Afinal, o que vestir nas festas de final de ano? | Moda na Real, por AsPatrícias

Final de ano é complicado. Formaturas, festas de empresa, encontros de amigos, de familiares, confraternizações mil. Com tudo isso, a cabeça da mulherada chega a dar nó de tanto pensar no que vestir. Ou melhor: em como vestir de forma adequada, já que também há muitas regrinhas na maior parte desses encontros. Posso usar minissaia no jantar do escritório?! Como devo vestir no primeiro Natal na casa dos sogros?! Como ficar casual e elegante no amigo secreto dos amigos?! Enfim…. Um tantão de dúvidas aliado à busca por manter o estilo, para não parecer fantasiada ou desconfortável em cada uma das situações.

:: Que biquíni devo usar para aumentar o meu quadril? | Consultório Fashion, por AsPatricias
:: Branco no Réveillon? Não é obrigatório! | Consultório Fashion, por AsPatrícias
:: O pânico aos 40 anos reflete na autoconfiança e na postura| Moda na Real, por AsPatrícias
:: De oxford a bota de plástico floridos: os sapatos que vão ser hit em 2015 | Moda na Real, por AsPatrícias

Ao pensar nas respostas, a gente sempre lembra de algo que ouvimos de um profissional que admiramos muito, hoje dedicado à consultoria, mas um estilista de mão cheia, Walter Rodrigues. Certa vez, em uma entrevista para um documentário sobre estilo, perguntamos ao Walter, um expert em roupa sob medida, como ele começava a conversa com alguém que buscava algo exclusivo. E ele disse que sempre perguntava para a pessoa qual seria a roupa, a única roupa, a preferida, que ela levaria em caso de um incêndio, por exemplo. O retrato da cliente começava a partir desta peça, que provavelmente tem características que refletem a personalidade, o gosto, os desejos essenciais. Mentalmente, já pensamos em qual seria a nossa e…bingo! Ela realmente tinha tudo a ver com o estilo da gente. A Parenza, um belo e glamuroso vestido longo. A Pontalti, um modelo vintage anos 80 com total pegada rocker. Walter teria uma excelente amostra do gosto da gente rapidinho.

Bem. Essa história serve para ilustrar a nossa dica essencial a todas que nos perguntam o que usar desde então. Primeiramente, faça o teste do incêndio – que horror, né?!, mas foi que apelidamos a brincadeira. Pense na roupa que você levaria junto, a que seria mais você do que todas as outras. Identifique o que ela tem: é longa ou curta, justa ou larga, sexy ou comportada, calça ou saia/vestido, de linhas simples ou rebuscadas, romântica ou unissex, festiva ou dia a dia, contemporânea ou retrô, lisa ou estampada, preta ou colorida. Enfim. Olhe para a peça e responda a esse questionário, anotando as respostas, que vão definir o seu padrão. Pode ter certeza.

Aplique o resultado nas suas escolhas sempre, inclusive para toda essa montoeira de festividades de final de ano, cruzando com as regrinhas de cada encontro, assim, você vai estar sendo você mesma antes de tudo, mesmo respeitando os códigos do evento.

E quais seriam os códigos?! Meio que lógicos, sabe. Ou seja, ninguém deve ficar muito sexy onde trabalha, mesmo que seja em um churrasco com os colegas. Ninguém quer ser um mostruário de tendências em um Natal de uma família com a qual ainda não tem qualquer intimidade. Ninguém quer parecer uma elegante assoberbada entre amigos queridos. Ou seja, pense antes de vestir e evite excessos, o que é essencial para seguir a trilha do estilo. Use calça, se você preferir, mas ela não precisa ser transparente. Vá de vestido, se assim achar, mas ele não precisa ser micro. Use roupas justas, se você curtir, mas elas não esquadrinhar sua ossatura. Vista jeans, se te apetecer, mas mescle com algo mais requintado para mostrar que você caprichou para a sua família. Sempre que tiver dúvida, seja você em menor voltagem. Um pouquinho de menos é ótimo para ser lembrada como mais elegante porque estilo também é estar adequado ao ambiente e à ocasião. Boas festas!

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna