Adequação, a palavra-chave para encontrar seu estilo | Moda na Real, As Patrícias

De todo bate-papo que a gente participa, em qualquer palestra nossa, sempre tem a clássica pergunta: o que é estilo pra vocês? Em alguns anos de labuta fashion, a gente aprimorou a resposta, reforçando a crença de que quem chama a atenção pela personalidade do vestir, em qualquer idade ou lugar do mundo, tem na essência a adequação. Sim. Guarde bem essa palavra-chave do estilo: adequação. Mas que coisa louca é essa?

Moda na Real: outras colunas d’AsPatrícias
:: Cardigãs em looks nada formais
:: Como usar saia lápis: o guia essencial para todos os tipos de corpos
:: Consultório Fashion: tire todas as suas dúvidas de moda

Em tempos nos quais a informação é corriqueira, fundamental é mesmo a edição, a curadoria, a tradução de tudo que se vê, lê, come, deseja, sente, estuda, trabalha, pensa, dança, bebe, …ufa! Sim. No contemporâneo, ser bem informado é nada fenomenal. O que faz a diferença é como se absorve toda essa informação, o que se faz com ela, como é interpretada, quais são os elos anteriores que geram um conhecimento real. E é igualzinho para a moda. Estar por dentro das tendências faz parte da vida de qualquer ser que more em uma cidade, que acesse a web, que folheie uma revista, que transite por um shopping, afinal, elas estão aí, as ditas tendências, caindo aos borbotões, inclusive nos confundindo. Portanto, a grande sacada é como você pinça o que combina com o seu corpo, o seu dia a dia, os desejos, a sua história de vida. E isso é exatamente adequação. Quando você ver alguém que se veste de um jeito singular e admirável, pode ter certeza, a pessoa está, antes de tudo, adequada ao seu mundo e ao seu corpo.

espelho3

E como chegar a mais perfeita sintonia da adequação? Eis aí o grande desafio para se ter o que muitos desejam, mas poucos, de fato, têm: estilo. O primeiro passo é se conhecer fisicamente. Isso mesmo. Parar em frente a um espelho e ser sincero, olhando para os pontos positivos e os nem tanto, o que mais gostamos e os que preferimos disfarçar, pensando em um corpo equilibrado em proporções – aqui abrimos um parêntese: quando dizemos equilibrado não estamos falando da magreza de uma top (longe disso), mas de uma silhueta onde tudo é harmônico por não ter pontos de “muito mais” e nem de “muito menos”. Por exemplo, a barriga é saliente, o bumbum é grande, os ombros são mais largos que os quadris, os braços são roliços? Olhe, analise, responda. E tudo bem. Depois de identificar, é mais fácil ter a consciência de como harmonizar.

Partindo dessa avaliação, vale a fórmula “+ onde tem – e – onde tem +”. Entendeu? Tudo que for volumoso, colorido, estampado, drapeado, exagerado você deve usar nas partes do corpo mais esguias. E vice-versa: tudo que for discreto, sequinho, neutro, escuro deve ser usado nas partes do corpo mais volumosas. Esse é o princípio da adequação ao corpo, a primeira delas.

espelho4

Depois, pense no que você realmente gosta, nas peças que fazem você se sentir bem, em como é seu cotidiano, nos tipos de programa que você faz, em qual a imagem você gostaria de passar, que traços da sua personalidade que você gostaria que as pessoas identificassem de imediato, qual as memórias que você pensa em traduzir. Por exemplo, uma professora de educação física vai precisar de muito mais roupas casuais do que sofisticadas. E o mesmo vale para alguém que trabalhe em um ambiente formal: de que adianta encher o closet de roupas de festa?! O estilo também precisa responder às suas necessidades práticas, mas, olha aqui, também deve indicar quem você é. Pense que uma advogada pode usar a essencial alfaiataria, mas se for uma roqueira de alma pode investir em um acessório pesado, como um scarpin de tachas, que será diferente para uma romântica, que usará um peep toe decorado por um laço. Viu? Os detalhes são arma fundamental na guerra do estilo!

espelho7

Achou complicado? Sim. Um pouco. Mas são as perguntas e as respostas certas que vão gerar o auto-conhecimento primordial para se ter mais estilo – ou simplesmente ser mais feliz. Esqueça o querer parecer essa ou aquela, o querer usar uma roupa só porque está na moda, o ser igual aquele grupo. Isso tudo é falso. Você precisa mesmo é querer ser você e usar o que lhe faz melhor e mais bonita – e isso nenhuma revista vai responder. Bom mergulho em você mesma!

Photorepro: 1, CeciliaPhotoRepro: 2 Retouch: Johan Flodin

 

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna