Carpinejar: A chatice carinhosa da memória atingirá a todos

Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

Tenho um quebranto por uma espécie de chatice. A chatice carinhosa da memória. Porque eu compreendo de onde que ela vem, e ela atingirá a todos, sem exceção. É o inexorável legado da condição humana. Depois da vaidade da aparência, da mão de obra, do sucesso e da potência etária, a única vaidade que sobrará em nós é a da experiência.

Não seremos mais jovens para nos exibir, nem fortes para nos impor, a imaginação será uma operação menor em nossas faculdades mentais, restará tão somente lembrar e dizer que estávamos presentes na transformação da cidade e dos hábitos.

É a implicância natural dos amigos dos pais, que nos abraçam com susto: “Não acredito que é você, eu já troquei as suas fraldas”. Não leve a mal a observação, trate-a com a leveza da graça. Deve ser mesmo difícil rever alguém que foi bebê de colo. É ultrapassar a régua da existência, e usar a infinita fita métrica das palavras para mensurar as perdas e ganhos do amor e da amizade.

É a repetição querida de histórias do avô e da avó, que, ao me buscar em casa, novamente dirão: “Eu vi esse bairro crescer, era só mato e terreno baldio”. Se possível, arrume o melhor riso para não desampará-los no vácuo da biografia. Ficarão felizes com a audição atenta. Procuram testemunhas de seus feitos para justificar tudo o que enfrentaram em oito décadas.

É certo que, ao passar de carro pelo Beira-Rio, tecerão um comentário pela enésima vez: “Lembro quando construíram o estádio sobre as águas do Guaíba”. A conversa profética parece egressa das páginas do Antigo Testamento: eles suspiram com uma mirada funda e leem em voz alta trechos inteiros de seu diário.

Eles não repetem porque se esqueceram do que falaram um dia. Repetem pois não há como conter a estupefação de ter vivido muito. É um transbordamento incontrolável de recordações, que ultrapassa o muro da Mauá. “Nós enfrentamos a enchente de 41, quando o rio ocupou todo o Centro, e andávamos de botes”.

Olhar, para eles, é sempre comparar, olhar é sempre reprisar, olhar é nunca mais ter os dois pés no presente. Os avós estão parte comigo e outra parte, remota e inacessível, lá atrás no tempo. Escuto a história de novo como se fosse a primeira vez. Vejo que logo a mesma doença benigna da idade vai me atingir e espero que os meus netos partilhem a mesma complacência comigo.

Leia mais colunas do Capinejar:
:: Não há melhor abrigo que o abraço de mãe
:: Pais, filhos e nós de gravata
:: Malandragem familiar

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna