Piangers: Crime e castigo

Foto: Pixabay, Divulgação
Foto: Pixabay, Divulgação

Fiquei sem palavras quando me disseram que castigo era algo não recomendado para crianças. “Gente, eu preciso que as minhas filhas me obedeçam!”, foi o que eu pensei. O castigo é uma ótima forma de resolver tensões. Se a mais velha responde de forma mal-educada, perde o celular. Se a mais nova se recusa a tomar banho na hora certa, fica sem televisão. Com uma frase mágica, “vai ficar de castigo”, as meninas se ajeitavam e me obedeciam na hora. É ótimo! É prático! Por favor, não me tirem o castigo!
Já nos tiraram tantas coisas!

A palmada, as escolas focadas em conteúdo, os iPads, os desenhos nas manhãs da Globo. Não me tirem mais esta ferramenta para terceirizar a educação dos meus filhos e me abster da responsabilidade de conversar com eles. Por favor, não!

Leia outras colunas de Piangers
:: O corporativo venceu

:: Em algum lugar vocês dois ainda estão juntos
:: Olhinhos pidões e o valor das coisas

Foi mais ou menos o que senti quando me disseram que castigo é algo ruim para as crianças. Me explicaram calmamente que, quando castigamos uma criança, ela se comporta pelo motivo errado: em vez de entender o que fez de errado e nunca mais repetir, finge estar arrependida apenas para não ser mais castigada. E volta a fazer errado, porque acha que está certa. E, o pior, faz errado escondido, para não ser castigada.

Dureza, senhores. Estes cientistas que fazem pesquisas comportamentais com crianças estão aqui apenas para complicar nossas vidas. Isso é fato!

Fui posto à prova no domingo passado. A de cinco anos chorava porque um primo tinha pego sua bicicleta. Chorava indignada, alto, daqueles choros que constrangem os pais em público. Minha vontade era enfiar a menina no carro e deixá-la lá por cinco minutos (uma vez me disseram: “um minuto de castigo para cada ano de idade”). Resolvi ouvir os cientistas. Evitei o castigo. Fui até a menina chorona, me abaixei, ouvi o que ela tinha pra me dizer, expliquei que eu também ficaria muito irritado se fosse comigo. Ela se acalmou. Nos abraçamos. Disse que fosse até o primo explicar que a partir dali cada um brincaria por cinco minutos com a bicicleta. Um pouco pra cada um. Ficou tudo certo no final.

Criar filhos está cada vez mais complicado. Só não me digam que Peppa Pig faz mal, pelo amor de deus

 

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna