Claudia Tajes: Premer para puxar parte

Para não deixar dúvidas – só as de português (Foto: João Marcelo Osório, especial)
Para não deixar dúvidas – só as de português (Foto: João Marcelo Osório, especial)

O elevador do prédio em que morei na infância tinha, ao lado do botão vermelho que disparava o alarme em caso de emergência (e onde a gente sentava o dedo sem emergência alguma, só para avacalhar mesmo), outro botão onde se lia: PREMER PARA PUXAR PARTE. O texto era escrito em caixa alta, sem vírgula ou ponto, palavra sobre palavra, um enigma a ser decifrado em cada subida e descida.

Muito mais tarde, alguém me solucionou o mistério. Premendo, isto é, apertando o botão, o elevador parava. Puxando o botão, o elevador partia. Dito assim parece barbada, mas foram anos e anos pensando naquela frase. Informação que não é clara de pouco adianta, essa é verdade. Ou quem não se comunica se trumbica, na síntese filosófica do Chacrinha.

O dia em que encontrei um bufê canibal (Imagem: João Marcelo Osório, especial)

O dia em que encontrei um bufê canibal (Foto: João Marcelo Osório, especial)

Mas alguns produtos que a gente vê por aí parecem ir na direção contrária a essa ideia. Ou então a tática deles é: se ninguém entender do que se trata, todo mundo vai achar que é bom. Um exemplo é o do sabão em pó com lipolase. Depois que foi lançado, nenhuma dona de casa se atreveu a lavar sem lipolase – muito menos eu. Mas só hoje me dignei a procurar o que é a tal lipolase. Para quem não sabe,
uma enzima com 269 aminoácidos. Agora tudo faz sentido.

E o que dizer de uma descoberta revolucionária para seus cabelos, o xampu com OFPMA? A embalagem é atraente e o produto, caro. A empresa que lançou está satisfeita com o desempenho, o diferencial OFPMA alavancou os resultados. O rótulo não explica do que se trata, mas a pesquisa esclarece: OFPMA é uma molécula que cria um escudo invisível ao redor de cada fio de cabelo, impedindo o frizz e repelindo a sujeira e o óleo. Dame dos.

Mais colunas da Claudia Tajes?
:: Uma meia verdade
:: Vem aí a cidade dos livros

A cera depilatória agora vem com Eugenol. Uma rápida ida ao Google, e fico sabendo que Eugenol é o óleo de cravo, antisséptico que age também contra náuseas, flatulência, indigestão e diarreia. O desodorante com Mineralite cuida melhor da sua axila. Salões de beleza oferecem relaxamento com Guanidina. A bermuda anticelulite tem biocerâmica com infravermelho longo. Para o que servem, nem desconfio.

Mas o que mais desafia o meu simplório entendimento são os produtos anticomedogênicos. Anticomedogênico é o creme que não causa acne. Dizer apenas “não causa acne” na embalagem não seria um argumento de vendas mais forte?

Premer para puxar parte. O mundo é mesmo um lugar enigmático.

Aceita mais sugestões para a Feira do Livro? (Imagens: Reprodução/Libretos)

Aceita mais sugestões para a Feira do Livro? (Imagens: Reprodução/Libretos)

E continuam os lançamentos pré-Feira do Livro. A força do tempo – Histórias de um repórter fotográfico brasileiro traz a obra – que é também a vida – de Kadão Chaves, que hoje assina a coluna Almanaque Gaúcho. Centenas de imagens em um volume caprichado da Quati Produções Editoriais com a Libretos Editora. Também da Libretos, O sargento, o marechal e o faquir, de Rafael Guimaraens, resgata o Caso das Mãos Amarradas em ritmo – quente – de romance político-policial. Sem esquecer que falta menos de uma semana para a Cíntia Moscovich assumir o patronato e tomar conta do campinho, digo, da praça.

Veja todas as colunas da Claudia Tajes para o Donna

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna