Mariana Kalil: Melhores amigos

Foto: pexels
Foto: pexels

Jamais vivi sem cachorros na volta. Nasci em uma família de mãe cachorreira. Quando me entendi por gente, conheci a Tuca, a Cocker Spaniel da mãe. Quando a Tuca se foi, veio o Coni, o boxer tigrado. Quando completei 12 anos, minha mãe julgou que tinha idade suficiente para me tornar responsável por alguém. Atendeu meu pedido e desejo de anos: me deu um cachorro. O Snoopy, um Cocker Spaniel preto, foi o melhor amigo que tive em toda a adolescência e entrada na idade adulta. Tão, mas tão vital que dediquei a ele um capítulo inteiro do meu terceiro livro, “Tudo tem uma Primeira Vez”.

 

coluna1

Snoopy viveu bem vividos 13 anos. Um dia se foi. Difícil pensar em ter outro cachorro quando a gente perde alguém que é um pedaço de nós. O Snoopy era um pedaço de mim e até hoje tem seu espaço reservado em um cantinho do coração que é só dele. Só nosso. Dia desses, li um significado lindo dado à palavra saudade: “saudade é o amor que fica”. Snoopy foi transformado em saudade.

snoopy_hug_heart
O AMOR QUE FICOU

bento1124
FALA LOGO DE MIM

mana
BENTO É MUITO CONVENCIDO

Bento com seus 15 anos é parte integrante de outra fase da minha trajetória. Bento é minhas pernas, meus braços. Bento é meu coração, minha alma, minha vida. Bento e eu vivemos juntos deste que ele tinha um mês de idade. Como escrevi no título de um dos capítulos do meu segundo livro, “Vida Peregrina”, Bento é meu companheiro de jornada.

cachorro2

Bento me acompanhou a São Paulo, à Espanha, ao Rio de Janeiro, de volta a Porto Alegre. Bento experimentou junto comigo novos sabores, novas culturas. Dividimos a bonança e também a escassez. Sempre unidos, fiéis, amigos. Grandes confidências faço e sempre fiz ao pé do ouvido do Bento.

bento1124
TEM QUE ESTAR SESTEADO

Bento me surpreendeu ao receber de braços abertos a chegada da Papaqui. Uma chegada inesperada de uma cachorrinha abandonada que agradeço diariamente por ter entrado em nossas vidas. Papaqui comunica-se comigo com o olhar desde o primeiro dia que botou o pé nesta casa. A Gorda é a peça mais extraordinária que o destino poderia me pregar.

PAPAQUI
AMOR EM ESTADO PURO

Sei que quando perdemos nossos melhores amigos, a primeira reação é dizer que nunca mais teremos outro. Bobagem. Dia desses, postei a respeito no Instagram algo que faz todo o sentido.

coluna2

Abrir o coração e ceder espaço em nossas vidas para outras vidas, permitir que outros cães tenham o privilégio de ter um dono e um amigo – e conceder a nós mesmos a oportunidade de conviver e amar novamente um animal é uma bênção da qual não deveríamos nos privar. O amor, a amizade e os ensinamentos que eles proporcionam são infinitamente maiores do que qualquer dor dilacerante.

Leia também
:: Mariana Kalil: Viagem na janela
:: Mariana Kalil: Não falem por mim
:: Mariana Kalil: Suspiro, logo existo

Leia mais
Comente

Hot no Donna