Piangers: O antissocial

Antissociais, como eu, são pessoas tremendamente desagradáveis que estão sempre tentando ficar em casa. O antissocial é um ser meio babaca, meio metido, que não é fã de festas de aniversário, de churrascos de família, de viagens em grupo, de restaurante lotado. Ele estará, sempre que possível, em casa, com roupas confortáveis, assistindo a seriados um atrás do outro, na frente do computador, ou, sei lá, fazendo qualquer outra coisa que ele considere melhor do que o contato com outros seres humanos. Aliás, não é da sua conta o que o antissocial faz em casa.

Outras colunas de Piangers?
:: Pai de selfie

:: Tempo perdido
:: Se tivermos sorte

O inverno é uma bênção para o antissocial. É a chance que temos para dar a desculpa do vento, da falta de casaco, da chuva fina. Outro triunfo do antissocial: filhos. Pequenas crianças são a desculpa perfeita para faltar a qualquer evento. “Não fui pois o bebê dormiu”, na verdade, significa: “Eu realmente não estava a fim de sair de casa”. Uma bochecha vermelha vira febre: “Não tenho como ir na festa”. Uma frente fria vira uma terrível possibilidade de resfriado. E assim faltamos em happy hours, em churrascos da firma, em festas de aniversário do vizinho.

O bloqueio do WhatsApp não preocupa o antissocial. Os grupos de WhatsApp do antissocial estavam todos no silencioso. Eventualmente, o antissocial interrompe o jogo de Candy Crush para dar uma olhada nas mensagens, pra quase sempre dar uma desculpa. “Não posso sair hoje à noite, tenho muito trabalho”, para então voltar pro jogo das balinhas. O antissocial fica apenas monitorando a vida dos outros pelas redes sociais e acreditando que aquela festa nem estava tão boa assim, aquele lugar tem um atendimento péssimo, que bom que foi bastante gente na casa da fulana, assim ela nem sentiu a minha falta.

Para aqueles amigos inconvenientes que não aceitam a ausência do antissocial, ele desenvolveu técnicas. “Confirmado!”, ele escreve, uma semana antes. “Estou me arrumando!”, ele escreve no dia. “Trânsito pesado!”, ele escreve, ainda no sofá, de pantufas. Então, coloca em modo avião e permanece inalcançável, enquanto assiste 20 episódios da sua série favorita.

Você pode achar o antissocial um metido. E ele é mesmo. O antissocial é tão metido que não suporta até mesmo a presença de outros antissociais. Festa boa, pro antissocial, é aquela em que todo mundo está no seu celular. Cinema bom é de manhã, sala vazia. Quando está namorando e ouve um: “Que tal ficar em casa?”, para o antissocial, soa como um pedido de casamento.

:: Leia outras colunas de Piangers

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna