Falar mais sobre dinheiro, definir prioridades e mais: dicas para controlar suas finanças

Foto: Pexels, reprodução
Foto: Pexels, reprodução

Por Leila Ghiorzi,
coach financeira

Com temas tão distintos quanto consertar chuveiros ou criar turbantes, corte com serra tico-tico e ginástica íntima, a Feira de Profissões Para Mulheres! movimenta a Usina do Gasômetro neste sábado com oficinas, palestra, bate-papo e feira de serviços e produtos. Donna convidou as ministrantes de dois workshops para compartilhar com as leitoras suas principais dicas.

PROGRAME-SE

♦ Feira de Profissões
♦ Neste sábado, das 14h às 20h, na Usina do Gasômetro
♦ Veja a programação em fb.com/Profissionaismulheres

Foto: divulgação

Foto: divulgação

Leila Ghiorzi ministra a oficina “Conquiste o Protagonismo: finanças para mulheres”, às 14h deste sábado.

Você sabia que só 4% dos CEOs das empresas listadas na Fortune 500 em 2013 eram mulheres? Parece pouco, mas há anos esse número era 1,4%. Assim, junto com o aumento da atuação feminina nos cargos de liderança, cresce também a necessidade de educação financeira, o que dá à mulher mais liberdade de exercer seu talento.

1 – Perca o medo de falar sobre $

O acesso ao dinheiro sempre se deu de forma diferente entre homens e mulheres. Enquanto historicamente os homens ocupavam os postos de trabalho remunerado, às mulheres era destinado o papel de dependentes. Compartilhar experiências é fundamental para o desenvolvimento de segurança para lidar com as fases da vida. Com o dinheiro não é diferente. Converse sobre o assunto. Vença a vergonha: falar sobre dinheiro é importante, e querer isso não faz de você uma pessoa mesquinha. Pergunte, questione, escute. Reúna as amigas e abra seu coração.

2 – Descubra suas prioridades

Como não estamos acostumadas a falar sobre dinheiro, também não analisamos os gastos. O que você faz com a grana é mais importante do que quanto você gera de renda. A tendência é que, quanto mais você tem, mais gasta. Esse é o principal erro. O dinheiro deve fluir para aquilo que é importante para você. O conhecimento financeiro pode auxiliá-la a atingir mais independência. Faça uma lista de prioridades: por exemplo, saúde, carreira e família. Avalie como seu estilo de vida reflete o que você escolheu como esferas importantes. Se você valoriza a família, mas gasta demais em atividades individuais que a mantém fora de casa, por exemplo, há uma inadequação aí. Na hora de cortar os gastos, comece pelo que não é prioridade e baseie suas escolhas no que foi listado.

3 – Saiba quanto você ganha e de quanto precisa para viver

Não tem outro jeito: você precisa saber o quanto ganha e o quanto gasta e equilibrar essa equação. Pare de achar que não controlar nada é a melhor forma. Já sabemos que não é. Tenha um controle, seja uma planilha ou um aplicativo no celular. Tenha consciência da sua situação patrimonial, acompanhe a evolução dos seus bens e coloque em primeiro lugar a sua educação financeira. Faça uma previsão do quanto gastará ao longo dos próximos meses, anote as despesas neste período e compare os valores. Houve discrepância? Por que isso aconteceu? Como fazer para que o planejamento seja mais próximo da realidade? E inclua nesse planejamento um valor para criar uma reserva de emergência. O ideal é um montante que a deixe segura. A reserva de emergência deve ser usada única e exclusivamente para isso: emergências. Lembre-se: uma viagem não é emergência. E siga seu coração – se você se sentir culpada por usar a reserva de emergência, é porque a usou sem ser uma emergência de fato.

4 – Tenha uma estratégia de investimentos

Ok, você quer viver bem. Mas o que isso significa? Pense em como você quer se sentir a partir de agora. Delimite datas realistas e anote suas decisões. “Guardar o que sobra” não funciona. Depois de saber o quanto ganha e o quanto gasta, determine um valor para investir (ou para pagar as dívidas, se for o caso) e pague assim que tiver o dinheiro. Faça disso a sua prioridade. Priorize os investimentos (a parte que foi planejada) antes do pagamento das contas (que também serão pagas, pois também já estão no planejamento). É uma tática para evitar a estratégia de “investir o que sobra”, pois nunca sobra. Na prática, coloque seus investimento em débito automático. Programe os depósitos na poupança, no Tesouro Direto e em ações, por exemplo, para o dia em que receber seu salário.

Leia mais
:: Como evitar brigas de casal por causa de dinheiro
:: Tempo é dinheiro: como se organizar para controlar melhor suas finanças
:: Mulheres empreendedoras: flexibilidade de horários em troca de mais trabalho

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna