Claudia Tajes: Barriga de freira & outras levezas para 2017

Festinha improvisada de final de ano em pleno batente. A amiga afastou alguns papéis da mesa de trabalho e colocou ali uma embalagem enrolada em papel de seda. – Quem quer uma barriga de freira?

Barriga de freira, o doce português que parece uma meia-lua recheada com doce de ovos. Não morro de amores por doce de ovos, mas quem resiste a uma delicadeza chamada barriga de freira? Os dias
andavam tristes. Os efeitos do pacote do Exterminador da Serra já amarguravam as mais de mil famílias que serão atingidas pelo desemprego e a parte da sociedade que se importa com o investimento em
conhecimento e cultura. Mas o desencanto prostra a gente, há que se reagir. Nem que seja tentando achar graça nas coisas minúsculas.

Alguém explica por que o nome barriga de freira?

Alguém explica por que o nome barriga de freira?

A barriga de freira me levou a outros doces portugueses: brisa do Liz, travesseiro de Sintra, toucinho do céu, pastel de Belém, Marialva, pudim Abade de Priscos. O que me salvou de invadir uma confeitaria portuguesa foi que a grande maioria deles capricha no doce de ovos. E as ruas de Lisboa? Beco do
Carrasco, Rua da Triste-Feia, Pátio do Ferro de Engomar, Vila do Cabaço, Rua dos Bons Dias, Pátio da Mariana Vapor. Os olhos ficam mais leves só de ler esses nomes.

Que as boas coisas da cultura permaneçam

Que as boas coisas da cultura permaneçam

Bem verdade que todo lugar tem suas ruas poéticas – ainda que, às vezes, elas pareçam meio fora de contexto. O Rio de Janeiro tem a Graça & Paz e a Bondade, as duas no bairro da Paciência. E tantas outras, Rua da Chita, Rua dos Inválidos, Rua Chuva de Prata, Rua Branca de Neve. Já Porto Alegre
trocou os nomes ingênuos pela homenagem aos chamados grandes vultos – a maior parte deles, ilustres anônimos para quem passa. Nada contra os Andradas, mas Rua da Praia soa bem mais lírico. Sorte que
nos deixaram a Travessa dos Venezianos.

Porto Alegre sem filtro, mas com segurança em 2017

Porto Alegre sem filtro, mas com segurança em 2017

Há quem diga que 2017 será melhor. No que depender do cenário que está pintando, parece difícil de acreditar. O jeito, então, é se grudar nas alegrias mais humanas. Todo mundo com saúde – ou em tratamento, pelo menos. Salário, o direito que ninguém deveria tirar, pago em dia. O emprego mantido (tomara) ou o estágio recém-conquistado (tomara também). Alguém que ajude a gente a sair de um aperto financeiro (eu tive em 2016 e vai aqui o agradecimento). Um livro muito esperado que enfim
vai ser publicado. Nenhuma briga séria na família. Amigos que não se separaram. Um amor novo ou usado. O filho que nasce e o filho que cresce. Uma barriga de freira no meio da tarde. Coisas que podem deixar o ano mais leve, nem que seja da porta de casa para dentro. Boa sorte para nós.

Leia também
:: Claudia Tajes: Nunca houve uma mulher como Michelle
:: Claudia Tajes: Chá de sumiço

Leia mais
Comente

Hot no Donna