Maquiagem para a era da alta definição

Fabricantes quebram a cabeça para criar produtos que escondam a menor das imperfeições

13371461
Foto: Erin Baiano

Antes da sessão de fotos de Katy Perry para a edição de março da revista Interview, Gucci Westman, diretora artística mundial da Revlon, que foi quem preparou a cantora, se surpreendeu com um pedido.

- A primeira coisa que ela me falou foi: “Capricha na base” – Gucci conta.

Não foi a primeira vez que teve que reviver os dias de pancake, embora pessoalmente prefira usar o item ao mínimo.

- Tudo começou com essa febre Kardashian – ela explica. – Já fiz a maquiagem da Kim, uma garota tão bonita que nem precisaria usar nada, mas no fim das contas, parece que essas jovens querem uma imagem extremamente produzida.

As celebridades não são as únicas a empastarem o rosto hoje em dia: numa época em que todo mundo virou fotógrafo amador, postando fotos “ao natural” a torto e direito nas redes sociais, algumas mulheres resolveram se precaver para garantir que, pelo menos na Internet, a pele pareça perfeita.

Lesley Schulhof, 32 anos, vice-presidente da GAO Advisors e membro da diretoria da Henry Street Settlement, diz que primeiro aplica o primer (base enriquecida com vitaminas da Bobbi Brown) e a base Smashbox HD Healthy FX antes de contornar as maçãs do rosto com bronzer não só quando participa de eventos beneficentes, mas na maquiagem do dia-a-dia.

- Gosto da combinação porque dá um acabamento fosco – diz Gucci. – Reduz muito o brilho, principalmente nas fotografias. Se bem que não uso só por esse motivo, mas também porque dura muito mais.

Desde a chegada das câmeras de vídeo de alta definição – que registram cada poro – os fabricantes de cosméticos estão quebrando a cabeça para criar a maquiagem ideal para as luzes fortes. As câmeras HD expõem cada detalhe, incluindo as cores da base e do pó, que antes eram padrão; na verdade, a nova tecnologia ressalta qualquer produto usado para disfarçar rugas e cicatrizes, tornando as imperfeições ainda piores.

- O problema não era a cor – explica Dany Sanz, fundadora e diretora artística da linha de cosméticos Make Up for Ever. – Era a textura. A base tem que ser muito mais fina, mas ainda assim ter cobertura, com uma granulação superfina para não aparecer no filme.

Dany, que vive em Paris, foi uma das primeiras a tentar achar a solução para o problema, trabalhando com um químico para desenvolver a linha HD da marca – que começou com a base Invisible Cover, em 2008, e, desde então, passou a incluir também pó e blush.

- Eu criei para os profissionais, mas hoje em dia todo mundo usa porque tem câmera – diz ela.

No ano passado, a campanha publicitária da linha HD da Make Up for Ever teve grande repercussão ao mostrar uma jovem numa pose muito comum nas redes sociais: com a câmera virada para si mesma.

- Trabalho com muitas meninas e sei que elas adoram usar a câmera do celular – brinca Dany, acrescentando: – Na verdade, não são só as jovens, mas as senhoras de mais idade que querem ficar bonitas nessas fotos. Tudo gira em torno da internet e do compartilhamento de vídeos e imagens.

As marcas que há muito tempo trabalham com a fotografia profissional estão alinhadas com essa nova perspectiva do mercado: como a Smashbox, que começou na locação dos estúdios Smashbox, no sul da Califórnia, há 16 anos, foi comprada pela Estee Lauder em 2010 – e se expandiu rapidamente desde então, lançando novidades como o trio de sombras Photo Op, o blush cremoso Be Discovered e o primer hidratante Photo Finish.

Davis Factor, fundador da Smashbox e fotógrafo (e bisneto de Max Factor, cuja companhia criou o Pan-Cake), conta que testa a maquiagem em todos os tipos de exposição, incluindo a luz do sol, tempo nublado e flash.

- Na verdade, é uma questão de controlar o brilho – diz ele. – De mais ou de menos, ele é ruim. O gloss pode ficar muito brilhante na foto com flash, por exemplo, mas pó em excesso também não é legal. Às vezes, tenho que retocar, tirando todo o excesso.

Seu último desafio foi criar um produto que fique bem nas fotos, mas que também dê um visual mais natural (no escritório, digamos) que a base comum – e o resultado foi o Camera Ready BB Cream.

- É uma opção mais leve, principalmente para quem sabe que vai tirar fotos – Davis explica. – É hidratante, primer e corretivo colorido num só; para quem quiser mais cobertura, é só aplicar a base em cima.

Gucci Westman, a diretora artística da Revlon, que também vem trabalhando em soluções para o dia-a-dia com a linha Photoready: em janeiro, lançou uma base mousse e o rímel 3-D Volume e, em maio, o blush cremoso da Photoready chegará às lojas dos EUA, além de variações de bronzer para equilibrar o brilho dos flashes.

- Era uma coisa mais profissional, mas a mulherada está mais esperta em termos de contornos porque destaca os traços na câmera.

O desenvolvimento dos produtos da linha começou há quatro anos, antes da ubiquidade das redes sociais.

- Se analisar as relações de hoje em dia, vai ver que elas são baseadas no visual – afirma Julia Goldin, diretora de Marketing da Revlon. – Você vê gente tirando foto de si mesma, dos amigos, de outras pessoas. No Facebook, Twitter e Pinterest há imagens da rotina diária. Começou com HD, mas não são só mais os famosos.

Porém, Gucci prefere o visual natural – pelo menos para si mesma:

- Acho que ia querer morrer se tivesse que ficar para lá e para cá com o rosto cheio de base, mas entendo por que é mais importante para as mulheres de hoje controlarem a imagem.

Serge Gainsbourg criou "Je T'Aime Moi Non Plus" para ser cantada por Brigitte Bardot, mas a canção acabou imortalizada na voz de Jane Birkin

Livro mostra quem são as mulheres que inspiraram versos de canções famosas

Matéria anterior
Charlize Theron, Kate Upton e Kate Hudson

Festa no frio: como usar vestidos de mangas longas

Próxima Matéria