Claudia Tajes: um amor pode valer milhões

A garota e o gorila. Foto: Universal, divulgação
A garota e o gorila. Foto: Universal, divulgação

A notícia vem de Hollywood: a indústria internacional do cinema está pagando milhões de dólares para quem tiver uma ideia de inovação de par romântico. Por essa necessidade entenda-se a formação de uma dupla que não precisa ficar junta até que a morte a separe, mas que garanta duas horas de fortes emoções para o público. E o lucro mais reforçado ainda dos estúdios.

Pares pouco ortodoxos: uma mulher e um gorila. Uma gênia e seu amo. Uma feiticeira e um humano. Um homem e um robô. Um homem e uma secretária eletrônica. Uma mulher e um carro que faz tudo. Um homem e seu diabo da Tasmânia. Uma mulher e o Pokémon que ela capturou. Eu, que não estou em condições de desprezar alguns milhões de dólares, fiquei pensando em inovações românticas para apresentar em Hollywood, todas elas baseadas na vida real – que é onde, no fim das contas, o amor consegue ser mais original do que a imaginação dos roteiristas.

O adolescente e a calça de estimação. Depois de um dia longo em que não se separou dela nem na educação física, o rapaz dorme e deixa sua calça preferida no chão, ao lado da cama. Mas, quando a mãe dele, inimiga deste amor, começa a dar busca e apreensão no quarto para lavar o jeans que já vai sozinho para todos os lugares, o adolescente e a calça passam a deitar juntos todas as noites. É um escândalo na família. No final, o jeans se desmancha no corpo do rapaz, e ele veste uma bermuda comprida com a qual viverá feliz para sempre, inclusive nos invernos mais rigorosos, para desgosto da mãe.

A modelo e o brigadeiro. Esta é uma história de amor proibido. A jovem candidata a modelo de 16 anos ouviu dizer que só conseguirá fotos e desfiles se mantiver um corpo com gordura zero. Ela consegue resistir a todas as tentações, mas um dia, morta de fome, passa por um brigadeiro e não se controla. Leva-o para casa e protagoniza com ele cenas de luxúria que a deixarão culpada por muitos meses. Termina com a menina vencendo em Milão, mas sem esquecer jamais do brigadeiro que deu a ela os únicos instantes de verdadeira felicidade da sua sacrificada trajetória.

A publicitária e a Netflix. No começo, a jovem publicitária fica até tarde na agência de propaganda e trabalha todos os finais de semana sem reclamar. É assim que se ganha prêmio na minha área, ela diz para os amigos que não a compreendem. Tudo muda quando a garota assina a Netflix e fica obcecada para ver a maior quantidade possível de séries. Agora, ela corre para casa ao final do expediente e passa a noite em maratonas, não interessa do quê. Na manhã seguinte, chega atrasada e com ideias de propor superproduções futuristas para todos os clientes da agência, da farmácia à oficina mecânica. Em um momento particularmente tenso do filme, a jovem é chamada ao departamento pessoal por agredir um colega que ameaçou dar um spoiler. Precisará a publicitária cancelar a assinatura da Netflix se for demitida? Isso o público só descobrirá no segundo filme da franquia.

O gourmet e a panela. Quando o presenteou com uma panela de tecnologia máxima, a esposa queria apenas despertar o interesse do marido pela culinária – um ardil para dividir as tarefas que a sobrecarregavam. Mas tal como acontece nas histórias românticas mais clássicas, o marido se apaixonou pela panela assim que a tirou da embalagem. Trocou o quarto do casal pela cozinha. Comprou todas as panelas gourmet do mercado e mais facas, instrumentos, equipamentos e itens de colecionador. Para se vingar, a esposa arrumou um amante que só come Xis Coração. O marido sabe, mas não se importa. Está ocupado aprendendo a não desandar o suflê.

O sábio e o Facebook. Ele era apenas um assalariado, frustrado e sem amigos, quando Zuckerberg inventou o Facebook. A partir dali, o cidadão invisível ganha poderes de oráculo e passa a espalhar seu conhecimento – sobre todos os assuntos – pela rede social. Passa dias e noites grudado no computador. Na noite em que um temporal deixa toda a cidade sem internet, simula um ataque cardíaco para ser internado e usar o servidor do hospital. Faz transmissões ao vivo da CTI, aumenta seu número de seguidores e vira digital influencer. Um raro filme dos dias de hoje com final feliz.

Mais colunas da Claudia Tajes:

:: Claudia Tajes: Exame de sangue
:: Claudia Tajes: de quem era legal ser amigo
:: Claudia Tajes: Cinema em casa (literalmente)

 

Leia mais
Comente

Hot no Donna