Martha Medeiros: As coisas dão certo por fatores que estão totalmente ao nosso alcance

Ilustração: Edu Oliveira
Ilustração: Edu Oliveira

Duas pessoas. Ambas têm a mesma escolaridade. A mesma origem social. As mesmas oportunidades. Por que a vida é generosa com uma e fecha a cara para a outra? O destino e a sorte têm pouco a ver com isso.

O que tem a ver é o nosso comportamento. Coisas simples nas quais não prestamos atenção alguma. Coluna assumidamente autoajuda, aproveite a promoção.

Vou me demorar no que me parece mais importante: a forma com que cada um se comunica. A maioria dá o seu recado muito mal. Não estou me referindo apenas ao uso correto do português. A pessoa pode ser um acadêmico e, mesmo assim, ser um desastre ao transmitir o que pensa, o que deseja e quem é. Tampouco estou falando de sedução, xaveco. Estou falando de convocação para reuniões, convite para eventos, e-mails profissionais, bilhete para funcionários, mensagens de WhatsApp, postagens no perfil do Face, e, claro, as conversas, todas elas: presenciais, telefônicas, gravação de áudios. A gente simplesmente reluta em deixar as coisas esclarecidas, não dá a informação completa, não contextualiza. É tudo racionado, fragmentado, e a culpa nem é dos atuais vícios tecnológicos: ser preguiçoso na comunicação vem da pré-história. Sempre foi assim. As pessoas acreditam que as outras são adivinhas.
“Olá, desculpe o atraso da resposta, fim do ano desorganiza a gente, mas vamos em frente, queremos muito fechar um bate-papo com você. Pode ser dia 25 de maio?”

Exemplo que extraí da minha caixa de e-mails ontem, assinado por uma desconhecida. Fui checar na minha lista de excluídos se havia algum outro e-mail dela, pra tentar descobrir do que se tratava. Havia. De novembro, quando ela fez um convite em nome de uma empresa. Ressurgiu agora como se tivesse pedido licença para ir ao banheiro e voltado em 10 minutos.

Não, não posso dia 25, obrigada, fica pra próxima. Fazemos isso o tempo todo: não nos apresentamos direito, não retornamos contatos, não damos coordenadas, não cumprimos o que prometemos, não deixamos lembretes, não confirmamos presença, não explicamos nossos motivos, não avisamos cancelamentos, não falamos toda a verdade, não tiramos as dúvidas, não perguntamos, não respondemos. Parece tudo tão desnecessário. Aí o universo não coopera, e a gente não entende por quê.
Além de se comunicar bem, há outros três grandes facilitadores na vida, coisas que interferem no modo como as pessoas nos analisam e que garantem nossa credibilidade: ser pontual, ser responsável e ser autêntico – esta última, das coisas mais cativantes, pois rara. Se o Papa Francisco não é presunçoso, por que raios você seria?

É quase inacreditável: as coisas dão certo por fatores que estão totalmente ao nosso alcance.

• • •

Que tal ter aulas com uma das maiores escritoras do país? Cintia Moscovich começa na próxima segunda-feira uma nova turma da sua Oficina de Subtexto e ainda há vaga. Informações: oficinadosubtexto@gmail.com ou fone: 3346-6340.

Leia mais colunas da Martha:
:: Martha Medeiros: “Coisa” é a palavra mais poderosa da língua portuguesa
:: Sessão de autógrafos é um evento democrático
:: Só se escabela para parecer profundo quem não tem talento para ser simples

Leia mais
Comente

Hot no Donna