Dia da Felicidade: conheça 9 hábitos de pessoas felizes

Divulgação
Divulgação

Existe dia e hora para ser feliz? Lógico que não, mas datas, sim, existem para tudo. Neste 20 de março, é comemorado o Dia Internacional da Felicidade. Diversos pesquisadores se dedicam a descobrir qual a base do comportamento de pessoas consideradas mais felizes. Por mais que a questão física e genética possa influenciar, existem posturas práticas e hábitos que quando desenvolvidos constantemente fortalecem o “músculo” da felicidade. Convidamos psicólogos e coaches para ajudar a destrinchar o assunto e dar dicas práticas para você.

Por Semadar Marques, palestrante e escritora:

“Cientistas mapearam alguns perfis e chegaram à conclusão de que pessoas que produziam altas doses níveis de endorfina, oxitocina, dopamina e serotonina – hormônios que quando liberados trazem sensação de bem-estar e felicidade – costumavam admitir seus medos e dificuldades e também falar sobre eles. Isso as ajudava a superar os problemas e a colocar uma boa dose de desafio em seu dia a dia. Ajuda também a entender mais sobre si mesmo e a aceitar suas próprias emoções, sem cobranças exageradas.

Na prática:

1 Permita-se sentir raiva, mas não será preciso bater em ninguém neste momento de fúria.
Que tal ir à academia descarregar em uma aula de lutas, por exemplo? Com isso, estará direcionando a energia produzida pelas diversas emoções negativas de forma produtiva.

2 Pessoas felizes também desenvolvem laços de confiança, ou seja, têm ligações e relacionamentos saudáveis, com pessoas em quem confiam e que também podem confiar.
Trata-se da construção diária que se dá no empenho em ouvir com empatia o outro, não julgando nem diminuindo o que ele sente e, assim, abrindo espaço para que isso seja recíproco. Oferecer apoio e acolhimento e saber que pode contar também em momentos difíceis é um dos pilares para uma vida confiante e segura, e consequentemente mais feliz.

3 Busque crescimento e autossuperação
Isso diz muito sobre o que você pensa sobre si. Se você busca melhorar, seja externa ou internamente, isso significa que acredita que é capaz de ir em frente e impor a si desafios que o façam ser melhor de alguma forma. Quem não acredita que possa mudar foge destes desafios e acaba não focando na próprias capacidades e as atrofiando de alguma forma. Isso traz angústia, medo e uma tremenda ansiedade, afastando de verdade da felicidade.”

smilies-bank-sit-rest-160739


Por Luciane Rombaldi David, psicóloga clínica:

“Pessoas felizes são aquelas empoderadas de si mesmas, o que só é possível a partir do autoconhecimento. A busca da felicidade pode estar em detectar seus potenciais e buscar aperfeiçoá-los, reconhecer seus próprios limites e dividir tarefas do dia a dia com outras pessoas, por exemplo, abrindo mão do ideal de ser uma supermulher que dá conta de tudo sozinha.

Na prática:

4 É essencial conseguir dizer não para os outros.
Não se deixe atropelar pelo desejo alheio e nem coloque a expectativa da própria felicidade no outro.

5 Tire um tempo pra si mesma, para se curtir e buscar o que lhe dá prazer.
Parar um instante para respirar, para se conectar com as coisas e as pessoas que fazem sentido, e também se permitir desconectar.

6 Faça o exercício de não comparar sua vida com a vida dos seus amigos.
Vive comparando com o que vê postadas nas redes sociais? Pesquisas mostram o quanto isto é maléfico para a auto-estima. Por fim, cuide do corpo e da mente, busque algo no que acreditar e cerque-se daqueles que lhe fazem bem.”

pexels-photo-320007

Por Arieli de Freitas Groff, psicóloga e coach de vida e carreira:

“A felicidade passou a ser buscada como ‘a’ coisa, uma única linha de chegada que ao se cruzar se estará protegido para todo sempre, “pronto, venci, encontrei a felicidade, estou salvo! Ao mesmo tempo, percebo que na verdade o que virou moda foi perseguir a felicidade, e não encontrar… Estudos já mostram que o que determina nossa felicidade não é o que nos acontece, mas como percebemos e interpretamos o que ocorre em nossas vidas.
A neurociência vem elucidando o quanto ser feliz é hábito, fomentado por práticas que podem alterar nossa estrutura cerebral de forma definitiva, ativando áreas do cérebro responsáveis por percebermos acontecimentos de forma positiva ou negativa. Nosso cérebro foi evolutivamente programado para reconhecer perigos, ameaças e o que não dá certo, ou era assim ou não se sobrevivia em outros tempos, dessa forma precisamos de fato fazer uma reprogramação, provocar uma mudança de mindset para passarmos a perceber as situações que nos acontecem de forma a ver o lado bom. Ser feliz é escolha, a questão é: em uma realidade onde perseguir a felicidade virou moda, será que é mesmo interessante encontrá-la?

Na prática:

7 Crie um ‘pote da gratidão’
Todos os dias, como sugestão à noite antes de dormir, deixe um bloquinho, caneta e um potinho ao lado da cama. Escreva pelo menos três coisas que aconteceram no seu dia às quais você é grata, das mais simples às mais extraordinárias, e coloque no seu Pote da Gratidão. Mantenha essa rotina por algumas semanas e comece a perceber como se sente!”

pexels-photo-774866

Por Gabriel Carneiro da Costa, escritor e palestrante:

“Falar sobre felicidade é sempre um assunto amplo, profundo e complexo. Qualquer definição que eu dê será mais falando daquilo que me faz feliz do que a felicidade em si. Porém, nestes anos todos de atendimento pude perceber que a felicidade tem uma profunda relação com a capacidade de reconhecemos os ganhos e as trajetórias que já percorremos.

Uma coisa que costuma gerar confusão é a falsa ideia de que felicidade tenha ligação com ausência de problemas ou dilemas. Todos nós temos os dias de fracassos, preguiça, confusão, tristeza e etc. A felicidade se relaciona muito mais com a capacidade que temos de aceitar e de lidar com estas emoções do que com a ausência delas.

Na prática:

8 Avalie sua vida atual em relação a um ponto anterior de sua trajetória
Temos o hábito de comparar nosso ponto de chegada com o ponto de chegada dos outros. Mas isto não é justo, pois não estamos comparando os caminhos que foram percorridos. A melhor comparação é quando comparamos com que nós éramos há um determinado tempo atrás.

9 Olhe mais para si e para seu momento atual
Preocupe-se menos com a felicidade alheia nas redes sociais. Entenda que a grama do vizinho é a grama do vizinho, e que felicidade não é um ponto de chegada, mas uma característica possível de estar presente durante a caminhada.”

Leia também
:: Dinheiro traz felicidade? Saiba o que dizem as pesquisas
:: F = G + C + AI: pesquisadores desvendam a “fórmula da felicidade” e dizem que é uma habilidade que pode ser aprendida

Leia mais
Comente

Hot no Donna