Como lidar com a fase das mordidas das crianças

Foto: Pexels, reprodução
Foto: Pexels, reprodução

Seu filho com certeza já mordeu ou será alvo das mordidas na escola. Fato! E essa fase geralmente é um assunto que sempre causa desconforto. Os pais da criança que mordeu se sentem constrangidos e culpados, enquanto a família da criança que foi mordida se sente agredida e se questiona em relação aos cuidados que o filho está recebendo no ambiente escolar.

A psicóloga Solange Truda explica que, em primeiro lugar, é importante que se saiba que esse comportamento de morder faz parte do desenvolvimento e é normal até os três anos de idade e passa quando a criança adquire novas habilidades.

– O bebê entra em contato com o mundo através da boca. É seu modo de reconhecer objetos, experimentar, sentir, por isso sempre que se interessa por algo quer levar a boca. Também a utiliza para rejeitar ou aceitar alimentos, se comunicar, sorrir, chorar, balbuciar, etc.

As mordidas também são uma forma de comunicação e de se conhecer o outro. A princípio, as crianças não sabem avaliar as consequências de suas mordidas e nem a força que podem colocar. Muitas vezes, o ato de morder é um modo de estar perto do amigo que gostam ou de partilhar uma intimidade como comer alguma coisa gostosa.

Foto: Pexels, reprodução

Foto: Pexels, reprodução

– Nessa fase, a criança ainda está acostumada a ter seus desejos atendidos prontamente. Elas são egocêntricas e é muito comum demostrarem sua insatisfação através de mordidas ou empurrões enquanto não aprendem a falar direito. Dizemos que, enquanto a criança não tem domínio da linguagem oral, ela manifesta suas emoções através da linguagem corporal – explica a psicóloga.

Cada criança tem seu modo de reagir diante do que sente e do que acontece ao seu redor. Quando contrariadas ou nas disputas por brinquedos, alguns choram, outros esperam que um adulto ajude e outras reagem mais intensamente, batendo ou mordendo. É preciso ter calma quando acontecer este tipo de comportamento. Conversar com a criança, mostrar que dói. Com o tempo, conforme a criança vai aprendendo a se comunicar melhor através da linguagem, começa a trocar as mordidas pelas palavras, conseguindo, aos poucos, organizar e expressar seus sentimentos e insatisfações de outra maneira.

Mais colunas da Vanessa
5 dicas para não perder a paciência com seu filho

Dicas para preparar seus filhos desde cedo para fortalecer a autoconfiança
Os temidos dois anos: a fase de mudanças no comportamento das crianças

As últimas do Donna
Comente

Hot no Donna