5 dicas para não perder a paciência com seu filho

Foto: reprodução, Pexels
Foto: reprodução, Pexels

Praticamente toda mulher, antes de ser mãe, já pensou ou falou a seguinte frase: “Ah, se fosse meu filho”. A verdade é que, na prática, educar uma criança muito ativa e no auge de suas descobertas não é tarefa tão fácil assim, Muitas vezes é difícil manter a calma diante de algumas situações.

Se você já passou por isso, fique tranquila! É algo normal e nenhuma de nós está acima desta realidade. Segundo a consultora familiar Mariana Zanotto Alves, o que precisamos é aprender não só a nos controlar, mas também a reverter isso. Confira 5 dicas da especialista:

1 – Respire fundo e retome a calma

Isso pode acontecer quando já é tarde demais. Mesmo assim, volte seu foco para sua respiração. Quando fazemos isso, somos capazes de reverter nosso estado mental, pois a respiração auxilia na oxigenação do cérebro.

2 – Não tome decisões durante uma briga

Uma regra importante para pais e cuidadores é que nenhuma decisão deve ser tomada durante uma briga. Castigos, agressões e humilhações são muito comuns quando chegamos ao limite, por isso, em momentos como este, é preferível dar um tempo para você mesmo ao invés de tentar resolver tudo estressada. Quando necessário, peça ajuda a outro cuidador e fique um pouco distante.

Foto: Pexels, reprodução

Foto: Pexels, reprodução

3 – Veja as coisas pelos olhos da criança

Imagine uma pessoa duas vezes mais alta sendo duro e gritando com você. Péssimo né? Por isso que precisamos medir nossas reações em relação ao comportamento dos nossos pequenos. Contrariar e testar as regras de convivência fazem parte do crescimento e, quando reagimos de forma desproporcional, acabamos cultivando o comportamento negativo ao invés de auxiliar a criança a compreender que aquilo é inaceitável.

4 – Evite que a situação se repita

Sempre que você perder a paciência é importante refletir sobre o assunto. Quanto mais a criança testa uma situação, maior a probabilidade de que ela não esteja compreendendo como deve se comportar ou o que deve sentir sobre momentos como estes.

Pergunte-se: de quem é a dificuldade em situações como esta? Minha ou da criança? Para quem eu estou resolvendo este problema? Para mim ou para a criança? Estou responsabilizando a criança por minhas necessidades que não estão sendo supridas?

5 – Peça desculpas

Ninguém deve ser agredido verbalmente, por isso é importante admitirmos quando estamos errados. Educar é uma tarefa árdua e normalmente só observamos o quanto fizemos após anos de dedicação e repetição. Uma das formas mais importantes de aprendizagem ocorre quando a criança reproduz o comportamento dos adultos ao seu redor. Por isso é essencial ter humildade para pedir desculpas quando erramos. A aprendizagem não é apenas sua, mas também de seu pequeno.

Leia mais colunas da Vanessa
:: Dicas para preparar seus filhos desde cedo para fortalecer a autoconfiança

:: Os temidos dois anos: a fase de mudanças no comportamento das crianças
:: 5 coisas que não te contaram sobre a maternidade 

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna