Claudia Laitano: famílias imperfeitas

Martha Medeiros está em férias e retorna na edição do dia 14 de dezembro.

A família patriarcal pai, mãe e filhos hierarquicamente enfileirados durou tanto tempo menos porque fosse perfeita do que porque não havia muitas alternativas à disposição. Toda a revolução provocada por mulheres e jovens insatisfeitos a partir dos anos 1960 brotou exatamente das muitas rachaduras desse modelo, baseado na milenar regra do manda mais quem pode mais.

Ser apenas dona de casa não era o negócio da China para a maior parte das mulheres, assim como obedecer pais e professores o tempo todo não combinava com a energia anárquica e contestadora dos adolescentes – e vamos combinar que sustentar a casa sozinho também não devia ser bolinho para nossos pais e avós. Ou seja: dependendo do grau de frustração envolvido, famílias em que tudo parecia andar conforme o figurino podiam ser muito infelizes e sufocantes.

:: Veja outras colunas de Claudia Laitano

Se essa fórmula mais ou menos convencional, testada durante muitas gerações antes da nossa, era um caldeirão de tensões mal resolvidas, os modelos que vieram depois obviamente não instalaram o paraíso sobre a Terra.

Há hoje, claro, mais liberdade para sair do script e inventar novos arranjos familiares, o que é uma novidade muito bem-vinda. Ninguém precisa ficar casado com a mesma pessoa durante 50 anos se não quiser, e filhos fazem sexo quando acham que estão prontos, inclusive dentro da casa dos pais e com a bênção deles – o que é bem melhor, e mais seguro, do que transar no banco de um fuca estacionado numa rua escura. Beleza. Mas a nova família tem lá seus problemas também, e não são poucos. A legislação que obriga os pais a compartilhar a guarda dos filhos depois da sepração endereça um deles: a dificuldade de conciliar os interesses (e mágoas) dos adultos com o que é melhor para as crianças.

Como muitas vezes acontece, esta é uma lei que chega para forçar um tipo de atitude (sensata, racional) que ainda não é a mais comum. Vai demorar algum tempo até que as varas de família fiquem vazias por ausência de tensão na hora do divórcio. A separação é um processo doloroso e difícil, e quem preferia não se separar se sente duplamente traído ao ser obrigado, além de tudo, a abrir mão de parte do tempo dos filhos. Nesses momentos, é preciso convocar todas as energias de bom senso disponíveis para fazer o que é certo e justo – se não para todos os adultos envolvidos, pelo menos para as crianças.

A harmonia ideal talvez não seja mais do que uma linha fictícia no horizonte, mas não podemos abrir mão do esforço de mirar na melhor versão possível de nós mesmos – e das nossas famílias também.

Leia mais
Comente

Hot no Donna