8 mulheres que lutaram pela igualdade de direitos no Brasil

O caminho traçado pelas mulheres em busca de seus direitos, de seu espaço e reconhecimento, é marcado por personagens brasileiras nem um pouco fictícias. E como uma luta sem exemplos práticos perde força, elas foram em busca de seus desejos e construíram um legado capaz de influenciar nossas rotinas até hoje.

Conheça – ou saiba mais sobre – oito das mulheres mais poderosas da história das conquistas do gênero no Brasil.

Nísia Floresta

Nísia Floresta

Foto: reprodução

Tida como uma das primeiras feministas brasileiras, Dionísia Gonçalves Pinto utilizava o pseudônimo Nísia Floresta Brasileira Augusta para publicar artigos e poesias. Nascida no interior do Rio Grande do Norte em 1810, ela era também professora e tradutora. Foi umas das primeiras mulheres a publicar produções textuais em um jornal, dirigiu uma escola de meninas no Rio de Janeiro e escreveu livros, sendo um deles à favor dos direitos das mulheres, dos nativos e escravos. Nísia morreu em 1885, em Paris.

Bertha Lutz

Bertha Lutz

Foto: reprodução

Bertha Maria Júlia Lutz nasceu em São Paulo, em 1894, e traçou sua carreira pública como diplomata e política empenhada em movimentos como o Pan Americano Feminista e de Direitos Humanos. Em 1919, Berthe fundou a Liga Intelectual da Emancipação das Mulheres e representou o país no Conselho Internacional Feminino. Seu empenho e dedicação a tornaram uma das principais líderes da luta sufragista no país.

Celina Guimarães Viana

Celina Guimarães Viana Prefeitura de Mossoró, reprodução

Foto: reprodução

Celina, nascida em 1890, foi ferrenha ao defender o direito feminino ao voto e acabou se tornando a primeira mulher brasileira a votar, caso histórico ocorrido em Mossoró em 1928. Além de sufragista, a potiguar foi professora.

Pagu

Pagu

Foto: reprodução

Patrícia Rehder Galvão, nasceu em 1910 e atuou como escritora, poetisa, jornalista e tradutora. Conhecida como um dos nomes da Semana de 22 de São Paulo, foi a primeira mulher a ser presa por como militante política no Brasil.

Rose Marie Muraro

Rose Marie Muraro

Nascida no Rio de Janeiro, em 1930, Rose Marie atuou como socióloga e foi uma das pioneiras do movimento feminista no Brasil. Mesmo tendo vivido ao longo de toda sua vida praticamente cega, a carioca escreveu mais de 40 livros, entre eles muitos questionavam a mudança dos valores sociais modernos.

Leila Diniz

Leila Diniz, 1971David Drew ZinggRealidade 61

Leila Diniz, em 1971 | Foto: David Drew Zingg, para revista Realidade

A tão comentada atriz brasileira Leila Diniz levou ao cenário televisivo e teatral de sua época atitudes e concepções sobre sexo que desagradaram não somente o governo militar, mas também muitas mulheres. Tida como uma das principais vozes da quebra de barreiras de gênero na produção artística, Leila faleceu em 1972.

Maria da Penha

Maria da penha

Vítima de violência doméstica, a cearense Maria da Penha, de 71 anos, tomou seu caso como inspiração e, em 2006, viu seu nome dar título à lei que condena severamente agressores.

Juliana de Faria

Juliana de Faria

Em 2013, a jornalista Juliana de Faria fundou o Think Olga, um projeto feminista que fomenta discussões de diversos ângulos da nova geração de mulheres no brasileiras. Eleita uma das oito mulheres mais inspiradoras do mundo pela Clinton Foundation, é também autora das campanhas Chega de Fiu Fiu e #PrimeiroAssédio.

Leia mais
:: Dia Internacional da Mulher: o que as mulheres querem e pelo o que elas lutam neste 8 de março
:: 8 formas de apoiar a greve de 8 de março (mesmo se você não pode fazer greve)
:: 503 casos por hora: a violência contra mulheres no Brasil

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna