#ElesPorElas: Camila Pitanga, Sheron Menezzes, Preta Gil e Lea T protagonizam campanha da ONU contra machismo

Quantos preconceitos uma mulher precisa superar ao longo da vida? É com esse questionamento que a atriz Camila Pitanga abre um dos vídeos da nova fase da campanha #ElesPorElas, versão nacional do movimento #HeForShe, capitaneado pela ONU. Resgatando casos como o preconceito no ponto de ônibus, a diferença de salários e os machismos disfarçados de piada do dia a dia, a embaixadora da ONU Mulheres no Brasil pede pela igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres. Transfobia, gordofobia e diferentes formas de violência e privilégios também são abordados na campanha.

Leia mais
:: Igualdade de gêneros: campanha mundial #elesporelas terá representação no RS
:: Campanha #heforshe é lançada no Brasil pela ONU Mulheres em parceria com o GNT

:: Emma Watson lança campanha da ONU em favor do feminismo e sofre ameaças por seu discurso

“Ser mulher me ensinou a ser forte. Sou mãe, sou filha. Não sou morena nem mulata, sou negra. Quer saber mais o que eu sou? Sou uma mulher orgulhosa de poder lutar por tudo isso. E vocês, homens, lutam comigo?”, convida a atriz. Assista ao vídeo:

 

Além de Camila, quem também participa da #ElesPorElas é a atriz gaúcha Sheron Menezzes, que fala sobre os ataques racistas que sofreu nas redes sociais. Confira abaixo:

 

A modelo Lea T fala sobre o preconceito com as transexuais.”Se uma mulher já sofre preconceito, imagina quem precisa lutar para ser reconhecida como mulher?”, questiona.

 

Já a cantora Preta Gil aborda, além do racismo, o preconceito por ser gorda e namorar um homem mais jovem.

 

Ao site da ONU Mulheres, a representante do órgão no Brasil, Nadine Gasman, conta que o objetivo foi trazer depoimentos reais de quem viveu preconceito no dia a dia.

— Nessa campanha, quisemos ir além de informar sobre a importância de viver livre de preconceitos, de conquistar a igualdade de gênero e garantir os direitos das mulheres e meninas. Cada personagem dessa campanha dá depoimentos reais e sinceros sobre o que vivem (e vivemos) e por que é importante fazer parte desse movimento para mudar a nossa realidade de machismo, racismo, sexismo e homofobia. Em cada uma dessas histórias, nós imediatamente identificamos a forte presença e as graves consequências do preconceito na nossa cultura, e é por isso que nos tocam tão profundamente. Sabemos que um lugar onde as mulheres usufruem de seus direitos é um lugar onde todas as pessoas usufruem de seus direitos. A nova campanha mostra exatamente isso: que o movimento HeForShe é um movimento de todos e todas nós, para todos e todas nós — explica.

Veja também
:: Episódios como o estupro coletivo provocam discussão sobre assédio e machismo também entre os homens
:: Mulheres se unem em luta contra o estupro e protestam nas redes sociais

:: Pesquisa da ONU Mulheres aponta que 81% dos homens consideram o Brasil um país machista

Produzida pela Heads Propaganda em parceria com a ONU Mulheres, a campanha traz dez personalidades brasileiras. Bruno Gagliasso, Mateus Solano, Marcelo D2, Amanda Nunes, Anselmo Vasconcelos e Erico Brás também estão no projeto, que marca os 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres.

Lançado em 2014 pelo secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, e pela Embaixadora da Boa Vontade da ONU Mulheres, Emma Watson, o movimento #HeForShe é uma tentativa de engajar homens na luta pela igualdade de gênero. Funciona assim: sensibilizados pela necessidade de promover os direitos das mulheres, os homens assinam um documento virtual, registrando seu apoio à causa. Assim, com o volume de assinaturas, o tema ganha cada vez mais debate – o que resulta em ações concretas. Para assinar a petição e saber mais sobre o #ElesPorElas, clique aqui.

Leia mais
:: Não depilação: Mulheres questionam padrões de beleza ao abandonar a depilação
:: “Bela, recatada e do lar”: por que a expressão gerou tanta polêmica nas redes sociais?

:: Não é só pelo shortinho: como o feminismo vem conquistando espaço entre as adolescentes
:: Movimento “Vamos Juntas?” vira livro com depoimentos sobre assédio e lições de sororidade
::  O problema das cantadas: por que o assédio verbal não é levado a sério?

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna