Caso Valéria Santos: revolta com tratamento dado a advogada negra gera debate sobre gênero e racismo

Foto: Divulgação/OAB-RJ
Foto: Divulgação/OAB-RJ

O caso da advogada Valéria Santos, algemada e presa durante uma audiência no 3˚Juizado Especial Criminal em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, gerou grande repercussão nos últimos dois dias. O tratamento dado a defensora levantou debates sobre questões de gênero e racismo.

O episódio ocorreu na tarde segunda-feira, 10, quando Valéria atuava na defesa de uma ré. A advogada queria ter sua demanda a favor da cliente apreciada e disse que não iria se retirar enquanto isso não acontecesse. No entanto, a juíza leiga (considerada juíza auxiliar) Ethel de Vasconcelos resolveu dar a sessão como encerrada, antes de ouvir a defesa.

Valéria mostrou-se indignada. Ela e a juíza discutiram e a juíza chamou os policiais militares. Valéria acabou detida após se negar a sair do local.

Alguns vídeos foram gravados no momento em que a mulher foi algemada e levada da sala de audiência, e publicados nas redes sociais. Ela, inclusive, é arrastada no chão.

“Eu não vou sair eu estou no meu direito, eu estou trabalhando. Eu não estou roubando, não estou fazendo nada não. Estou trabalhando!”, dizia a defensora.

Houve várias manifestações sobre o caso nas redes sociais, com as hashtags #todasporvaleria, #CampanhaDeMulher e #mexeucomumamexeucomtodas, usadas em demonstração de apoio a Valéria.

No Twitter, Camila Pitanga transcreveu as palavras da advogada durante a audiência.

“ABSURDO!!! Valéria, mulher, advogada, negra, foi algemada no Juizado Especial de Duque de Caxias no Rio de Janeiro porque insistia em ter acesso à contestação de um processo. ALGEMADA no chão ao fazer seu trabalho. A OAB-Rio interveio e ela já foi solta, mas a indignação e vergonha continuam”, escreveu a atriz Fernanda Paes Leme no Instagram.

“É assim que funciona o racismo na sociedade brasileira e é por isso que devemos eleger mais mulheres NEGRAS – cenas como essa não devem ser normais”, disse a também atriz Leandra Leal.

“É dessa forma que o racismo nos mata, cala e fere todos os dias. Você não está sozinha, Valéria!!!”, publicou a cantora IZA.

A funkeira Ludmilla citou a cantora Elza Soares em sua mensagem. “Acontece comigo, com milhares de negras e negros no mundo inteiro e ontem aconteceu aqui na minha Duque de Caxias com a advogada Valéria dos Santos”, legendou, usando a mesma imagem. Ela publicou um dos vídeos do caso.

Após a confusão, a advogada chegou a ser levada para a delegacia de Duque de Caxias e só foi libertada com a chegada de um representante da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), que mandou retirar as algemas de Valéria. A OAB-RJ já afirmou que vai pedir o afastamento da juíza e dos dois policiais que aparecem nas imagens.

Leia mais:
:: Influenciadora gaúcha viraliza com vídeo impactante sobre caso Tatiane Spitzner: “A gente não pode mais ficar quieta”
:: #GordofobiaMédica: mulheres relatam casos assustadores de preconceito nos consultórios e pedem respeito e dignidade

:: Caso de novela: cor da pele e roupas definem caráter e conduta de alguém?
:: #EuTambém: para denunciar casos de assédio, mulheres criam novo movimento nas redes sociais
:: 503 casos por hora: a violência contra mulheres no Brasil

Leia mais
Comente

Hot no Donna