Carpinejar: Bodas de prata

Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

Fazer de conta que nada aconteceu é o melhor jeito de não se separar. E o mais irritante. Não ceder aos encantos da fúria vigora como a estratégia perfeita para a imortalidade dos laços.

Não revidar a briga com ofensas, nem devolver as cobranças com atitudes passionais costuma neutralizar o ódio. A separação é uma urgência momentânea, uma raiva da hora. Alterando o estado de espírito, perde a validade. Longe do consenso, é apenas uma crise. O amor perdura pelas sobrevidas da tolerância.

Meu amigo já foi despejado pela mulher dezenas de vezes, já foi convidado a ir embora semestralmente. Ela discute a relação sozinha, diz que não aguenta mais, manda o sujeito aprontar as malas, alegando que ele jamais escuta as suas reclamações, o que é uma verdade.

O marido concorda com a cabeça e se tranca na cozinha. Em vinte minutos, chama a mulher:

– O jantar está pronto, arruma a mesa?
– Mas eu lhe mandei embora!
– Vamos comer primeiro, depois pensamos nisso. Fiz a massa pesto que adora.

Mais colunas do Carpinejar?
:: Carpinejar: Minha amante
:: Carpinejar: Fiador da desgraça
:: Carpinejar: Onde estão os ovos?
:: Carpinejar: Glicose do afeto

No dia seguinte, ainda estão juntos e ela se envergonha de insistir com o fim da relação, já que ele foi imensamente carinhoso e impregnado de gentilezas.

Transcorridos alguns meses, ela volta a explodir pela falta de empatia e cumplicidade, pois não aceita a mornidão e o tédio da rotina. Os ressentimentos retornam à superfície. Então, xinga e amaldiçoa a falta de iniciativa do seu par, assinala o término, esbraveja que não dá mais e ordena que arrume as suas coisas.

Alheio ao apocalipse, ele senta na frente da televisão com os pés estirados no sofá. Não parece preocupado. Não parece abalado.

– O que pensa que está fazendo? Acabou tudo! Não vai se mexer?
– A dor não tem pressa, amor. Estou assistindo o último capítulo da novela, deita aqui comigo, é imperdível – explica, doce, com voz mansa de quem saiu do banho.

Ela aceita a trégua, engole a insatisfação, deita um pouquinho em seu colo e cochila sem querer. Logo ao amanhecer, ele prepara o café, traz uma bandeja de suco e croissant na cama, e ela novamente não tem forças para insistir com a ruptura. Brigar é excessivamente cansativo, exige mais do que se manter casado.

Assim, com a surdez de um e a compaixão do outro, o casal completa bodas de prata neste domingo.

:: Leia outras colunas de Carpinejar

Leia mais
Comente

Hot no Donna