#ConceiçãoEvaristonaABL: campanha apoia a Academia Brasileira de Letras ter sua primeira escritora negra

Foto: Divulgação/ Itaú Cultural
Foto: Divulgação/ Itaú Cultural

Um dos principais nomes da literatura afro-brasileira, com projeção internacional, Conceição Evaristo está prestes a confirmar sua candidatura para a Academia Brasileira de Letras (ABL). Há uma grande mobilização de apoio, incluindo campanhas na internet, para que a premiada escritora se torne primeira mulher negra a ocupar uma das cadeiras da ABL.

O Movimento NÓS criou um abaixo-assinado para pressionar a ABL (você pode assinar aqui), e a hashtag #ConceiçãoEvaristonaABL vem ganhando espaço. Mais: há um vídeo defendendo a candidatura de Conceição:

Junte-se a campanha #ConceicaoEvaristonaABL

A post shared by Instituto Maria e João Aleixo (@institutomariaejoaoaleixo) on

A trajetória de Conceição Evaristo

Mestre em Literatura Brasileira, Maria Conceição Evaristo de Brito, 71 anos, é militante do movimento negro, nascida de uma família pobre de Belo Horizonte – ela pagou os estudos com seu trabalho como doméstica. Publicou seu primeiro livro, Cadernos Negros, em 1990, seguindo de títulos como Ponciá Vicêncio (2003), de Becos da Memória (2006), Insubmissas Lágrimas de Mulheres (2011), Olhos d’Água (2014), que conquistou o prêmio Jabuti. Suas obras abordam temas como discriminação racial, de gênero e de classe. Atualmente, leciona na UFMG como professora visitante.

A autora acabou de ser anunciada como homenageada da Flica 2018. “Para mim é uma honra ser homenageada pela Flica, porque essa trajetória das mulheres negras na literatura, eu diria que foi até dolorosa. Então essa homenagem é uma referência a todas as mulheres, mulheres negras e todas que buscam esse caminho da literatura. Eu não nasci rodeada de livros. Nasci rodeada de palavras”, disse Conceição.

 

Foto de @mariposa_._amarilla

Uma publicação compartilhada por Conceição Evaristo (@conceicaoevaristooficial) em

Falta representatividade na ABL

Poucas mulheres já ocuparam cadeiras na ABL, nenhuma delas negra. Veja quem são as mulheres-membras atualmente da ABL: Ana Maria Machado (Cadeira 1); Rachel de Queiroz (Cadeira: 5); Dinah Silveira de Queiroz (Cadeira: 7); Cleonice Berardinelli (Cadeira: 8); Rosiska Darcy de Oliveira (Cadeira: 10); Lygia Fagundes Telles (Cadeira: 16); Zélia Gattai (Cadeira: 23) e Nélida Piñon (Cadeira: 30). Recentemente uma cadeira da Academia ficou vaga, em razão do falecimento de Nelson Pereira dos Santos.

Se depender do movimento negro, a cadeira 7 da ABL já é da Conceição Evaristo.

Leia mais:
:: Giovanna Ewbank desabafa sobre ausência de bonecas negras à venda em lojas
:: Saiba quem são as 13 mulheres negras na lista de pessoas mais influentes do mundo
:: Erika Januza revela já ter sido eliminada de concurso por ser negra
:
Opinião: mas por que uma negra não poderia representar o Rio Grande do Sul, afinal?

Leia mais
Comente

Hot no Donna