Carpinejar: Meias pretas

Foto: Pexels, Divulgação
Foto: Pexels, Divulgação

Eu já falei que a minha mulher fez uma listinha das roupas que uso e que ela detesta. E que gosto mesmo de provocá-la saindo com o figurino proibido, como quem se veste para a fogueira da Inquisição.

Por outro lado, não tenho o que reclamar dela. Não é complacência, mas adoração caseira.
Para conviver perfeitamente com uma mulher, deve-se admirar também a sua preguiça. A preguiça é sensual e com a diferença de que ela é só feita para você, ninguém mais vê. A preguiça é absolutamente exclusiva, um segredo a dois.

Quando ela se embeca para nossos passeios, os outros partilham do encantamento. Não é a mesma coisa.

Minha atitude não é das melhores: um pouco de egoísmo, um tanto de ciúme, não duvido que possa se enquadrar no perfil doentio da possessividade. Entretanto, ainda é meu jeito de frequentar e respeitar a sua solidão.

Veja outras colunas de Carpinejar:
:: Injustiça no lar
:: O enigma do prato para dois (ou seria para um?)
:: Por favor, não atrapalhe o amor dos outros
:: A primeira vez

Amo a minha mulher de vestido, de saia, arrumada, maquiada, pronta para badalar. Com decotes e rompantes. Com salto alto e sobreposições perfeitas.

Mas ela, além de bonita, é charmosa. E amo igualmente quando ela está à vontade em casa de calção e camiseta de flanela. E mais amo quando não dispensa um adereço afetivo de inverno em qualquer estação, um fetiche construído por uma mineira em terra gaúcha para enfrentar o frio: um par de meias pretas de lã.

Nunca larga as suas meias prediletas. Preciso confessar: é uma bota de esqui que transforma a paisagem de plátanos do bairro em uma montanha nevada. É o nosso Snowland. Ela voa pelo piso de madeira da sala. Desliza. Nem escuto os seus passos. A atração é hipnose.

Aquelas meias pretas são um show de fofura. Qualquer um poderia criticar que ela está à toa, até desleixada, nada combina com nada, porém é um engano: ela permanece elegante, dobrando as pernas como um origami perfeito.

As meias pretas têm a contundência de um espartilho. Eu me ponho de longe a observá-la. Pago camarote a espiar suas acrobacias ao contornar as mesas e os sofás.

Talvez seja uma prova de intimidade: ela unicamente tem coragem de realizar isso comigo, numa demonstração ilimitada de confiança.

O que sei é que ela nunca consegue se enfear. Beleza é quando você se arma, charme é quando você se desarma e continua irresistível.

Leia mais
Comente

Hot no Donna