Celia Ribeiro: harmonizar é preciso

Nem sempre é fácil estabelecer harmonia, depende de bom gosto adaptado à atualização dos costumes.

Foto: Divulgação

O que mais se deseja é harmonia em nossos relacionamentos de todos os níveis, tanto na vida pessoal como na profissão. Nas últimas décadas, o termo tem aparecido cada vez mais nos assuntos de moda e gastronomia. Não é a harmonização de atitudes e gestos que motiva os livros de etiqueta e de receitas?

Harmonia é vestir um modelo longo, com bordados e transparências, como o criado por Samuel Cirnansck (recentemente, ele apresentou um desfile no Moinhos Shopping), para uma sofisticada festa à noite. Ao desfiar tecidos para atingir efeito de plumas, Samuel estabelece uma harmonia com os ricos bordados de um modelo longo.

No universo dos sabores, Medaglioni ala Salsa de Lampone, na foto acima, (filé ao molho de framboesa com purê de mandioquinha) se harmoniza com o vinho tinto chileno Vértice 2007, Vale de Apalta Colchagua. A sobremesa Tiramisu (queijo mascarpone e biscoito champanhe) empresta mais valor ao vinho branco doce, como o Sauternes Château Des Compères, do cardápio recentemente apresentado pelo restaurante Peppo.

Nem sempre é fácil estabelecer harmonia, depende de bom gosto adaptado à atualização dos costumes. Um exemplo é o uso do jeans com uma blusa de transparências e bordados (Samuel Cirnansck). A harmonização se estabelece para uma festa lounge, mais descontraída à noite, quando a blusa é realçada pelo jeans e vice-versa. Busca-se tanto harmonizar os relacionamentos que depois de usar de franqueza ácida sobre um amigo, se compensa elogiando outro ângulo de sua personalidade. É o equilíbrio, que sempre se almeja praticar no dia a dia.

Leonardo da Vinci chegou a ter um restaurante na ponte Vecchio, em Florença. Ele tinha cadernos de cozinha, receitas próprias e de seus amigos. Era o Codex Romanoff, escrito entre 1481 e 1500. Leonardo dava conselhos de etiqueta à mesa. Os convidados de um jantar, sofrendo de doenças terríveis como peste, sífilis e feridas abertas, não se sentavam à mesa de um senhor abastado, exceto se fossem filhos de papa e sobrinhos de cardeais.

O mesmo se aplicava àqueles que sofriam de soluço e fungavam: não eram sentados lado a lado, mas espalhados entre as mesas de estrangeiros e cidadãos de baixa posição na hierarquia social. “São pessoas de fatigante conversa, que um anfitrião não suporta”, comenta o artista em seu caderno. (Notas Cocina de Leonado da Vinci, livro baseado em manuscritos da Biblioteca Ambrosina de Milão).

Divorciados no cortejo

“Meus pais são divorciados. Ele se casou de novo, mas minha mãe está só. Tenho excelente relacionamento com minha madrasta e me constrange deixá-la fora do cortejo. Como colocar meus pais no convite impresso?” JULIE

– No convite impresso deve aparecer o nome do seu pai e da sua mãe. No cortejo de entrada na igreja, a madrasta entra com um amigo da família. Juntos, eles sobem ao altar, aguardando a chegada da noiva com o pai. Quando este chega ao altar fica ao lado de sua atual mulher, e o acompanhante da madrasta junto à mãe da noiva. Como a atenção está inteiramente voltada para os noivos, esta troca é pouco percebida, ainda mais que será do mesmo lado, durante a cerimônia: o da noiva.

Jantar de gala

“Fomos convidados, meu namorado e eu, para um jantar de 20 pessoas em que é solicitado smoking para os homens e traje de festa para as mulheres. É uma comemoração de bodas de prata em sala reservada de um clube. Posso ir de vestido curto? “IRIS

– Se o vestido for um traje recepção em tecidos nobres (renda, brocado, crepes de seda) estará adequado. Os complementos (bolsinha e sapato) são muito importantes na harmonia de conjunto. Penteado vistoso cabe neste esquema.

Diferença econômica

“Estou namorando um rapaz de padrão econômico mais baixo que o nosso. A diferença não me causa desconforto. O problema surgiu agora quando ele diz não poder ir ao casamento da minha irmã. Já falei que alugue um terno, a gravata a gente arruma entre as do meu pai. Pago o aluguel da roupa?” NICE

– Não faça esta proposta, se ele já está tão sestroso com a situação. É comum até para rapazes de posse não terem terno. Eles se viram: pedem emprestado aos amigos ou alugam. Vá sozinha ao casamento. Mas pense no futuro desta relação.

As últimas do Donna
Comente

Hot no Donna