Claudia Tajes: Nomes aos bois

Onde o cliente não pede, manda
Onde o cliente não pede, manda

Como é difícil dar um nome. Para um filho, um livro, uma loja, um produto, um prédio, uma rua, um cachorro, um gato, um passarinho. Qualquer que seja o caso, batizar alguém, ou algo, é complicado. O nome, em tese, vai ficar para sempre. Se por algum motivo for mal escolhido, pode virar razão de chacota. Fazer seu dono passar vergonha. Causar transtornos, até. Impossível não pensar nisso cada vez que um líder de partido chamado Pauderney aparece vociferando na minha TV. Pauderney é dose.

Outras colunas da Claudia?
:: A cidade do horror

:: Sayonara, seu Tadao
:: Sugestões à la carte

Meu filho se chama Theo – para mim, desde sempre, um nome bonito. Mas há pouco tempo ele me disse: “Bonito agora. Há 20 anos não tinha nenhum Theo no colégio. Aguentei muito deboche. Naquela época, tudo o que eu queria era me chamar Guilherme”. Hoje muitos são os Theos. Em 2015, por exemplo, o nome estava em 16º lugar na preferência para registrar meninos no Brasil. Acho que o problema, se é que existiu, está resolvido. Ainda bem que não escolhi um nome mais pitoresco para o meu guri. Pauderney, por exemplo.

Será que precisa entrar vestido a caráter?

Será que precisa entrar vestido a caráter?

Hoje se admite que o nome mais tipicamente brasileiro que há é Maicon – em todas as suas grafias. Tem com “i”, com “y”, com “m” no final, apenas Maico, às vezes Maicow. Aquela ferramenta de busca de nomes que o IBGE lançou em maio com base no censo de 2010 é fascinante. Por ela, eu sei que existem 4.776 Theos no Brasil – devem ser mais até o fechamento desta edição. As Claudias são 358.175 – e devem ser menos até o fechamento, já que o meu, e o das minhas xarás, é um nome atualmente em desuso no país. Pode pesquisa aqui.

Onde o cliente não pede, manda

Onde o cliente não pede, manda

E os nomes comerciais? Não são poucas as barbaridades nas fachadas, nos anúncios, nas placas, nas paredes. Talvez a criatividade em excesso devesse ser punida com uma multa na Junta Comercial. Os nomes das franquias de depilação são campeões: Muito Pello Contrário, Pelo Sim Pelo Não, Pelos Melhor Não Tê-los – e por aí vai. Alguém já viu a embalagem de um pão de sanduíche chamado Peter Pão? Ou a churrascaria Boi Vivant? O pobre boi pode ser tudo, menos um boa-vida em uma churrascaria. As pet shops não ficam atrás e abusam dos trocadilhos: 18 Kilatem, Cão de Mel, Cãopacabana, Meu Cão é um Gato.

Não tem lugar como o Rio de Janeiro para batizar um pequeno comércio com criatividade. Na mesma e grande avenida, a Barata Ribeiro, em Copacabana, vizinham o Bar Bunda de Fora e a Madeiras Pau Mandado. Também já passei pela Pirigueti Modas – mas não entrei. Não faltam os que pegam carona na fama dos outros, como o mercadinho Carrefúlvio, as lanchonetes Habob’s e Pobr’s, o Senhor dos Pastéis. E os que batizam seu negócio com nomes de novelas de TV que nem o Canal Viva lembra mais? Lanches Te Contei?, Salão Sassaricando, Armarinho Guerra dos Sexos.

Bota criatividade nisso

Bota criatividade nisso

O trabalho que eu queria mesmo era o de dar nome para esmaltes. Embora, com o que já se encontra no mercado, tivesse que quebrar muito a cabeça para achar um inédito. Só para citar alguns: Possessão Rosa, Azulcrination, Nunca Fui Santa, Inveja Boa, Plano Perfeito. Um que eu jamais pediria no salão é o Me Belisca. Vai que a manicure entenda errado e decida atender o desejo da cliente. Como disse um rapaz a respeito da Lan House Fio Terra, em uma cidade perto de Belo Horizonte: prefiro passar a minha vez de jogar.

E a peça O lugar escuro, dirigida por Luciano Alabarse, volta em curta temporada no Instituto Goethe.
A partir do livro de Heloísa Seixas, que também adaptou o texto para o teatro, três gerações de mulheres de uma mesma família enfrentam as consequências do Mal de Alzheimer – que ataca a mais velha, mas altera a vida de todas elas. No palco, Sandra Dani é a avó, Vika Schabbach é a mãe e Gabriela Poester é a filha. De 14 a 24 de julho, de quinta a sábado, às 21h, e domingos, às 18h.

Na sessão do dia 14, a autora Heloísa Seixas vai conversar com o público logo após a apresentação. Programa na categoria imperdível com estrelinha.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna