Como se portar na hora das despedidas

A forma de dar adeus ou até breve depende do tipo de relação e da oportunidade

Celia Ribeiro
Celia Ribeiro Foto: Divulgação

A forma de dar adeus ou até breve depende do tipo de relação e da oportunidade. Assim é na vida social, onde sempre é melhor evitar uma despedida prolongada.

Ao dar o boa-noite aos anfitriões numa festa, é de bom tom dar uma palavra de agrado pelos bons momentos vividos na reunião por eles proporcionada, citando alguma peculiaridade na forma como receberam. No momento em que o convidado decide se retirar, não faz conversa comprida, junto da porta. O que faltou dizer poderá ser mencionado, no dia seguinte, ao telefone, agradecendo o convite. 

Quando se deseja sair mais cedo, é da boa educação dar uma justificativa, real ou não, à dona (o) da casa: “Uma pena, mas preciso ainda abraçar Fulano que está de aniversário” ou “…devo me levantar bem cedo amanhã”.

Na primeira vez que se vai a uma casa, não se fica até o final da reunião. O sinal para ir embora é a primeira manifestação de cansaço dos anfitriões.   

Costuma-se organizar jantares para amigos que vão residir em outra cidade ou deixar uma empresa. Importante é que os promotores da reunião ouçam o homenageado antes de compor a lista de convidados, para saber de quem ele gostaria de se despedir. Essa despedida pode ser também num restaurante por adesões (cada um paga sua despesa). É natural que essa pessoa receba presentes, que podem ser entregues antes ou depois da reunião. Ao se retirar da festa, deve-se agradecer o convite a quem a organizou e se abraça o homenageado.

Também ao fim de uma relação amorosa é preciso saber despedir-se com elegância. Tem acontecido de alguns casais que conseguem se separar sem perder a amizade um pelo outro reunirem os amigos mais chegados para despedirem-se da sua união com um jantar.

Ai! Esqueci a data!

Não lembrei o dia da festa de aniversário de uma amiga minha, a quem devo até favores. Telefonei me desculpando, mas continuo constrangida. Há alguma forma de melhorar esse mal-estar? ISABEL

–  Dar muitas voltas para desculpar-se, porque um convite foi esquecido, fica bem menos convincente do que lastimar a falta de memória. Gaguejar desculpas esfarrapadas chega a ser grosseiro. Você parece ter ter agido corretamente. Falta agora mandar flores com um cartão afetuoso e nem precisa mais mencionar seu esquecimento. Por isso todos devem ter uma agenda bem organizada, que, se não for aberta diariamente de nada vale.

Separando casais

Vamos festejar as nossas bodas de prata com um jantar para 50 convidados íntimos. Será num salão menor de um clube, com mesa principal e outras de quatro lugares. Os casais devem se sentar à mesma mesa ou posso separá-los? DIVA

– Se as mesas forem bem próximas, pode colocar marido e mulher em duas mesas separadas, uma ao lado da outra, mas noivos e recém-casados ficam juntos. Quanto aos anfitriões, para melhor atenderem seus amigos, também se sentam separados, bem próximos, eliminada a tal mesa principal. Antes da sobremesa, à hora dos brindes, eles levantam e ficam lado a lado.

>> Leia mais textos de Celia Ribeiro e outros colunistas de Donna

As últimas do Donna
Comente

Hot no Donna