Mulher só trai quando está insatisfeita? Há mais traições no fim ou no início do namoro? Teste o que você sabe sobre infidelidade

Fotos: Diego Vara
Fotos: Diego Vara

Por ser mais especulada do que estudada, a infidelidade é um tema cercado de máximas que não necessariamente se revelam verdadeiras na frieza dos números.

Confira algumas afirmações e confira, depois, no final da reportagem (após a foto), as respostas e descubra se são mitos ou verdades.

Exclusivo | Dossiê da infidelidade: os motivos que levam homens e mulheres a trair

1) Quando está satisfeita com seu parceiro, a mulher não trai. Já o homem é indiferente a isso, levando a crer que trair é da sua natureza ou então fruto de uma sociedade mais condescendente com a traição masculina.

(_) Mito     (_)Verdade

2) Traições acontecem mais entre casais sem filhos, quando eles ainda não têm certeza que encontraram a pessoa certa para constituir família. Com a chegada dos filhos, o amor e a responsabilidade crescem, e a chance de infidelidade diminui consideravelmente.

(_) Mito       (_)Verdade

3) O ambiente profissional é fértil para traições. Viagens a trabalho e o comportamento dos colegas influenciam uns aos outros. E a consolidação da mulher no mercado, nas últimas décadas, fez com que ela se inserisse também nesta prática.

(_) Mito      (_)Verdade

4) Há um período crítico para a infidelidade: assim que passa o início do relacionamento, quando o furor da paixão inicial entre o casal diminui. No entanto, quando o relacionamento se alonga e o casal permanece junto, a chance de infidelidade diminui consideravelmente.

(_) Mito     (_)Verdade

5) Muitos traem por não terem a perfeita noção do trauma de um episódio assim no seio da sua família. Por isso que filhos que vivenciaram um caso de traição entre o pai e a mãe são menos propensos à infidelidade. Por não quererem algo semelhante para si.

(_) Mito    (_)Verdade

PRODUÇÃO DE MODA E STYLING: Ana Carrard. FOTOS :Diego Vara. BELEZA: Rodrigo Paim (Sevilha Bordini). MODELOS Carolina Silvestre (Única Atores e Elenco) e Rafael Albuquerque (Ford Models Sul)

PRODUÇÃO DE MODA E STYLING: Ana Carrard. FOTOS :Diego Vara. BELEZA: Rodrigo Paim (Sevilha Bordini). MODELOS Carolina Silvestre (Única Atores e Elenco) e Rafael Albuquerque (Ford Models Sul)

Leia também
:: Sem inibição nem rotina: a sex coach Tatiana Presser ensina como ter uma vida sexual mais feliz
:: Dia dos Solteiros: listamos o lado bom e o ruim de não estar em um relacionamento
:: Como você escolhe seu par ideal: especialistas explicam as leis da atração

RESPOSTAS:
1. Mito: Homens e mulheres traem em proporções bastante semelhantes. E têm igualmente causas múltiplas em ambos os sexos. A insatisfação com o parceiro e com a relação é a principal causa, sim, para 29,9% das mulheres, mas tanto homens (54,2%) quanto mulheres (42,4%) atribuem episódios de infidelidade mais a motivos pessoais diversos, como desejo ou atração por outra pessoa ou busca de liberdade e valorização.

2. Mito: Há poucos fatores externos ao relacionamento em que se verificou uma correlação com a infidelidade, mas a presença de filhos é um deles. Enquanto 60,4% dos homens e 63,4% das mulheres infiéis tinham filhos, este percentual foi de cerca de 50% entre homens e mulheres fiéis. As causas especuladas são os conflitos gerados pelos filhos, a perda de intimidade do casal e a relação entre a presença de filhos e a manutenção de casamentos em que os pais estão infelizes.

3. Verdade: Tanto homens quanto mulheres traem mais se os colegas de trabalho também traem. Diferentemente do homem, em que a correlação não se verifica, mulheres traem duas vezes mais se trabalham fora de casa e significativamente menos se trabalham só com pessoas do mesmo sexo (reduz a chance de trair em 54%). Para o homem, a diferença entre viajar muito a trabalho (uma vez por mês ou mais) ou pouco (pelo menos uma vez a cada seis meses) reduz a chance de infidelidade em até 74%. Homens cuja parceira viaja pelo menos uma vez ao mês têm 15 vezes mais chance de serem infiéis.

4. Verdade: O episódio de infidelidade entre um casal ocorre, em 29,2% dos casos, no primeiro ano de relacionamento. Mas há um período ainda mais crítico, que é entre o segundo e o quinto ano, quando ocorrem mais de um terço dos primeiros episódios de traição (36,7%). Depois desse tempo, a chance de trair pela primeira vez cai para 13,7% entre o sexto e o décimo ano, 9,3% deste até o décimo quinto e de 11% a partir deste.

5. Mito: A infidelidade é um fenômeno transgeracional. Psicanalistas atribuem isso ao princípio freudiano da “compulsão à repetição”, a tendência a repetir a forma como nossos pais lidaram com os seus problemas, ainda que equivocadas. Na pesquisa, o fato de o pai não ter traído a mãe apareceu como um preditor capaz de reduzir a chance de infidelidade em 61% para mulheres e em 66% para homens.

As respostas do quiz são baseadas nas conclusões na pesquisa de doutorado da psicóloga gaúcha Patricia Scheeren intitulada Comportamentos de infidelidade em homens e mulheres e realizada por meio do Núcleo de Pesquisa Dinâmica das Relações Familiares da UFRGS.

Leia também
:: Aquecimento no sexo: por que as preliminares são diferentes para homens e mulheres
:: AstroMatch! Brasileira cria aplicativo de relacionamento baseado nos signos
:: Da primeira selfie à mudança de status: 12 novos ritos dos relacionamentos

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna