redistribua e seja absorvida em outras áreas, como a papada. Karla e a fisioterapeuta dermato-funcional Patrícia Lucas, da Onodera, indicam que procedimentos prometem acabar com a gordura localizada e até recompor o formato do rosto.

Criolipólise

Você já deve ter ouvido falar da criolipólise, tratamento que aposta no resfriamento para matar as células de gordura e diminuir medidas. Com uma ponteira, o aparelho pode ser aplicado na papada e promete o fim daquela gordurinha a mais.
O resultado começa a aparecer entre uma semana e dois meses depois da aplicação – geralmente única. Caso seja necessário uma segunda aplicação, deve acontecer depois desses dois meses.
– É a partir desse tempo que você tem consciência se a criolipólise surtiu o efeito desejado. O resultado é definitivo: aquelas células de gordura que foram destruídas não voltam mais – explica Patrícia Lucas, fisioterapeuta dermato-funcional da Onodera.

Criofrequência

A criofrequência é uma espécie de evolução da criolipólise e da radiofrequência e une as duas técnicas, promovendo um choque térmico na área, como explica Patrícia:
– Primeiro, a área é superaquecida e, logo depois, é sujeita às baixas temperaturas. Para ter resultado, é preciso passar por oito a 10 sessões, que devem ser feitas uma vez por semana.
Para a fisioterapeuta dermato-funcional, a vantagem da criofrequência é, além de prometer o fim da gordura localizada, ativar o colágeno e ter efeito de lifting.

Radiofrequência

O procedimento é indicado quando a papada é resultado da flacidez: esquenta a pele a uma temperatura que chega a 40ºC, o que ativa o colágeno existente e aumenta a produção de mais fibras de colágeno, trazendo sustentação e firmeza à pele.
– Esse é o tipo de procedimento que pode ser feito como prevenção também, principalmente em casos de grande perda de peso. Se alguém vai fazer uma cirurgia bariátrica ou até uma dieta que prevê um grande emagrecimento, sempre indico a radiofrequência para evitar aquela flacidez no pescoço – destaca Karla.
O recomendado são de oito a 10 sessões com um intervalo de uma semana entre elas. O resultado pode durar na sua pele até oito meses.

Ultrassom microfocado
Para quem tem uma flacidez leve e uma papada pequena, a dica de Karla é investir no ultrassom microfocado, que trata a musculatura facial. Ela explica que o tratamento promove uma coagulação térmica em vários pontos, agindo em três profundidades: a derme superficial, a profunda e a camada muscular.
– Esse aquecimento proporciona um estiramento de pele e músculo, o que traz um efeito lifting, além de produzir colágeno – diz Karla. – O ultrassom microfocado também pede apenas uma aplicação. Perto do terceiro mês, você terá noção do resultado, que pode durar cerca de um ano.

Leia mais:
:: Novo tratamento a laser promete acabar com papadas e outras gorduras localizadas
:: Confira 25 truques para sair bem na foto
:: 5 cirurgias plásticas mais procuradas no inverno

Leia mais
Comente

Hot no Donna