Claudia Tajes: Para manter a eterna juventude do galã, carne fresca

Foto: AFP
Foto: AFP

Reportagem do El País, um dos bons sites para a gente se informar sem as fake news que são despejadas sobre o leitor a cada segundo: enquanto os atores que estrelam os filmes de ação envelhecem e continuam fazendo os mesmos papéis, suas companheiras nas telas vão mudando e mudando e mudando para ter sempre a mesma idade. O título da matéria, inclusive, é “O curioso caso da companheira do herói que nunca envelhece”.

“Tom Cruise voltou a entrar em cartaz aos 54 anos para fazer a mesma coisa que vem fazendo desde tempos imemoriais: correr como ninguém para salvar o mundo. Já Sofia Boutella e Annabelle Wallis, que o acompanham no elenco de A Múmia, são 20 e 22 anos respectivamente mais novas do que ele”, diz o El País. Se o sempre galã Tom Cruise já passou dos 50, suas parceiras no filme poderiam ser, quem sabe, Demi Moore e Sandra Bullock, para citar duas cinquentonas em ótima forma física com condições de acompanhar a correria dele. Mas certamente as razões do mercado pesam mais na hora de escolher as atrizes. Para manter a eterna juventude do galã, carne fresca. Nada a estranhar. Tem sido assim desde que Drácula se alimentava de jovens virgens.

A reportagem traz outros exemplos. Em mais uma saga da infindável série Transformers, Mark Wahlberg (46 anos) faz par romântico com Laura Haddock (30 anos). E já é lucro. No filme anterior, a companheira dele foi a atriz Nicola Peltz, então com 19 anos. Mais: “Léa Seydoux e Daniel Craig registram uma diferença de 16 anos no último James Bond. Tom Hanks tinha uma diferença de 20 anos em relação a Audrey Tatou quando O Código Da Vinci foi lançado. O ator filmou os dois filmes seguintes da franquia com 52 e 60 anos, acompanhado respectivamente por Ayelet Zurer (39) e Felicity Jones (33). A diferença entre os gêneros no cinema de super-heróis da Marvel nunca é inferior a 12 anos”.

Leia mais colunas de Claudia Tajes
:: Moda não é obrigação, roupa não define gênero 

:: Mãe sempre tende a imaginar o pior
:: De onde saíram tantos donos da verdade – e tão violentos?

Embora existam novos atores com tórax bem torneados e bíceps avantajados a cada esquina de Hollywood, os produtores preferem entregar os papéis principais para nomes já consagrados. Faz todo sentido quando a gente pensa nas bilheterias que eles atraem. Mas uma atriz de 42 anos como Charlize Theron, por exemplo, que faz filmes de ação a torto e a direito, não seria uma boa – e linda – companheira de cena para qualquer um desses galãs outonais? Ou Angelina Jolie, ou Marion Cottilard, ou Naomi Watts, ou Monica Bellucci, opções é que não faltam. O problema é que sobram anos vividos para elas.

Em 2005, a média de idade dos galãs que estrelavam filmes de ação era de 35 anos. Em 2015, 48 anos. Agora a média já ultrapassou os 50. O jornal The Hollywood Reporter deu um toque a respeito no artigo “Está na hora de Tom Cruise assumir a sua idade”: “Quanto mais Cruise procura permanecer jovem, mais evidente se torna a necessidade de passar a uma nova fase de sua carreira, de abraçar sua condição de adulto”. Não que a responsabilidade seja dele. Que ator vai recusar um cachezinho de US$ 20 milhões para atuar em uma bobagem que logo estará esquecida?

Talvez o exemplo mais famoso de ator que continua reinterpretando os papéis da juventude aos 74 anos, Harrison Ford volta a ser o policial Rick Deckard em Blade Runner 2049, estreia da semana em Porto Alegre. O papel de mocinho, desta vez, ficou com Ryan Gosling, o que, além de alegrar os olhos dxs espectadorxs, deverá poupar o nosso veterano de correr, pular, se atirar de um avião e de todas as coisas básicas da tarefa de herói. Fotos de Harrison e Ryan existem aos montes no material de divulgação. Já as atrizes pouco aparecem. De uma delas, Robin Wright, que na TV terminou a temporada de House of Cards como presidente interina dos Estados Unidos – e que nos bastidores também produz, escreve e dirige –, não se sabe nem qual é o papel. Robin tem 52 anos. Se foi contratada para par romântico do Harrison Ford, ainda assim é 24 anos mais moça. Uma coisa é certa. Sean Young, que interpretou a replicante por quem o policial Deckard se apaixonou no filme original, não deve ter sido sequer cogitada para esta continuação. Ela está com 57 anos. Na falta de um papel de mãe ou de tia, chama uma replicante mais moça. Isso é Hollywood.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna