Mariana Kalil: chefe ou líder?

Com mais de 15 anos de experiência na área de gestão de negócios, produtos e marketing de empresas nacionais e internacionais, vivência em start- ups e desenvolvimento de produtos inovadores, com passagem por gigantes como Itau, Hipercard, Home Away/ Alugue Temporada, Sulamerica, Manekineko entre tantos outros, Luciana Telles é uma profissional que merece meu respeito e atenção.

1
ELA FALA, EU ESCUTO

:: Veja outras colunas de Mari Kalil aqui no nosso site

Não só escuto como compartilho da maioria de suas opiniões e procuro colocar em prática seus ensinamentos.  Um deles – bastante pulsante nos dias de hoje – é a epidemia do mau humor corporativo. Um número cada vez maior de diretores, gestores e presidentes que se acham deuses supremos, impassíveis de erros, senhores da verdade única absoluta e universal.

2AMÉM, DONOS DA RAZÃO!

Seres cada vez menos preparados para as funções que assumem, que não confiam em sua equipe técnica e que creem que funcionários são iguais a biscoitos: vai um, vem dezoito.

3
ESTÃO SERVIDOS?

4NEM SÃO RECHEADOS…

Em uma pesquisa informal realizada por membros do LinkedIn, a resposta que mais aparece sobre o motivo que leva alguém a pedir demissão de uma empresa é por conta da gestão.

5DÁ PRA ACREDITAR?

6SIIIIM, MARIANA!

A falta de habilidade na condução e administração de crises faz com que os ambientes corporativos tornem- se salas de tortura. Funcionários chegam em casa exauridos emocionalmente, arrasados em sua autoestima e desestimulados profissionalmente.

7FALTA INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

Luciana conta que, numa pesquisa rápida entre amigos, observou que a maior parte de gestores sem inteligência emocional têm entre 30 e 45 anos.  Não sabem a diferença de autoritarismo para autoridade, poder para o respeito, liderar e gerir.  Desconhecem palavras e conceitos como coaching, feedback, gestão participativa, espírito de equipe.

8COISAS BÁSICAS

Ensina Luciana: ” A falta de preparo está em desconhecer que muito mais producente será um time em que o respeito, a cumplicidade e o senso de equipe serão matrizes da motivação em conjunto.  Todos remando numa mesma direção, com a mesma gana de vencer.  As vitórias passam a ser comemoradas por todos enquanto as derrotas passam a doer em todo o time, que faz com que todos se movimentam para tentar mudar essa realidade”.

9FALOU E DISSE!!!

Leia mais
Comente

Hot no Donna