Carpinejar: O sexto sentido da noiva

Toda noiva tem um sexto sentido apurado, é uma bruxa do amor. Antes de casar, tem a visão privilegiada de que a relação será para sempre ou por alguns meses. Já convivi com amiga divorciada que garante que enxergou o fim no início. Marcou o casamento e previu que iria se separar mais adiante. Captou o papel timbrado do divórcio debaixo da transparência do véu, escutou o martelo do juiz da Vara de Família dentro da marcha nupcial da igreja.

Com o poder mediúnico feminino, ampliado pela tragédia iminente, a noiva insatisfeita realmente carrega uma marca secreta, um sinal na testa, uma pinta do divórcio anunciado no rosto. A profecia nem sempre conta o apoio da consciência. Ela somatiza a precariedade de futuro do relacionamento, só que não deseja pôr fora tudo o que gastou e dedicou para manter o laço. Quanto maior o investimento, maior será dificuldade de dizer a verdade. Quanto maior o envolvimento das amigas, maiores serão a indiferença do noivo e o desastre. É o caso de uma comédia romântica sem roteiro e com os efeitos especiais garantidos.

Mais colunas do Carpinejar?
:: Carpinejar: Minha amante
:: Carpinejar: Fiador da desgraça
:: Carpinejar: Onde estão os ovos?
:: Carpinejar: Glicose do afeto

A premonição acontece com frequência após longa duração do namoro. Como fica chato renovar o flerte para novos cinco anos, o altar surge como uma fatalidade social. O matrimônio é mais uma consequência do tempo de serviço do que uma escolha madura. O parceiro não tem culpa. Não cometeu nenhum erro, apenas não é o homem necessário. Pode ser um bom partido, o que não significa que desfruta de condições para governar. Apresenta-se na pele de par perfeito para namorar, jamais para casar – há um grave contraste entre as duas naturezas.

A noiva sacerdotisa não consegue vislumbrar uma longevidade afetiva ao seu lado. Não é o tipo para criar filhos e cumprir projetos de realização pessoal. Trata-se de um sujeito agradável para programas a dois, viagens e passeios – quase um amigo íntimo, ideal para dividir a mesa, não o suficiente para dividir a cama pelo resto da vida.
A indecisão próxima da data da celebração pode ser confundida com ansiedade e nervosismo pelos outros, porém os sentimentos indefinidos são meros disfarces da melancolia. Não é complicado o diagnóstico. Sempre que alguém pergunta se ela está feliz, não responderá de bate-pronto, piscará e demorará para sussurrar um chocho sim.

O suspense é o vírus inoculado da desconfiança. Não há taquicardia, fé, emoção durante o noivado. Segue um contrato de expectativas com pouquíssimas gafes e surpresas. A véspera possui o gene da monotonia de uma relação antiga. Inclinada a não decepcionar os familiares, talvez termine casando por teimosia, arraste a insatisfação por alguns anos, insista na convivência, despreze os indícios, force os pesares goela abaixo, mas experimentará, inevitavelmente, a amarga sensação daquele torcedor que pressente a derrota vexaminosa do seu time e, mesmo assim, comparece no estádio e aposta na goleada de sua equipe.

:: Leia outras colunas do Carpinejar

Leia mais
Comente

Hot no Donna