Quer aprender a investir? O passo a passo para fazer seu dinheiro render mais

Por Kellen Severo (*)
Jornalista, pós-graduada em economia

“Investir é como andar de bicicleta”. Eu ouvi essa frase na última semana de um economista que atua no mercado financeiro. Na oportunidade, havia uma plateia cheia de homens, a maioria com mais de 30 anos, ouvindo atentamente as dicas do especialista que explicava como investir nosso dinheiro. Havia poucas mulheres no evento, o que não é de fato uma surpresa quando o tema é finanças. Pesquisas mostram que as mulheres costumam ser mais pobres que os homens, justamente por não estarmos acostumadas a investir.

Assim como nenhuma de nós nasceu sabendo andar de bicicleta, o mesmo acontece com a prática de investimento. É preciso começar, exercitar, até que uma hora a gente faça de maneira simples e automática. Gosto da comparação, mas pela minha experiência aprender a andar de bicicleta é bem mais fácil do que começar a investir. Quando eu era pequena e pedalava uma Caloi-Cici rosa, decidi que ia aprender a andar de bicicleta sem rodinhas numa tarde quente de verão. Tomada a decisão vieram vários tombos e machucados no joelho, mas na manhã seguinte eu já havia aprendido. Foi rápido, demorei menos de um dia para conseguir. Já para investir foram mais de quatro meses entre o dinheiro sair da poupança e render de fato.

A nossa relação com o dinheiro costuma ser muito emocional. Para algumas mulheres, conseguir poupar já é um grande desafio. Há quem esteja triste e compre, há quem esteja feliz e compre e há aquelas em que o mês não cabe no salário. O fato é que a maioria de nós tem uma relação comportamental com as finanças, inclusive na hora de investir. Dá medo de algo que é desconhecido, que envolve regras do mercado financeiro, da economia, da bolsa… Por isso, boa parte de nós acaba deixando o recurso “provisoriamente” na poupança, o que pode ser sinônimo de prejuízo na medida em que existem várias outras opções mais rentáveis.

Investimento requer decisão e persistência, porque no meio do caminho da poupança até a aplicação dá vontade de desistir e deixar para depois. Vivi essa experiência recentemente e fiquei muito feliz no dia em que recebi a mensagem da BM&F Bovespa de que a aplicação havia sido concluída. Esse dia demorou a chegar, pois protelei, tive medo e precisei de um caminho de resiliência até chegar ao universo da renda fixa. Uma das escolhas mais indicadas para quem está começando é o Tesouro Direto, forma de investimento criada pelo Governo Federal para que as pessoas possam comprar títulos públicos. Nessa modalidade a aplicação pode começar a partir de R$ 30. Na prática, você empresta seu dinheiro para o governo e ele te devolve o valor emprestado com algum acréscimo de juros. Já que estamos em dezembro e esse costuma ser o mês em que fazemos aquelas listinhas de metas pessoais, o Tesouro Direto pode ser uma boa resolução de ano-novo, por exemplo.

Foto: reprodução Pixabay

POR ONDE COMEÇAR

# Em primeiro lugar, decida quanto você quer aplicar.

# Depois disso, vale a pena procurar um planejador financeiro (busque um que tenha certificação). No meu caso, isso me trouxe muita segurança para decidir cada passo nas minhas aplicações.

# Se o seu perfil é de iniciante (o que geralmente é quando saímos da poupança), reserve um tempo para fazer uma lista de corretoras que podem incluir a do seu banco (que costuma cobrar mais caro pela custódia, que é tipo uma taxa de administração) ou outra corretora que você conheça.

# Depois de escolhida, você vai preencher um cadastro que é simples e a empresa vai abrir uma conta sua na BM&F Bovespa. Você vai escolher o tipo de aplicação conforme a rentabilidade e o tempo que pretende deixar o dinheiro investido, por exemplo.

# Feito isso, selecione a opção pela própria tela do seu computador e celebre quando chegar a mensagem no seu e-mail que seu dinheirinho poupado agora está numa aplicação que pode engordá-lo mais do que a velha e conhecida poupança.

Assim como as resoluções de ano novo, investir também depende inteiramente da sua vontade e disposição para realizá-la. Eu desejo sinceramente que 2017 seja o ano em que você aprenda a investir, porque assim como andar de bicicleta é bom e faz um bem danado.

Leia também
:: Puro poder! Forbes elege as mulheres brasileiras mais poderosas de 2016
:: 6 dicas de grandes empresárias e executivas brasileiras para sua carreira

As últimas do Donna
Comente

Hot no Donna