Como tornar a chegada do bebê menos estressante para o pet | Vanessa Martini

(Monkey Business Images / Shutterstock)
(Monkey Business Images / Shutterstock)

De repente o cenário na casa começa a mudar. O que antes era apenas do bichinho começa a ganhar cores e objetos de um “novo morador”. E quando o bebê finalmente chega em casa, é normal o pet sentir ciúmes e preterido.

Quer ler outra coluna da Vanessa Martini?
Primeiro verão! Saiba os cuidados que você precisa ter com bebês na praia 

A chegada de um bebê pode despertar ciúmes no animal de estimação da família, ao sentir seu espaço invadido por um novo habitante que faz ruídos estranhos e ainda rouba a cena. Isso porque, nesse primeiro momento, ele ainda não sabe que pode ter recebido um parceiro de brincadeiras e doador de restos de bolachas, por exemplo.

Os donos devem estar atentos a alguns sinais que os bichinhos podem apresentar nessa situação como falta de apetite, depressão, medo, aumento da ansiedade ou ter comportamentos inapropriados, como urinar ou defecar fora do local habitual, roer móveis e objetos, ou, ainda, manifestar agressividade.

:: Pai inventa dispositivo que avisa quando bebês são esquecidos no banco traseiro do carro
:: Ice Pet: marca lança sorvete para cães e gatos
:: Eles também derretem: saiba como cuidar dos pets no calor
:: Choupette Lagerfeld, a gata mais famosa do mundo da moda, tem (muito) mais mordomia na vida do que você

O mais importante é não mudar a rotina do pet com a chegada do bebê. Se alguma alteração tiver que ser feita, que seja antes do nascimento, evitando o estresse e a associação do bebê a algo negativo. Assim, o segredo para ter sucesso na formação de uma nova amizade como desejamos é preciso ter paciência. E, caso o animal demonstre dificuldades na adaptação e sintomas de estresse, procure a ajuda de um veterinário.

As crianças que crescem com animais têm, comprovadamente, melhoria na sua coordenação motora, além de desenvolverem melhor a interatividade social.  A convivência entre eles é, portanto, muito benéfica e pode (e deve) ser incentivada, desde que o animal esteja vacinado, vermifugado e tenha assistência  veterinária, além de todo o cuidado com higiene, como banhos periódicos e unhas mantidas cortadas, especialmente no caso dos gatos.

Algumas dicas para a fase de adaptação:

1. Tentar, dentro do possível, manter as rotinas de passeio e exercício que seu cão/gato tinha antes;

2.  Ao iniciarem os passeios familiares, incluir o pet para que associe o bebê como parte de sua “manada” e se sinta bem e integrado;

3.  Dar petiscos, carinho e atenção na presença do bebê, para que ele associe esta presença a coisas boas;

4.  Reservar momentos do dia para brincadeiras e carinhos ao seu bichinho, evitando desvios de comportamento para chamar atenção;

5.  Evitar brincadeiras de arranhar e morder (já desde a descoberta da gestação);

6. Manter o contato entre o pet e o bebê somente quando estiverem sob a supervisão de um adulto, por mais tranquila que a situação pareça estar;

7.  Ainda na maternidade, envie uma meia ou fraldinha de pano usada pelo bebê para que seja iniciada a apresentação do novo integrante da família ao cão ou ao gato da casa;

8.  Ao retornar para casa, é preciso ser o mais natural possível e deixar que o animal se aproxime e cheire a criança, sob uma atenta supervisão.

Leia mais
Comente

Hot no Donna