Mulheres empreendedoras: flexibilidade de horários em troca de mais trabalho

Foto: Pexels, reprodução
Foto: Pexels, reprodução

Rossana Silva, especial

Em uma terça-feira, o compromisso inadiável na agenda de Cristina Kerr era sair um pouco mais cedo do trabalho para ajudar a filha a estudar para uma prova. Mas a jornada do dia não foi diminuída: depois de auxiliar a garota, a idealizadora do Fórum Mulheres em Destaque, retomou as atividades, por volta das 21h – desta vez, em casa – para finalizar um projeto a ser entregue no dia seguinte. Eis um dos principais motivos que têm levado as mulheres a empreender: a flexibilidade nos horários que permite estar mais presente na vida familiar. Mas isso não significa menos trabalho.

– Muitas mulheres resolvem empreender porque têm a ilusão de que vão trabalhar menos do que quando estavam em uma empresa. Isso é uma ilusão. Hoje, trabalho mais do que na época em que era empregada. O que eu consigo fazer, porém, é uma gestão desse tempo – esclarece.m uma terça-feira, o compromisso inadiável na agenda de Cristina Kerr era sair um pouco mais cedo do trabalho para ajudar a filha a estudar para uma prova. Mas a jornada do dia não foi diminuída: depois de auxiliar a garota, a idealizadora do Fórum Mulheres em Destaque, retomou as atividades, por volta das 21h – desta vez, em casa – para finalizar um projeto a ser entregue no dia seguinte. Eis um dos principais motivos que têm levado as mulheres a empreender: a flexibilidade nos horários que permite estar mais presente na vida familiar. Mas isso não significa menos trabalho.

ideia

A falta de oportunidades para crescer na carreira e até mesmo o desemprego também se somam entre os motivos para realizar a transição de pessoa física para a jurídica. Um dos grandes desafios surge, muitas vezes, por essa mudança ser levada adiante sem a preparação devida. Ser dono da própria empresa requer conhecimento sobre todas as áreas de funcionamento de um negócio, uma realidade à qual a maior parte das pessoas que trabalham com carteira assinada não está acostumada.

– Quando você monta seu negócio, até que consiga estruturá-lo, terá de fazer absolutamente tudo. Você só será bem-sucedida se tiver uma visão do todo. Ainda que contrate alguém para o departamento financeiro, é necessário ter noções disso – exemplifica Cristina.

O desenvolvimento desse perfil empreendedor pode começar ainda quando se é funcionária de uma empresa. Ao ter curiosidade e procurar conhecer como funcionam os outros setores, é possível visualizar e entender a engrenagem de um negócio na cabeça. A partir daí, pode-se começar a desenvolver um “plano de negócios com alma”, como define o consultor e empreendedor César Souza. No livro Jogue a seu Favor, ele ensina a mulheres o passo a passo de como montar um negócio próprio, como a definição da área de atuação e a prospecção de clientes. Souza destaca que o número de mulheres que perderam o emprego devido à crise econômica foi maior que o de homens. E que elas não ficam paradas.

Foto: Pexels, reprodução

Foto: Pexels, reprodução

– A mulher se reinventa, busca como abrir um negócio, seja franquia ou alguma coisa própria. Elas têm determinação e flexibilidade maiores do que os homens, e mais criatividade. O que atrapalha, às vezes, é um certo receio sobre o que os outros vão dizer. Fora isso, vejo muito mais coisas positivas, como a capacidade de conquistar clientes e fazer networking – afirma.

A percepção de Cristina é de que as mulheres com mais de 40 anos são as que mais estão empreendendo:

– Muitas nesta faixa etária foram demitidas por causa da crise e não conseguem se recolocar, por isso optam por atuar como consultoras e, sobretudo, empreender.

Na prática

Veja as dicas do empreendedor e consultor César Souza, autor do livro Jogue a seu Favor:

Só abra um negócio se for algo que você goste de fazer. E prepare-se: é necessário adquirir experiência para dominar a área.

Se você ainda não tem domínio sobre a área na qual pretende atuar, procure vivenciar o ambiente do negócio que deseja montar, trabalhando nele por pelo menos alguns meses.

Tenha claro qual será o perfil do cliente que deseja atender. Um dos maiores erros de quem monta um negócio próprio é pensar que “quem cair na rede é peixe”. Seu projeto deve ser lançado com um público-alvo em vista.

Coloque no papel quais são os resultados que você precisa conseguir, mas esteja ciente de que o lucro não costuma aparecer antes dos seis primeiros meses.

Leia mais
:: 6 passos para melhorar seu network e atrair mais oportunidades de trabalho
:: 10 coisas que só você pode fazer para tornar sua carreira melhor
:: Desmotivada com a carreira? Saiba como lidar com a insatisfação no mercado de trabalho

As últimas do Donna
Comente

Hot no Donna