Celia Ribeiro: o papel do celebrante na festa de casamento

Ele deve ser dotado de boa voz e facilidade de expressão para saudar os noivos de forma personalizada

Edio Lewandowski saudando os noivos na capela montada num jardim
Edio Lewandowski saudando os noivos na capela montada num jardim Foto: Edio Lewandowski

Uma festa de casamento em que um dos noivos já foi casado pela igreja pode ter uma bênção religiosa ou um celebrante para não passar em branco. Este celebrante deve ser dotado de boa voz e facilidade de expressão para saudar os noivos de forma personalizada, contando a história de seu amor.

Edio Lewandowski constatou que tinha estes dotes, quando, no final dos anos 1990, atendeu ao pedido de um amigo para que falasse durante uma festa de debutante. Na semana seguinte, outro convite, desta vez para um casamento. E assim surgiu este celebrante profissional.

Bacharel em Ciências Contábeis com pós-graduação em Informática, Edio conquistou uma atividade paralela à de contador. Casado com uma advogada e pai de três filhos, a partir de 2002 tantos eram os casamentos agendados que ele abriu uma empresa, incluindo cerimonialista e outros serviços terceirizados. O estilo de festas varia. A maioria dos noivos prefere jardins de clubes, campos de golfe, onde são instalados toldos para acolher grande número de convidados. Mas há quem opte por uma reunião mais íntima, porém não menos solene.

Todas essas comemorações alternativas seguem o mesmo espírito do cerimonial em igrejas e sinagogas, com cortejo e testemunhas. Também há festas de uniões homoafetivas entre homens, com as duas mães abrindo o cortejo à frente dos noivos de terno escuro e gravata, até o local onde haverá a solenidade. O celebrante faz citações da Bíblia em suas saudações, de comum acordo com os noivos. Ao final da celebração, que dura de 25 a 40 minutos, os padrinhos assinam uma ata de presença que tem valor legal como prova de união estável.

______________________________________

Noivado sela compromisso

“Moramos juntos há três anos e pretendemos nos casar em julho de 2014. Gostaríamos de dar uma satisfação aos parentes e amigos mais chegados e pensamos usar aliança. Qual o mais indicado tipo de comemoração?” ANA e GABRIEL

As festas de noivado estão de volta, sim. Em geral, é durante um jantar que os namorados colocam as alianças à mesa, em pé, antes do brinde e da sobremesa. Deve haver o cuidado de não revestir a comemoração do noivado com as mesmas características de uma recepção de casamento, que ainda vai acontecer. Muitas destas festas são feitas quando já foi marcada a data e feita a reserva da a igreja e local da comemoração.

Comunicação de divórcio

“Familiares e amigos sabem que acabei de me divorciar, mas está sendo muito difícil falar sobre o assunto com meus colegas de trabalho e não sei se devo comunicar à minha gerente, com quem tenho boa relação. E mais, preciso devolver as joias que meu ex me presenteou?” RITA

Uma separação já legalizada não deve ser mantida como segredo, mas comentada ao natural, sem maiores detalhes. Conte o fato a um colega com quem tenha mais intimidade e diga que ainda está com dificuldade de falar no assunto. Quanto à gerente, se estiver a sós com ela, em meio à conversa, fale sobre o divórcio, também sem detalhes. Só as joias da família dele poderiam ser devolvidas, mas se vocês têm filha, converse com ele se gostaria que ficassem com ela. Se há bom relacionamento com a ex-sogra, a conversa pode ser com ela.

As últimas do Donna
Comente

Hot no Donna