Luxo e glamour: a história do estilista Gianni Versace volta à cena com nova temporada de “American Crime Story”

(Foto: AFP)
(Foto: AFP)

A trajetória do estilista italiano Gianni Versace, um dos grandes ícones da moda mundial, volta à cena esta semana graças à aguardada estreia da segunda temporada de American Crime Story, que começa nesta quarta-feira (dia 17) no canal FX. Depois de The People v. O.J. Simpson, que recebeu nove prêmios Emmy, dois Globos de Ouro e cinco prêmios da crítica, a série ganha o desafio de traduzir, em 10 episódios, um crime que abalou a comunidade gay, o mundo da moda e tomou a mídia de assalto.

Assunto do momento, os atores da série ilustram a Entertaiment: Darrens Criss como o assassino, Édgar Ramirez, o mais perfeito Gianni, Penélope Cruz, como Donatella, e Ricky Martin, que interpreta o namorado do estilista, Antonio D'Amico

Os atores da série na capa da Entertaiment: Darrens Criss, como o assassino, Édgar Ramirez, o mais perfeito Gianni, Penélope Cruz, como Donatella, e Ricky Martin, que interpreta o namorado do estilista, Antonio D’Amico/Foto Reprodução

Em 1997, Versace foi morto a tiros na escadaria de sua mansão em Miami Beach em plena luz do dia. O responsável pelo crime, Andrew Cunanan, fazia a quinta e última vítima. Uma caçada histórica o colocou no topo da lista dos mais procurados pelo FBI, e, quase 21 anos depois, se transforma em obra de ficção pelas mãos do premiado Ryan Murphy.

Gianni do jeito que mais amava, entre roupas e mulheres perfeitas e luxuosas

Gianni do jeito que mais amava, entre roupas e mulheres luxuosas

As perspectivas quanto a The Assassination of Gianni Versace são excelentes. A história é repleta de clichês perfeitos para atrair a atenção do público e se criar um apimentado roteiro: assassino em série, dramas familiares, milionários, celebridades, supermodelos, consumo de drogas, sexo e obsessão midiática.

Embora a família de Versace repudie a série, deixando claro que é ficcional e se dizendo impressionada com o acesso que os produtores tiveram à antiga mansão do designer, a temporada anterior e o burburinho em torno dela já a fazem começar estelar. Discussões de veracidade à parte, a série traz à tona novamente o nome de Versace, inclusive para uma nova geração que pouco ouviu falar do criador de um império que segue influenciando a moda até hoje pelas mãos da irmã de Gianni, Donatella.

Com a irmã, Donatella

Gianni com a irmã, Donatella

Gianni foi um dos pioneiros a olhar para a cultura e a arte pop e a promover o elo entre moda e celebridades, sendo um dos grandes responsáveis pelo boom das supermodelos nos anos 1990, além de jogar holofotes sobre a moda italiana – e isso é um mérito eterno do estilista. Ele criou algumas das imagens mais icônicas da década de 1990, sempre ao lado de suas superparceiras, perfeitas traduções da mulher poderosa e sexy que Gianni sempre amou.

Na passarela, com Naomi e Christy

Na passarela, com Naomi e Christy

Giovanni Maria “Gianni” Versace nasceu em 1946 na Calábria, sul da Itália, onde cresceu com os irmãos, Santo e Donatella. Sua mãe, Francesca, era costureira e foi com quem Gianni aprendeu o ofício. Mas a simplicidade da infância não tem qualquer reflexo em suas criações. A estética da Versace se baseia na história da Grécia Antiga, na arquitetura e em Andy Warhol. A primeira coleção foi apresentada em Milão, em 1978, e já deixava claro outra característica primordial do selo, a sensualidade. Versace sempre criou roupas para celebrar as formas femininas – e hoje, sem dúvida, seria um dos favoritos das belas irmãs Kardashian.

Amigo das maiores estrelas da época, como Madonna, que foi, inclusive, sua garota propaganda

Amigo das maiores estrelas da época, como Madonna, que foi sua garota propaganda

Exuberante era a definição da mulher Versace – e milionária. Muito dourado, animal print, padronagens de impacto, decotes vertiginosos, recortes abusados, silhuetas marcadas, cores vibrantes e um logotipo de Medusa, o estilista nunca economizou no excesso, o que fez dele o favorito dos tapetes vermelhos, criando imagens que ganharam até verbete no Wikipédia, como quando vestiu a atriz Elizabeth Hurley com um modelo preto com as laterais presas apenas alfinetes na estreia de Quatro Casamentos e um Funeral em 1994 – Liz acompanhava o então marido, o ator Hugh Grant, mas foi ela que reverteu todas as atenções.

O vestido de Liz Hurley que virou verbete do wikpédia e tornou a atriz uma celebritie

O vestido de Liz Hurley que virou verbete do wikpédia e tornou a atriz uma celebritie

Dramático, seus desfiles eram verdadeiros shows. Enquanto os outros designers da época convocavam uma ou duas supermodelos (as que deram origem ao termo), Gianni chamava todas: Linda Evangelista, Cindy Crawford, Claudia Schiffer, Stephanie Seymour, Naomi Campbell, Christy Turlington. E fazia as modelos mais caras do mundo desfilarem deslumbrantes com suas roupas provocativas, cantando e até dançando.

A atriz Rene Russo, também amiga pessoal do estilista, fotografada por Avedon nos anos 1980

A atriz Rene Russo, também amiga pessoal do estilista, fotografada por Avedon nos anos 1980

As campanhas publicitárias eram tão perdulárias quanto seu estilo. Trabalhou com os melhores fotógrafos da época, como Irving Penn, Richard Avedon e Bruce Weber, que fotografaram Jerry Hall, Rene Russo, Jon Bon Jovi, Linda, Cindy, Christy, Naomi, Kate, Madonna, todos amigos pessoais de Versace, que sempre foi cercado de estrelas na profissão e na vida pessoal. Gianni foi um grande amante do luxo, da sensualidade e do glamour – e viveu isso em cada minuto de seus 51 anos.

Leia mais
:: Karl Lagerfeld e Donatella Versace: como a parceria com grandes estilistas transformaram a marca Riachuelo
:: Com Bella Hadid, modelos simulam orgasmo no comercial da nova bolsa da Versace
:: Madonna volta a ser musa da Versace aos 56 anos

Leia mais
Comente

Hot no Donna