Celia Ribeiro: o estilo acompanha a evolução pessoal

A cultura da moda tem uma força muito significativa na região serrana do Rio Grande do Sul, e o boom da indústria no Brasil motivou a Universidade de Caxias do Sul a criar, em 1992, seu Curso de Design de Moda. No final dos anos 1980, Bernardete Susin Venzon, graduada em Artes Plásticas, viajou com uma bolsa de História da Arte. Como o curso foi cancelado, ela precisou escolher outro e optou pela Moda, tema que está em seu DNA: sua mãe foi uma exímia costureira. Quando Beth regressou a Caxias, recebeu o convite da UCS para ser professora de História da Moda.

O convívio com os professores e os resultados gratificantes dos alunos, a maioria jovens saídos do Ensino Médio, no período de 1999 a 2007, fizeram com que Beth aceitasse o desafio de ser coordenadora do Curso de Moda no período de 1999 a 2007. Como a UCS mantém contatos diretos com estilistas de diferentes regiões do Brasil, que vêm fazer palestras no curso, a professora tornou-se também anfitriã de Lino Villaventura, Alexandre Herchcovitch, Mario Queiroz, o caxiense Oskar Metsavaht (Osklen), Ronaldo Fraga e Walter Rodrigues, que hoje mora em São Paulo e Caxias do Sul.

Beth Venzon é uma mulher chique. Diz que o estilo pessoal brota do jeito de ser e agir, porque “as alterações na forma de vestir resultam das nossas mudanças no modo de pensar, e o que nos mantém jovens é estarmos abertas às novidades”. Mulher ativa, que além de integrar o grupo de professores da UCS presta consultoria para projetos de moda e identidade junto à indústria e varejo, ela pensa que a idade é um fator relativo hoje. Qual é a tônica na sua forma de se vestir?

– Valorizo peças clássicas e adoro moda contemporânea, mesclando peças com informações diferenciadas a outras mais minimalistas.

:: Veja todas as colunas de Celia Ribeiro

Era assim…

A origem do bolo de casamento está no Império Romano, e era mais pão do que bolo. O noivo comia o primeiro pedaço, e o restante da fatia cortava na cabeça da noiva, simbolizando a submissão dela. Na Inglaterra, do período medieval, faziam bolinhos de casamento que eram empilhados numa bandeja para serem distribuídos entre os convidados. Foi no final do século 19 que surgiram as camadas sobrepostas e bolos com glacê francês, o fondant.

É assim…

No recente evento com o motivo festa de casamento, realizado na Casa Bonita de Marlene Wolf, viu-se quatro bolos de noiva do século 21. Nelson Porto criou um bolo todo branco com rosas esculpidas em fondant, enquanto Diego Andino imprimiu seu estilo num bolo multicolorido em que flores, docinhos e balas se mesclaram. Os noivinhos tradicionais no alto foram opção de Jania Alt no bolo dourado e de Jussara Palma e Ana Maria no bolo em tom marfim.

:: Etiqueta na prática 

Envie sua pergunta para a Celia: contato@revistadonna.com

Reserva de data e convite

“Mandamos por e-mail o save the date do nosso casamento com um mês de antecedência, e alguns convidados responderam que não poderão comparecer. É preciso, assim mesmo, enviar o convite?” RAFAEL

– Quando o save the date é enviado com dois meses ou mais de antecedência (como deve ser feito), manda-se o convite assim mesmo. Pode acontecer de estes convidados terem a sua data desmarcada e desejem comparecer, respondendo então ao R.S.V.P. solicitado no convite.

Opção de frios no aperitivo

“Estou organizando uma seleção de salgadinhos para um happy hour, que terá também uma tigelinha de risoto de camarão e docinhos. Devo levar em conta os que não comem carne, são alérgicos a camarão ou não comem glúten?” GILSE

– Quando se trata de convites feitos por e-mail e por telefone, sempre se pergunta se há alguma restrição alimentar de parte do convidado. Alergias são comuns a camarões e alimentos que contêm glúten. Nos dias atuais, com o avanço da medicina e o reconhecimento do trabalho das nutricionistas, torna-se fácil. Mas quem tem dieta alimentar rigorosa come sempre antes de sair de casa, para enfrentar qualquer eventualidade.

Leia mais
Comente

Hot no Donna