Carpinejar: “O exagero da compulsão complica o jogo de sedução”

Foto: Pexels
Foto: Pexels

As manias afastam amores. Até porque o romance exige o mínimo de sociabilidade.

O exagero da compulsão complica o jogo de sedução. Quando a mania é elevada ao extremo grau de irreverência e absurdo e parece que não vai para frente se não consumar tal capricho absolutamente incomum. Emperra mesmo, para de viver, acredita que o pior pode acontecer se abdicar do seu zelo.

Ao encarnar um serviço de vigilância sanitária em tempo integral, não tem como se relacionar com ninguém. O beijo pede o contato, o toque, a sujeira emocionante da vida. Ama-se passando a gripe.
Tudo bem se troca o copo do restaurante, se não encontra a superfície cem por cento limpa, mas levar copos de vidro para almoçar fora já extrapolou a cota.

Tudo bem se não gosta de alguém lhe observando comer, mas jamais realizar uma refeição com a presença de pessoas desconhecidas torna o convívio impossível. Tudo bem se realiza as necessidades em seu banheiro, mas contar com o luxo de não ter ninguém em casa é uma cautela excessiva. Tudo bem se lava as mãos com frequência, mas recorrer ao álcool a cada cumprimento lhe tornará misantropo.

Uma amiga sofreu um baque no início de um flerte. A princípio, o crush era normal. Conheceram-se num aplicativo. Trocaram longas conversas sem a ameaça de qualquer bolha de esquisitice. Quando saíram para o cinema, não houve nenhum problema. Para o jantar, tampouco teve algum hábito ameaçador. Ele fingiu bem.

A cena encrespou quando partiram para o motel. Ela estranhou que ele subiu ao quarto com uma mochila nas costas. Deduziu que ele trouxe uma muda de roupas e produtos de higiene para a manhã seguinte. Achou o gesto bonitinho, próprio de um filhinho de família. Relevou: ela tinha a sua bolsa, ele tinha a sua mochila.

Só que ele, assim que chegou perto do criado-mudo e colocou meia-luz na cabeceira, arrancou toda a roupa da cama, fez um bolinho com o pano e levou para longe. Não significava um ataque selvagem e fúria de Don Juan, infelizmente.

Daí, solenemente, tirou de sua mochila um jogo de lençóis e passou a arrumar e envelopar o cantinho com o olhar fixo de faxineiro.

Óbvio que ela cancelou o encontro. Não sem antes usar a loucura dele como álibi.

– Você esqueceu os travesseiros. Vamos voltar outra hora com tudo completo.

Ele nem estranhou o comentário. Pelo contrário, concordou com um sorriso. Foram embora para nunca mais se verem.

Leia mais colunas do Carpinejar:
:: Carpinejar: “Cartão de visita, um hábito quase em desuso hoje pela facilidade digital de anotar no celular”
:: Carpinejar: “Quem nunca desabafa, desaba. Quem nunca se abre, fecha-se para sempre”
:: Carpinejar: “A estabilidade morreu. Somos agora e nada mais”

Leia mais
Comente

Hot no Donna