Martha Medeiros: Divagações sobre o amor

E então veio o julgamento sem dó: “Não sei o que ela viu nessa criatura”. Pobre da mulher. Não fazia nem 10 minutos que tinha apresentado o novo namorado e bastou se afastar dois passos para que as amigas, em assembleia, rejeitassem sua escolha.

O que ela havia visto naquele sujeito comum, altura mediana, rosto sem personalidade, um cara retraído e sem graça? A resposta não estava nele. Se olhassem para ela, saberiam.

Mais colunas da Martha Medeiros?
:: 24 horas sem carro

:: O dia em que sonhei ser vilã
:: Redondezas
:: Câmbio manual

Ela e seus olhos faiscantes, ela e seu sorriso tão largo que escapava por trás das orelhas, ela que parecia estar de sapatilhas dançando O Quebra-Nozes, ela que descobrira como renovar todo o colágeno da pele, ela que pela primeira vez usava um decote profundo. O que importava a retração aparente do sujeito? Estava tudo explicado.
Quando a gente diz “eu te amo” para alguém, está sonegando o resto da informação. “Eu te amo”, assim, resumido, dá a entender que amamos aquela pessoa apenas pelas qualidades que ela tem, mas não é assim que funciona. Quem tem uma coleção de defeitos também é amada, então a lógica acaba de se retirar deste debate. Não amamos o outro. Amamos o que o outro provoca em nós.

Se a declaração fosse completa, diríamos: te amo porque você acabou com a minha soberba, eu que tinha um discurso pronto sobre a superioridade dos solitários. Te amo porque sua entrada na minha vida me fez sentir com 10 anos menos. Te amo porque voltei a acreditar no meu potencial. Te amo porque descobri que posso ser divertida. Te amo porque me deu vontade de praticar esportes e mudar minha alimentação. Te amo porque nunca tinha encontrado alguém que me convencesse a dançar. Te amo porque eu jamais teria coragem de colocar um cachorro no meu apartamento não fosse seu atrevimento em me dar um. Te amo porque eu precisava renovar minhas lingeries. Te amo porque pela primeira vez estou pensando em me dar alta na terapia. Te amo porque me sinto desejada. Te amo porque consegui esquecer a minha ex. Te amo porque você me faz batalhar por projetos que eu já tinha desistido. Te amo porque passei a gostar dos meus seios.

Te amo porque enfrentei os meus medos. Te amo porque estou reconhecendo outra pessoa no espelho.

Ele? É só um homem gentil, simpático, que trabalha bastante e resmunga bastante também, que tem um pai botafoguense que nunca o perdoou por ser vascaíno e que já viveu dois amores que o deixaram mais preparado para tentar acertar no terceiro.

Ela? É só uma mulher atenciosa, discreta, às vezes um pouco insegura, que ainda sonha em ser alguma coisa além de bibliotecária e que anda cogitando ter um filho para se sentir mais completa.

Amor, pensando bem, é gratidão. Duas pessoas comuns tornando uma a outra especial.

:: Leia outras colunas de Martha Medeiros

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna