Celia Ribeiro: Cumplicidade entre diferentes gerações

(Warner Bros, divulgação)
(Warner Bros, divulgação)

Mauricio e Luiza Rosenblatt deixaram várias lições de vida a todos nós que frequentávamos as reuniões de sábados à noite na sua residência. Certa vez, ele me contou que um de seus amigos havia lhe perguntado como conseguia dar-se tão bem com fulano, tão pouco dotado de inteligência: Imagina, como seria triste escolher amigos só a partir do predicado de ser bem dotado de inteligência.

E Luiza dizia: “Não se deveria ter amigos apenas da nossa geração. O ideal é conviver também com gente mais jovem, da geração dos filhos e dos netos. Caso contrário, as pessoas que ficam velhas acabam sozinhas”.

Mais colunas da Celia Ribeiro?
:: Celia Ribeiro: As tias de Vinicius voltarão fim do mês
:: Celia Ribeiro: O segredo da dieta saudável é mantê-la na rotina
:: Celia Ribeiro: O pudim que reina entre os pudins
:: Celia Ribeiro: Saber usar o guardanapo significa bons modos à mesa

O modo de os jovens encararem os colegas de trabalho idosos mudou bastante no Brasil. Há um respeito cúmplice e troca de ideias, dependendo da forma como são tratados. Não é preciso usar de senhoria ao falar com o companheiro idoso e cabe a este franquear o tratamento informal, desde que o jovem não se sinta constrangido. Em vez de ficar falando em assuntos pessoais – geralmente sobre saúde -, vale deixá-los falar. Cabe a nós estarmos prontos para ajudar, sem nada em troca.

O afeto surge ao natural, como se vê no filme Um Senhor Estagiário com Robert de Niro, 72 anos, no papel de Ben Withaker: atraído por um anúncio, ele passa a trabalhar como estagiário em um site de moda, dirigido por uma mulher jovem, personagem de Anne Hathaway.

Pouco a pouco, fazendo perguntas aos jovens colegas, o prestativo Ben exerce funções que não lhe caberiam – sem deixar de viver sua vida pessoal -, colaborando para o bom relacionamento entre os companheiros. O processo se realiza com muito humor, e a gente dá boas risadas durante o filme. É uma lição de vida que diverte.

:: Veja outras colunas da Celia Ribeiro em Donna

Etiqueta na prática

Envie sua pergunta para a Celia: contato@revistadonna.com

BOLSAS ESPAÇOSAS

Elas são ótimas, desde que se saiba diferençar os guardados com bolsinhas plásticas coloridas e com zíper, cada uma numa cor viva, sem armação metálica, que pesa bastante. Na lateral da bolsa, há uma parte interna onde são colocadas a carteira de motorista e outros documentos importantes. Na bagagem de viagem, as bolsinhas ajudam muito até para arrumar as gavetas no hotel.

SÓ PELO CIVIL

Para o cortejo de um casamento só pelo civil, em casa, num salão de festas ou em um jardim, vale igual esquema do cortejo na igreja, com os trajes seguindo o mesmo critério. Neste ano, casou-se um filho da princesa Caroline de Mônaco, numa ilha no Lago de Como, onde há um palácio da família da noiva.

O noivo estava de fraque cinza-claro, um luxo. Os convidados chegavam de lancha e iates e viu-se pelas fotos que as mulheres não usaram sandálias de salto muito alto e fino, devido ao terreno irregular e à subida ao topo da ilha. Isso vale também para casamentos ao ar livre em toda parte do mundo.

Leia mais
Comente

Hot no Donna