Desprincesamento no RS: oficinas para formar meninas empoderadas estão previstas para janeiro

Oficina de desprincesamento no Chile (Foto: Reprodução)
Oficina de desprincesamento no Chile (Foto: Reprodução)

Uma escola itinerante para promover a igualdade de gêneros e o empoderamento infanto juvenil promoverá oficinas no Rio Grande do Sul em janeiro. A versão gaúcha da Escola de Desprincesamento é inspirada em um modelo chileno de oficinas para ajudar na formação de meninas livres e empoderadas e fazer com que elas desapeguem de noções sexistas às quais costumam ser submetidas.

Uma iniciativa semelhante já foi colocada em prática este mês, em São Paulo. No Rio Grande do Sul, as oficinas ocorrerão em São Leopoldo, Novo Hamburgo e Canoas. A ideia é que novos módulos sejam desenvolvidos ao longo do ano em outras cidades do Estado, adianta a educadora em sexualidade Lisiara Rocha, de Dois Irmãos, que está à frente do projeto.

Ela explica que cada oficina terá quatro encontros — um com os pais e três com as meninas —, voltados a garotas dos nove aos 15 anos. A inscrição custará R$ 100 e as atividades incluem um comparativo da percepção delas entre o que é ser menina e o que é ser princesa, além de questões sobre igualdade de gênero.

— Explicamos que é preciso desconstruir alguns conceitos para que elas consigam se empoderar. Também trabalhamos os mitos da beleza, do amor romântico e os estereótipos de brinquedos de meninos e de meninas. Na última etapa, abordamos a autoimagem e o auto cuidado e prevenção à violência física e sexual. O encerramento é um compartivo de como elas percebiam o papel delas como meninas quando começaram a oficina e no final das atividades — afirma Lisiara.

A educadora, que também é terapeuta sexual na saúde e educação e coordenadora regional da Associação Brasileira do Profissionais de Saúde, Educação e Terapia Sexual (Abrasex), recebeu, junto a uma turma de 40 brasileiros, um treinamento online do Escritório de Proteção de Direitos da Infância, responsável pela Escola de Desprincesamento em Iquique, no Chile.

O debate sobre estereótipos de gênero foi reaberto em novembro, como o anúncio da abertura de mais uma sede da franquia de Escola de Princesas, em São Paulo, motivando que iniciativas promovendo o “desprincesamento”  ganhassem repercussão

— A iniciativa é nova e tem causado estranheza em algumas pessoas por acreditarem que o conceito de desprincesamento é ser contra as princesas, o que não é verdade. Queremos que as meninas saibam que elas podem ser mais que princesas, que elas possuem inúmeras possibilidades de ser. E isso deve se estender aos meninos também, pois nenhuma atividade deve ser limitada ao gênero — explica Lisiara.

Veja os locais e datas das oficinas no Estado

Canoas
16/01 — Encontro com os pais das 20h às 20h45
17/01 a 19/01 — Oficina com as meninas das 13h10 às 18h
Local: Estética Lakshmi (Rua Tamoio, 1.207, Niterói)

Novo Hamburgo
23/01 — Encontro com os pais das 20h às 20h45
24/01 a 26/01 — Oficina com as meninas das 13h10 às 18h
Local: Espaço Corpo e Mente (Rua 25 de Julho, 292, Centro)

São Leopoldo
06/02 — Encontro com os pais das 20h às 20h45
07/02 a 09/02 — Oficina com as meninas das 13h10 às 18h
Local: Espaço Terapêutico Maktub (Rua São Pedro, 1.058, Centro)

Leia mais
:: Desprincesamento: oficina propõe repensar as noções de gênero a garotas de nove a 15 anos
:: “Bela, recatada e do lar”: por que a expressão gerou tanta polêmica nas redes sociais?

Leia mais
Comente

Hot no Donna