Islândia é o primeiro país a tornar ilegal a desigualdade salarial entre homens e mulheres

Foto: Pexels
Foto: Pexels

A Islândia tomou uma atitude contra a disparidade salarial entre os gêneros. Entrou vigor, na segunda-feira, 1, uma lei que considera ilegal a diferença de salarial – uma das principais bandeiras de mulheres ao redor do mundo. Assim, a ilha se tornou o primeiro país a tentar impedir legalmente que homens ganhem do que mulheres exercendo as mesmas funções.

Tanto órgãos governamentais quanto empresas do setor privado com mais de 25 funcionários precisam seguir a nova lei. Um certificado deve comprovar que há equidade salarial para seus colaboradores e, se o documento não for verificado, a empresa será multada.

A intenção da Islândia com essa mudança é erradicar a disparidade salarial entre homens e mulheres até 2022.

A Islândia foi considerada, em 2017, pelo oitavo ano consecutivo, o país mais igualitário do mundo, de acordo com Relatório Anual de Desigualdade Global de Gênero, do Fórum Econômico Mundial (FEM). A gaúcha Miriam Guerra Damboriarena Másson, contou para Donna como é viver na Islândia e afirma que, mesmo com tantos direitos conquistados, a disparidade salarial segue sendo o maior exemplo de desigualdade.

Leia mais:
:: 5 conquistas que fizeram a diferença para as mulheres em 2017 – e o que ainda precisamos para 2018
:: Quanto mais a mulher estuda, mais perde na diferença salarial
:Como é viver no melhor país para mulheres: gaúcha relata suas impressões da Islândia, onde mora há 15 anos

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna