Celia Ribeiro: As tias de Vinicius voltarão fim do mês

Elas as tias são personagens fictícias, que estão aguardando a visita de Vinicius de Moraes, em Porto Alegre, no palco do StudioClio. Após uma temporada de casa cheia, o coral Sem Contraindicação, regido pelo maestro uruguaio Pablo Trindade, 51 anos, responsável pelos arranjos das músicas de Vinicius, por roteiro teatral e direção do show, voltará ao Clio. Pablo mudou-se de Montevidéu para Porto Alegre com a família há 20 anos. Considera-se brasileiro, o que não negam a batida e o ritmo que dá no piano, com acompanhamento de violão, contrabaixo e percussão.

:: Veja outras colunas da Celia Ribeiro em Donna

Há 11 anos, Pablo rege este coral de 14 vozes femininas e quatro masculinas, que já se apresentou em Montevidéu e São Paulo. Os coralistas não usam as togas tradicionais. Com a partitura nas mãos, apresentam-se com traje urbano, revelando estilo próprio, algumas declamando também poesias de Vinicius. Eles ensaiam na casa de Maria de Lourdes Regina Pederneiras.

A posição de Maria de Lourdes no show – sentada ao centro da primeira fila no palco (foto acima) – deve-se ao registro de mezzo soprano, “passeando pelo grupo ainda como soprano e contralto”. Ela conheceu o coral, por recomendação de uma amiga, assistindo a um ensaio do grupo formado por médicos desejosos de cantar música popular brasileira, quatro deles ainda no coral. Maria de Lourdes adorou e pediu a Pablo que a incluísse no coral. Sem ser profissional, sabia cantar, tocar piano e violão.

Malu, seu apelido, recebeu educação musical desde criança, na casa da sua família na Rua Sofia Veloso. Sua avó materna chamava-se Boneca Regina, (Regina é sobrenome). Seu bisavô italiano, Giuseppe Regina, já era regente de orquestra quando veio para o Brasil. Além de professora, Boneca Regina fazia crítica musical como jornalista e costumava levar Malu, desde pequena, aos espetáculos. Muitos artistas cearam na casa da família depois dos recitais: do pianista Arthur Rubinstein à cantora Baby Consuelo.

Por toda essa vivência familiar, para Maria de Lourdes Regina Pederneiras estar no show é reviver um pouco daquele clima artístico com a sua filha Cynthia Flach, a “Florzinha”, também no coral.

** O coral apresenta-se no palco do StudioClio dias 26 e 27, às 21h. Em abril estará no festival Corearte, nas Ilhas Canárias, em Madri e Barcelona. O plano ainda inclui uma turnê pelo Brasil, passando por cidades gaúchas

celia

***

A palavra elegante para definir um chambre feminino é penhoar e está no Aurelião. Trata-se de um galicismo de pegnoir (pentear), que virou substantivo de uma peça íntima do trajar feminino urbano e festivo. Quando é de tecido transparente, faz conjunto sobre um vestido sob palavra. O penhoar atual pode ter também a linha do quimono. Já o trench coat (estilo Humphrey Bogart), tão usado pelos europeus e americanos como impermeável à chuva e à neve, surgiu de uma gabardine da marca londrina Burberry, usada pelos oficiais da I Guerra Mundial como capote.

***

Chanel tem inspirado muitas biografias, uma delas é Coco Chanel, do autor Marcel Haedrich, traduzida pela editora Rocco (1988) para o português. Há uma frase de Chanel que se estende a sua própria filosofia de vida: “Não sou mais a que fui; serei para sempre aquela em que me transformei, ou mesmo a que virei a ser”. Assim é também sua moda, seguindo um estilo confortável e chique em constante renovação, atualizada às mutações de uma nova mulher, para a qual ela própria foi exemplo de liberação. O livro pode ser encontrado nos sebos.

 chanel

 

Etiqueta na prática 

Envie sua pergunta para a Celia: contato@revistadonna.com

As novas famílias

“Meus filhos, teus filhos, nossos filhos.” Esta é a tendência mais atual entre os ex-casais no segundo ou no terceiro casamento. Houve um Natal na minha casa em que a avó me perguntou:

– Aquele ali também é meu bisneto?

– Não, mas quase. Ele é filho da ex-mulher do seu neto.

As separações se tornaram menos agressivas, e os ex-cônjuges têm consciência de que os filhos de uma primeira união serão sempre um elo entre eles – e esta ausência de tensões deixa as crianças mais tranquilas. Irmãos e meios-irmãos dão-se sempre bem, dependendo, é claro, de como a relação é tratada por madrastas e padrastos. Já vai longe a imagem da madrasta má de Branca de Neve.

 

Presente para os anfitriões

Um leitor pergunta se, ao ser convidado por um amigo que tem oficialmente um companheiro com quem reside, deve levar um presentinho também para este. O convidado age como em relação a um casal hétero, e o melhor nessas circunstâncias é levar uma garrafa de bebida de boa qualidade, que os dois possam desfrutar juntos. Bebidas e bombons são presentes adequados para reuniões de final de ano. Livros também são indicados, mas dá mais trabalho para escolher e deve-se conhecer bastante o gosto literário – se é que o tem – da pessoa a ser presenteada.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna